quinta-feira, 25 de julho de 2013

CAMPUS FODEU

Estou com vergonha de ser brasileiro. Estou com vergonha de ser carioca. Estou com vergonha desse vexame-master que está sendo a Jornada Mundial da Juventude, e olha que eu nem mais sou católico. Primeiro foi o desfile atabalhoado do papa no dia da chegada, onde ele só não foi trucidado por uma matilha de chacais porque não existem chacais no Rio de Janeiro. Parece que houve falha de comunicação e Francisco até lucrou com essa confusão toda, pois foi aclamado feito divindade encarnada. Mas depois veio algo realmente indesculpável: a falha no metrô que deixou a pé milhares de peregrinos. Pode até ser sabotagem contra Sérgio Cabral e Eduardo Paes, mas a Prefeitura responder que o afluxo de passageiros era "imprevisível" faz desconfiar que seja incompetência mesmo. Hoje a suspeita cresceu ainda mais com o cancelamento puro e simples de todos os eventos previstos para o Campus Fidei, a mega-estrutura montada nas lonjuras de Guaratiba para ser o principal palco da JMJ. Ninguém pensou que poderia chover? Ninguém lembrou que terra quando molha vira lama? E lá se vão mais não sei quantos milhões ralo abaixo. O Rio está provando que não tem o menor gabarito para receber eventos de grande porte. Não com esses governantes que estão aí. Vergonha, vergonha, vergonha.

48 comentários:

  1. 2 membros.
    Você deveria estar aqui pra ver a vergonha master que todos os caiocas estão sentindo. Nunca vi tanto turista de uma vez só na cidade.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ué, vergonha master e nunca viu tanto turista de uma só vez na cidade?
      Eu nunca vi é tanto turista sorridente e feliz pelas ruas do Rio, e demonstrando agressivamente esse estado de espírito, seja no agradecimento especial por uma simples informação prestada ou na exaltação de uma paisagem urbana a que já estávamos acostumados e não considerávamos nada especial.
      E isso tudo sob frio e vento patagônicos.
      Felizmente ninguém quer depredar as lojas Reserva, Richards, Redley, Maria Bonita...

      Excluir
    2. A vergonha é pela cidade não estar recebendo bem essa turistada toda.

      A sorte é que são peregrinos pacíficos. Quero só ver com os hooligans que virão para a Copa...

      Excluir
    3. É que são turistas de primeira E ÚLTIMA viagem. Pode apostar. Por isso estão "turistando" (indo a praia, tirando fotos do Municipal, indo ao Maracanã...)
      Mas a imagem da cidade vai sair arranhadíssima.

      Excluir
    4. E que turista não faz isso? rs

      São pontos turísticos do Rio, oras.

      Excluir
  2. Quem pagou este palco que ficou às moscas? A Igreja Católica?
    Para quê 2 mega blaster palcos?

    Em Madrid 2011 havia um só, e bem modesto, nada de show com cantores populares espanhóis nem histeria coletiva. Isso em Agosto, pleno verão, um sol de rachar mamona.

    E as saunas e lugares gays de Chueca lotados de peregrinos....

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Querido, vc não tem ideia do dinheiro que esses peregrinos tão gastando aqui. Até o boteco da esquina tá cheio...

      Excluir
  3. Well, brasileiros/cariocas nunca foram conhecidos pela capacidade de organização.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Talvez da mesma forma que os homosexuais não passam de bichas...

      Excluir
    2. Pelo menos somos uma cidade interessante no Brasil, diferentemente de 90% do resto :) Você conhece, por acaso? Porque um gaúcho não conhecer o Rio de Janeiro para mim é tipo um americano não conhecer Nova York.

      Excluir
    3. Como cartão postal pode ser bonito, mas os tipos humanos são chaaatos à beça, tem aquele sotaque de voz rascante, tem as gírias que repetem 'galera' e 'mêrmão' a cada 5 min. de conversação casual, tem os supertudo da tijuca, tem as estrelinhas enrustidas da globo fazendo jogging c/ boy-magia a tiracolo nos calçadões da praia e esquecendo da responsabilidade social qdo pegam microfone e falam como heteros pentecostais, aff... um N.O.J.O., deixa o Rio DESCANSANDO NUM BANHO-MARIA DE INCOMPETÊNCIA que em 2014 a gente passa mais um pouquinho de vexame.

      Excluir
    4. Gente, foi mal, mas vocês já ouviram português do portugal? A pronúncia do S simplesmente se alinha ao padrão histórico da língua portuguesa, que a difere marcadamente do espanhol e de outras línguas neolatinas. Basicamente isso.

