sábado, 27 de julho de 2013

AZUL DESFOCADO

Em 2009, o diretor Renato Borghi percorreu diversos países da América Latina em busca de textos para montar no Brasil. Um dos escolhidos foi "Azul Resplendor" do peruano Eduardo Adrianzén, mais conhecido como autor de telenovelas. Não sei o que Borghi viu nesta obra: ela é irregular e desfocada, parecendo ter sido escrita por um comitê. Uma atriz aposentada é procurada por um antigo fã, que quer gastar todas suas economias para trazê-la de volta aos palcos. Esse ponto de partida permite os melhores momentos do espetáculo, quando Eva Wilma e Pedro Paulo Rangel travam diálogos ferinos sobre vida, morte e amor com todo o brilho que esperamos deles. Mas boa parte do tempo é tomada pela montagem da peça-dentro-da-peça, que satiriza os encenadores de vanguarda e os bonitões sem talento. A cenografia não ajuda e os coadjuvantes estão todos péssimos - com a gloriosa exceção de Dalton Vigh, mais seguro e bonito do que nunca. Saí do teatro com a sensação de ter visto duas peças costuradas juntas, uma boa e outra ruim. Esse Peru tá meio caído.

8 comentários:

  1. Hummm, não vi a pela ainda, mas acho que qualquer coisa que tenha a participação de Eva Wilma não seja menos que perfeito.

    ResponderExcluir
  2. Navegando pelo Youtube, achei este vídeo sobre o festival de cinema gay em Lisboa do ano passado. Achei tão bacana que resolvi deixar link aqui (se bem que é quase certo que vc já o conheça:) http://www.youtube.com/watch?v=ziMcVsEDUO4#at=64 (Bruno)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Já conhecia, mas vale a pena rever. É muito bom.

      Excluir
  3. Pensei que fosse um anúncio da Volkswagen rsrs

    ResponderExcluir
  4. A Eva Wilma é do caralho, né!?! Pena q todos elogios sempre recaiam na Bibi e Fernanda!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não só Bibi e Fernanda, mas também Marília, Nicette...
      Tenho uma explicação para a Eva Wilma ser discriminada: ela era a mais bonita de todas, um rosto em padrão Hollywood, quando nossas artistas ainda eram mal alimentadas, lá pelos anos 50/ 60.
      Eram tempos bicudos e, em cima da propaganda do Sabonete Lux [então Lever] -- 'usado por 9 entre 10 estrelas de Hollywood' --, o Millor afirmava:
      "No cinema nacional 9 estrelas usam o mesmo sabonete, a décima tem dinheiro para comprar um só para ela."
      A Eva Wilma era essa.

      Excluir
    2. Boa! Huahahahaha... Millor nunca foi bobo.

      Excluir
    3. Anastasia Beaverhausen28 de julho de 2013 21:23

      Eva - 79 anos
      Fernanda - 83 anos
      Bibi - 91 anos
      Marília - 70 anos
      Nicete - 80 anos
      Tonia - 90 anos
      Todas 10 em talento, mas a Eva é de longe a mais bonita.Como sempre foi.

      Excluir