sexta-feira, 31 de maio de 2013

O ARGUMENTO BUMERANGUE

Um dos meus passatempos mais mórbidos é ler os comentários das matérias sobre assuntos LGBT na internet. Tem uma parte de mim que até gosta de sentir o sangue ferver, tamanha a boçalidade e a ignorância dos missivistas - quase sempre anônimos e quase sempre com sérias dificuldades em ortografia, pontuação e concordância verbal. Os argumentos dessa malta se dividem em dois grande grupos. O primeiro defende que o casamento entre pessoas do mesmo sexo não seria "bíblico", já que na Bíblia só existiriam casais formados por um único homem e uma única mulher (e não centenas de concubinas, escravas e esposas do rei Salomão). O segundo tipo de argumento se pretende mais racional, e costuma ser usado por gente de má fé contra qualquer coisa que lhes desagrade. É a "irrelevância" dos direitos gays frente à enormidade dos problemas que assolam o Brasil, como a miséria, a corrupção e a formiga saúva. Por que perder tempo defendendo as bichas, quando o béri-béri ainda não foi totalmente erradicado? Pois eu devolvo o argumento, feito um bumerangue na testa: por que ser contrário à plena cidadania dos homossexuais, quando há tantos outros temas candentes por aí? Porque não focar essa energia toda, essa autêntica ira santa, nos mesmos problemas que o próprio comentarista arrola? Porque não, né? Apontar para o outro lado é a típica desculpa de quem pretende disfarçar o próprio preconceito com tintas cívicas. Só que não cola. Próximo!

10 comentários:

  1. O pior é que muitas dessas pessoas que comentam são crianças e adolescentes. Claro que os Milleniums são tudo de bom, mente aberta, patati, patatá, mas já me meti numa discussão com um guri de 13 anos (!!!!) na Folha Online. Juro. Quando ele me disse a idade larguei de mão, obviamente. Ou seja...

    ResponderExcluir
  2. Acaba de ser aprovada a criminalização dos atos homossexuais... na Nigéria. Fica então para este povo todo mais um país exemplo de civilização do jeito como eles querem, junto coo o Congo, Irã e afins.

    Nós felizmente vamos na direção oposta, que é a do mundo desenvolvido, e isso é um caminho sem volta.

    A propósito, aquelas 3 fotos lado-a-lado na Folha ontem (Infelicianus, Bolsonazi e Enjoelma) não tem preço! :)

    ivan

    ResponderExcluir
  3. tony, já dizia o clichê que os melhores perfumes estão nos menores frascos. talvez teu melhor post desde muito tempo: claro, objetivo, lúcido, conciso e ferino! bravo!

    ResponderExcluir
  4. Tony, porque eu gosto tanto de você??

    ResponderExcluir
  5. Tony, para o cristão nada acontece que não seja da vontade de Deus. Se o casamento gay foi aprovado e está sendo realizado, quer dizer que Deus quis. Outra coisa, o cristão espera ansioso pelo fim do mundo e diz que o mundo está uma zona e que as profecias estão se cumprindo. Então porque lutar contra os sinais do fim do mundo, no caso os gays? Porque não deixam acontecer e em vez de ficar pregando o ódio não vão se preparar para o tempo do fim?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Anastasia Beaverhausen1 de junho de 2013 16:51

      É incrível como muitas pessoas querem dizer a Deus o que fazer. Se ele deixou acontecer, quem somos nós para contrariar?

      Excluir
  6. Os dados não mentem: homens são mais homofóbicos do que mulheres, e velhos são mais homofóbicos do que jovens. O futuro do Brasil são nossos jovens, e que gratificante ver que nossos jovens estão deixando as ignorâncias tradicionais de mão! Brasil: rumo ao futuro como um país onde todos possam amar quem amam e ser quem são!

    ResponderExcluir
  7. Resposta para quem diz que ser gay se aprende e que não é natural:
    "Seu pai algum dia lhe ensinou a ter ereções qdo olhasse para uma mulher q lhe atraísse?? Sua esposa tbm foi ensinada e ficar com a perseguida pulsando qdo olhar para um belo rapaz? Orientaçao sexual é algo intrínseco do individuo.

    ResponderExcluir
  8. Seria muito bom ter uma manifestação com dois milhões de pessoas pelo fim da corrupção e impunidade. Mas no quesito 'lutar pelos direitos', ninguém bate os gays.

    ResponderExcluir