      Além disso, há sotaques e sotaques. A pessoa de fora do Rio tende a achar que todo mundo fala como o Alexandre Frota, enquanto isso não é verdade, assim como não é verdade que todo paulistano fêlãaa assim meoôoooo

      Eu nunca falo "mêrmão" e sou carioca. Pelo menos falo biscoito, e não bolacha. É só ler o rótulo ("BISCOITO").

      Beijos

      Excluir
  4. Aliás, toda a Guaratiba contava com a vinda do Papa e agora está frustrada porque não vai mais movimentar a economia local. Banheiro do Papa feelings.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Alguma coisa Guaratiba há de faturar porque tem muito peregrino hospedado nas redondezas. Estes sim, se foderam: estão no extremo oposto de Copacabana, com no mínimo uma hora de traslado (se houver transporte e não estiver muito trânsito).

      Excluir
    2. Tony, trust me: o nome disso é imprensa exagerando os problemas. Se você estivesse aqui, veria os aspectos positivos. Juro para você: está tudo bem, tudo feliz, tudo alegre. Acho que não teria sido assim em outra cidade. Pelo menos não vimos um trem moderníssimo descarrilar matando 80 pessoas, como na Espanha (que foi sede da última JMJ, by the way).

      Excluir
    3. Uma hora? HAHAHAHAHAAH Isso num dia muito bom!!
      Hoje eu, que moro na Tijuca, não chego em Copacabana com menos de 2.

      Excluir
    4. Em tempo: veja o vídeo das 20:58: http://g1.globo.com/jornada-mundial-da-juventude/2013/cobertura/
      E o banheiro do Papa reloaded.
      E claro, sabe quem vai lucrar com esse deslocamento... Começa com Jorge e termina com Barata porque a orientação é usar as linhas regulares de ônibus.

      Mas tem gente alienada que acha está todo mundo feliz tirando foto na praia.

      Excluir
    5. Os restaurantes do meu bairro estão todos lotados, o dia todo e até de noite. Vejo pessoas felizes para todo lado. E olha que meu bairro, apesar de ter o acesso a um ponto turístico, nunca foi muito bem-sucedido em atrair turistas para outras atrações (restaurantes, por exemplo). Estou achando ótimo.

      Quem esteve em Madri na JMJ turistando também teve vários problemas. A namorada do meu irmão estava lá e não conseguia se deslocar direito.

      É muita gente, Tony. Acho que o impacto é grande em qualquer cidade.

      Não sou alienado, apenas acho que a população tem que parar de reclamar, porque são ALGUNS diazinhos e ponto final. E não venham reclamar, porque hoje é feriado e ontem foi feriado. Além disso, nas repartições públicas, como no Ministério Público e no Tribunal de Justiça, SEQUER houve expediente na quarta-feira. Eficiência judiciária vai para o espaço, né? Enfim...

      Beijos!

      Excluir
    6. Errata: *sequer teve expediente total no dia 23, fora a operação tartaruga a semana passada toda, bem como no pouco que houve esta semana!!

      Servidor reclamando, não dá!

      Excluir
  5. Desculpa, Tony, mas o vexame master é para quem não está no Rio. Aqui está sendo um sucesso total. Eu nem me considero católico, mas vejo os jovens para lá e para cá sorridentes, felizes, etc.

    O vexame para mim foi o problema no metrô, que realmente foi vergonhoso.

    De resto, acho que está ótimo. Muito dinheiro entrando em restaurantes e serviços da cidade.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. João, o vexame é não receber direito essa massa de gente. Ver os peregrinos passando frio por falta de condução ou andando na linha escura do metrô foi de cortar o coração. E de me matar de vergonha.

      Excluir
    2. Tony, o seu anticlericalismo digno de Marx e Trotsky não deixa v. entender o João: a galera toda está para lá, não de Marrakesh, mas de Jerusalém. E mofa em fila, é espremida contra gradis de segurança, anda pelos trilhos do metrô, pena em frio e vento patagônicos e garoa paulistana, tudo curtindo e cantando, como em um filme musical.

      Excluir
    3. É o típico caso de vergonha alheia. A turistada é formada basicamente por peregrinos, gente do bem, e que ainda por cima tem na chance de ver Francisco algo que supera qualquer sacrifício (aliás, é uma coisa bem católica ver beleza no sacrifício). Mas não podemos esperar que o pessoal que virá para a Copa e para as Olimpíadas tenha esse mesmo, digamos, 'fair play'.

