quarta-feira, 3 de julho de 2013

CAIR O CAIRO

O que está acontecendo no Egito é a versão local de um dos pesadelos que afligem o Brasil neste momento: o povo invade as ruas para reclamar e acaba atiçando os militares, que aproveitam a deixa para reafirmar quem é que manda no cafofo. O fato é que o Exército continua sendo a maior força política do país. Nem os partidos islamitas, que conquistaram cerca de dois terços dos votos nas eleições do ano passado (as primeiras realmente livres da história egípcia) têm tanto cacife. Mas o deposto presidente Mursi abusou. Como muitos líderes de democracias imaturas, ele achou que comandava uma ditadura da maioria, e que poderia impor o que quisesse (no caso, um regime teocrático) a uma população bastante diversa. É parecido com o que se passa na mais avançada Turquia e, guardadas as devidas proporções, também no Equador, na Bolívia e na Venezuela. O que vai acontecer por lá daqui para a frente é uma incógnita. Foram os jovens ocidentalizados que iniciaram a rebelião que derrubou Mubarak, e foram eles que agora retomaram a praça Tahir. Mas isto não quer dizer que venceram. Os liberais ainda são poucos e os milicos, depois de décadas no comando, têm interesses emaranhados em todos os setores da economia. Não vão largar o osso assim tão fácil.

10 comentários:

  1. sem contar que o rapaz que segura o cartaz é de morrer e ressuscitar!

    ResponderExcluir
  2. E aqui no Brasil só uma grande revolução para tirar este desgoverno maldito cheio de bandidos de colarinho branco!!!!!! Guilhotina é pouco para este desgoverno Brasileiro!!!!!!!!!

    ResponderExcluir
  3. Mas no Brasil os liberais são maioria, e eles é que foram as ruas maciçamente. Os militares não encontrariam eco!

    ResponderExcluir
  4. coisa de jornalista: dizer o que se passa soando como se estivesse fazendo uma análise rebuscada.

    ResponderExcluir
  5. O mio babbino caro
    Mas a percepção é que de fato a população se rejubilou com a queda de Mursi.
    No Brasil nos contentamos, na época, com a queda de Collor...O termômetro democrático da atualidade é uma bandeira com as cores do arco-íris. Não vi.

    ResponderExcluir
  6. A experiência do Egito serve de alerta para o Brasil: é muito bonito encher as praças em manifestações de grande alcance, que derrubam governo, mas não é suficiente. Nem por isso os políticos deixam de cagar para todos nós.
    Vide Henrique Alves, que, ainda no calor das manifestações, ficou absolutamente à vontade pra encher um avião oficial com a concubina e pendurucalhos familiares para assistir um jogo de futebol no Rio.
    Guilhotina é pouco, há que se pesquisar os métodos talibãs de exterminar traidores.

    ResponderExcluir
  7. Shirley Love - Petista Convicta4 de julho de 2013 01:19

    Espero que o PSDB não se anime e queira dar um golpe...

    Era só o que me faltava isso aqui virar o Egito xexelento!! Eca

    ResponderExcluir
  8. Irmã Galantynes5 de julho de 2013 14:39

    Pergunta idiota 1: Q Q o pai da Cleycianne tá fazendo no Egito com esse cartaz no alto da cabeça? Pergunta idiota 2: Cadê tecla SAP p/ traduzir o cartaz? Afinárrr aki é chique mas tb é lido por bicha pão-com-ovo! Thanks Tony, te acho suprassumo qdo inclui outros assuntos menos fechativos.

    ResponderExcluir