      Excluir
  6. Imagine na Copa... Mas Francisco é mesmo tão carismático e cute-cute que maciça maioria dos peregrinos e romeirinhos não tá reclamando/reivindicando quase nada...

    ResponderExcluir
  7. Realmente Tony, foi ridículo. Quando vi pela primeira vez pela Globo News o Campus Fidei do alto logo pensei na possibilidade de uma simples garoa transformar aquele campo de várzea num lamaçal católico. Logo eu que sou uma pessoa limitada e não ganhei um centavo para pensar sobre isso....

    ResponderExcluir
  8. Aprecio bastante seus comentários e opinião, mas, no tocante à religião, penso ser v. por demais traumatizado, não sei se pelo colégio de padres – agravado pela infância em Balmoral -. Sua terapia não garantiu progressos nesse quesito e a apreciação do evento carioca mostra excitação excessiva [saiba que sou ateu].
    Quem deveria protestar por falhas na segurança é o papa e assessores, mas ele gostou e até abriu a janela – rodando
    ele mesmo a manivela do vidro – para ter contato direto com o povo. O resultado não poderia ser mais bem sucedido.
    O Metrô parado por duas horas é inadmissível, principalmente por ser fato incomum, mas a Praia de Copacabana ficou cheiona de qualquer jeito, pois o que há de master é a alegria e o bom astral dos visitantes e cariocas pelas ruas, praças e praias.
    É muito chato o Campus Fidei não ser usado, pois a população dessa área periférica merecia o evento. Mas a obra feita no local foi do tipo provisória, certamente não contando com tanta chuva em mês de seca.
    Tantos problemas juntos podem comprovar que Deus não é carioca ou não existe. Mas o clima de bela festa que encontramos por todos os cantos da cidade parece mais indicar que a inveja é uma merda.
    Você está valorizando pontos não essenciais e esquecendo o principal, o impacto que o evento pode ter até mesmo na política, em especial brasileira, pois o Hermano não dá mole.
    Tá bom, o manual é lamentável, mas perfeito só Ele. Os daqui da terra, que editam manuais etc, são reles humanos cheios de defeitos.
    Até o João, um contestador inato, discordou de suas críticas. Pena que, para comemorar o evento, ele não traga de volta sua foto de anorak vermelho.

    Em tempo, deu no Gois [com ‘i’ e sem dentes], O Globo, em 23.07.13:
    ‘Sábado passado, numa festa gay no Bar da Rampa, em Botafogo, havia peregrinos com a camisa da Jornada Mundial da Juventude.’
    =

    ResponderExcluir
  9. Via sacra do peregrino gringo da Jornada inclui furto, frio, fome e pânico

    Do UOL, no Rio de Janeiro 26/07/2013


    Eles são, oficialmente, mais de 350 mil. Andam em grupos, cantando músicas religiosas, gritando o nome do papa Francisco e carregando a bandeira de seus países. Parecem sempre alegres, mas não é bem assim.

    Os jovens peregrinos na Jornada Mundial da Juventude estão enfrentando alguns problemas sérios no Rio de Janeiro. A via-crúcis inclui casos de furto, dificuldade para se alimentar, frio e chuva em excesso e sérios transtornos no metrô da cidade.

    A reportagem do UOL conversou com duas dezenas de jovens na quinta-feira (25), na avenida Atlântica, durante a chamada Cerimônia da Acolhida, o primeiro encontro do papa com os participantes da Jornada.

    De um modo geral, todos estão felizes com a acolhida que receberam, mas aos poucos, na conversa, deixam escapar algumas reclamações.

    VIOLÊNCIA

    "Está tudo ótimo", diz a francesa Calixte Des Lauriers, antes de completar: "Menos pelos punguistas. Roubaram uma carteira, um cordão e uma bolsa de uma amiga minha".

    Casos de furto também foram relatados pelo australiano Ashok Kumar. "Roubaram a câmera fotográfica de um colega meu dentro do ônibus. Mas essas coisas sempre acontecem em multidões".


    FOME

    Seu colega Thai Hong é menos compreensivo e desabafa: "Sofremos outro dia para sair porque o metrô estava fechado. Tivemos que pegar um ônibus lotado, até a avenida Rio Branco. A comida é cara, mais cara que na Austrália. Não consigo de jeito nenhum comprar um cartão para celular: Ninguém entende o que eu falo."

    CHUVA E FRIO

    O frio e a chuva pegaram as peregrinas de surpresa: "A chuva está atrapalhando muito. Eu só trouxe roupa de verão e não tenho mais o que usar com esse frio e chuva.", reclama a argentina Augustina Franceschinis. "Não consigo comprar um casaco novo. O meu molhou. Todos os que vi nas lojas são muito caros", lamenta a americana Angela Skowroner.

    Muitos reclamam, também, das dificuldades com alimentação. Os peregrinos receberam um crédito de R$ 30 diários para gastos em estabelecimentos credenciados. "A comida é um pouco cara. Às vezes, usamos os R$ 30 de crédito para o dia em uma única refeição. Mas é comida boa", diz a americana Emily Karrick.

    FILAS

    "Para um evento deste porte, faltam restaurantes 24 horas. Têm poucos restaurantes credenciados. Ontem, fiquei quase duas horas na fila para comer no McDonalds", diz Ratnasari Herawati, da Indonésia.

    As filas quilométricas no metrô viraram rotina, mas os peregrinos têm enfrentado situações ainda mais graves, como relata Yu-Chun Hung, de Taiwan. "Ontem (quarta-feira), numa estação no centro, ficamos prensados numa ponte, sem poder andar pra frente nem pra trás. Fiquei em pânico. Era tanta gente querendo ir para os dois lados, que ninguém conseguia andar. Vi muita gente chorando."

    Entre os participantes da Jornada há muitos, porém, que não reclamam de nada.

    CAOS NO METRÔ

    Yu-Chun Hung, de Taiwan: "Ficamos prensados em uma ponte, no metrô, sem poder andar"


    POBREZA NO BRASIL

    A canadenses Sarah Yenko expressa bem essa posição: "Só o tempo é ruim, mas não reclamo. Estou aqui por Deus."

    A freira polonesa Monica Hoffmann acrescenta: " É interessante para a gente conhecer a pobreza e a miséria. Todo mundo sofre por causa da miséria".

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nossa, pena de quem se informa pelo UOL...

      Excluir
    2. Ah Joaninha vai dar meia hora de ... oops ! é exatamente isso que te falta.

      Excluir
    3. O dono do blog escreve para uma das empresas do grupo fofa. Você deveria ter pena de si mesmo por ler e comentar no blog dele então! E talvez por mais alguns motivos...

      Excluir
    4. Anônimo das 11.05, as uvas estão verdes.

      Excluir
  10. Eduardo Paes diz que organização da JMJ merece nita quase zero.
    http://moglobo.globo.com/integra.asp?txtUrl=/rio/nota-da-organizacao-da-jmj-esta-mais-perto-de-zero-diz-prefeito-9201185
    SEM MAIS!!!!!
    Isso encerra o assunto.
    Vão ser dois milhões de turistas que vão voltar pras suas terras com a certeza que o Rio é uma zona.

    ResponderExcluir
  11. Não sei o que é mais B I Z A R R O: os problemas que aconteceram ou os comentários dos contra (uol, fsp, donos de blogs...). "Vão ser dois milhões de turistas que vão voltar pras suas terras com a certeza que o Rio é uma zona". KKKKKKKKKKKKKK. Ai, jisus, pacieeeeeecia!....

    ResponderExcluir
  12. Sério, pelo evento em si eu acho o mesmo que você, um total fiásco. Agora com relação ao efeito, ao objetivo deste evento, provavelmente ele será alcançado, aliás antes de terminar digo que já o alcançou: mostrou a muitos brasileiros uma imagem simples e simpática do líder da icar, com o claro intuito de no longo prazo evitar a saída de mais fiéis católicos para outras igrejas ou tornarem-se seculares. Então, para o Vaticano pode não ter sido um show de maravilhas, mas surtiu o efeito desejado.

    ResponderExcluir
  13. Para o Daniel: tenho 52 anos, carioca, morador da cidade, estou no Rio, prof liberal (2 dias de feriado forçado), nascido no Rio Comprido e há 45 anos moro em Ipanema. NÃO TENHO LIGAÇÃO POLÍTICA EM QUALQUER ESFERA. Não gosto de NENHUM destes políticos que estão aí, nem de NENHUM que fui obrigado a conviver ao longo destes anos. Mas não vou mandar um, como é mesmo?, CALABOK para você. Ah... Faltou dizer: sou A T E U.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Anônimo das 19.43, você que nasceu no Rio Comprido sabe que a Tijuca é o Connecticut do Rio: o lugar das pessoas mais absurdamente burguesas e caretas do universo e tijucano consegue ser pior do que paulista. E o Daniel é do Meier, subúrbio de grandes tradições culturais e sociais, mas se mudou para onde? Para a Tijuca, meurmão, veja só que traição. Isso é pior do gay closetado dizer em público que homosexualidade é perversão. Assim temos de relevar o que anda dizendo, pois ele também precisa de um favor do Antonico, cantaria o Ismael Silva em belos versos.

      Excluir
    2. < Willy Wonka> Conte-me mais sobre como você precisou se deslocar na cidade nesta semana sem ter que derrubar uns 300 peregrinos na sua frente? < /Willy Wonka>
      E que ótimo, também sou ateu e não apoio nenhum dos partidos que EXISTEM.

      Excluir
    3. Anastasia Beaverhausen27 de julho de 2013 11:34

      Anonimo 04:14, por que descambar a discussão para bairrismos? Sou paulista, adoro o Rio mas não entendo essa necessidade que muitos cariocas têm em meter esse bairrismo bobo no meio.
      Sim, eu sou paulista.
      Sim, eu moro na cidade que o Brasil ama odiar.

      Excluir
    4. Falou tudo, Anônimo das 04:14h. Tijuca é o antro do conservadorismo militarizado do Rio de Janeiro. Núcleo da TFP e de outros movimentos análogos.

      Passei 5 anos de faculdade convivendo com gente dessa parte da cidade e é bem verdade que existe esse perfil.

      Excluir
    5. Anastasia, mil perdões, foi uma provocação ao nosso mui admirado blogueiro, carioca que teve nesse post um desvario paulicéico pré Manifesto Modernista. Ninguém está livre de mancadas, nem ele, nem eu. Queira me desculpar, pois a grande paixão de minha vida era paulista e, só por isso, eu jamais poderia desconsiderar a cidade.

      Excluir
    6. Willy Wonka foi qualquer coisa de gorgeous à magnifique, rsrsrsrsrs ad infinitum...

      Excluir
  14. Apesar de ateu de longa data, não resisti à tentação e me mandei para Copacabana para ver o buchicho peregrino. De cara, as duas galerias do Tunel Novo, fechadas ao tráfego, pareciam saída do Maracanã em dia de Flamengo e Vasco, cheias de gente cantando e bandeiras. Porrilhões de grupos de até 40 adultos seguiam em fila indiana de mãozinhas dadas, para ninguém se perder. Uma graça. Pelas ruas, as pessoas se cumprimentavam, recebi muitos 'hola!', como se fosse uma cidade do interior. Meu cachorro foi fotografado, separadamente, em seis diferentes colos de moças, que o consideraram entre 'fofo' e 'muy rico'. Havia representantes de todos os países, matizes e setores, mas nenhum gays. Muitos grupos familiares negros, numerosos, com avós, avôs, filhos e netos, certamente brasileiros Do evento em si pouco vislumbrei, mas curti bastante o agito. Na saída, a fila do metrô serpenteava da R. Figueiredo Magalhães até perto do Copa, umas 8 quadras, todo mundo numa naice, sem ninguém furando a dita.
    E o UOL deixou de registrar, para deixar os paulistas felizes: ao final do evento, os bares de Copacabana não tinham mais queijo para fazer pizza ou sanduíches, nem Cocas, a cerveja estava tépida, e empada ou coxinha, nem morta.
    Na verdade, eu morri de inveja da alegria e leveza daquele povo todo e achei que talvez ser ateu tenha lá suas desvantagens.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Te adorei, cara, es muy espirituoso, ri bastante c/ seu post, especialmente os paparicos dispensados ao seu cãozinho, de repente ser católico e gay pode virar tendencia.

      Excluir
  15. Informação para os preocupados com o vexame master:
    Segundo a pesquisa feita com os visitantes do Rio durante o evento católico, 93% deles afirmaram que voltariam à cidade.
    Mesmo que tenha sido por simples caridade cristã - influência do gran Hermano -, não deixa de ser relevante.

    ResponderExcluir
  16. A transmissão pela Globosta é bem carola e devaneia dikunfôça c/ um brasil que não existe, mas é melhor que passar esse calvário cristão repetido pelos peregrinos, fora isso os comentários por aqui andam viperinos, as bee (paulistas vs. cariocas) numa grande competition p/ ver quem tem mais informação, intelecto e status koo, huahahahah I die with it.

    ResponderExcluir
  17. Por isto que eu moro em Tubiacanga e adoro!!!! Troco por nada!!!

    ResponderExcluir