segunda-feira, 27 de maio de 2013

AZUL É A MAIS QUENTE DAS CORES

Ninguém segura Adele. Primeiro ela ganhou um caminhão de prêmios. Depois levou o Oscar de melhor canção por "Skyfall". Agora ela faturou nada menos que a Palma de Ouro, o prêmio máximo no festival de Cannes. OK, não foi bem ela: foi o filme "La Vie d'Adèle", cuja história não tem nada a ver com a cantora britânica. Mas tudo a ver com esse momento que vivemos agora, aqui e na França. Ontem rolou mais uma passeata-monstro em Paris contra o casamento gay, mesmo depois dele ter sido aprovado pelo Legislativo. A coisa acabou em pancadaria e pode se prolongar por um tempo indefinido, porque o buraco é bem mais embaixo: o que acontece por lá é na verdade um embate entre a extrema-direita rertrógrada, racista e religiosa contra o resto do país, que em sua maioria aprova a igualdade dos direitos matrimoanis. Steven Spielberg, presidente do júri de Cannes, jurou por tudo que há de mais sagrado que o vencedor do festival não foi uma escolha política. Mas claro que foi: "Azul é a Mais Quente das Cores" (tradução do título do filme em inglês) conta a história do amor entre uma adolescente e uma mulher um pouco mais velha, com direito a longas sequências de sexo quase explícito. É dirigido pelo franco-tunisino Abdellatif Kechcihe, que tem um estilo peculiar com diálogos intermináveis e cenas que parecem levar a lugar nenhum. Tudo parece chatíssimo, mas de repente você se percebe hipnotizado. O filme tem estreia mundial prevista para o segundo semestre. Vamos torcer para que, pelo menos, passe no Brasil em alguma mostra.

17 comentários:

  1. BOBO ESSE INICIO DO POST, SUPER NADA HAVER...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. JÁ QUE VC É BOM EM PORTUGUÊS ME TIRA UMA DÚVIDA, A PALAVRA IMPORTAMOS TEM ACENTO? PQ NA NET VI COM ACENTO, MAS É UMA PAROXÍTONA TERMINADA EM O SEGUIDA DE S, ENTÃO NÃO SE ACENTUA. COMO FAZER???? (SOU A MESMA PESSOA EM TODOS OS COMENTÁRIOS E ACEITO DE BOA AS CRÍTICAS)

      Excluir
    2. Tem acento agudo em Portugal: "importámos". Aqui no Brasil escrevemos sem acento mesmo.

      Excluir
  2. OBRIGADO, MAS CONTINUA NADA A VER...

    ResponderExcluir
  3. A confusão entre estas duas expressões poderia ser evitada se em vez de “ter a ver” usássemos a expressão mais correta “ter que ver”. Realmente “ter a ver” é um galicismo, isto é, uma expressão que importámos do francês e que cada vez usamos mais em vez da portuguesa “ter que ver”.
    Assim, em português correto, devemos dizer:

    Isso não tem nada que ver com este assunto.

    ResponderExcluir
  4. Ouvi dizer que já está garantido para o Festival do Rio.

    ResponderExcluir
  5. Tony,

    Infelizmente vou ter que discordar com o teu "extrema-direita" e defender que "direita" é mesmo o termo mais apropriado para caracterizar o debate do casamento para todos aqui na França. :( Os principais direitistas "pro" escolheram ficar calados, e a cabeça da direita ja mencionou sua intençao de rever a lei quando eles voltarem ao poder (se efetivamente ele pode fazer isso, ja é uma outra questao). A "manifestacao para todos" é composta por gente absolutamente normal, por familias absolutamente normais (exceto pela obsessao por camisas polo e nomes compostos :D), uma visao que sempre choca quando a gente cruza com essa gente nos dias de protesto pelo metrô.

    Te confesso que na primeira manifestacao, pensei "direito deles de manifestarem". Na segunda, começou a me irritar profundamente cruzar com velhinhos esnobes carregando as bandeirolas enroladas no metrô e a minha reaçao era pegar na mao do meu namorado e fazer a linha "latina sexy bitch" no maior nivel gay possivel na cara dos velhinhos. Ontem, nao aguentei e acabei xingando as familias de "catolicos mal-comidos" quando cruzava os manifestantes na bicicleta.

    Ter opiniao diferente da minha, tudo bem. Mas defender de forma tao ardorosa uma desigualdade de direitos que me coloca em posiçao de desiguldade? Merece levar um "vai tomar no cu" sonoro sim.

    Fer

    ResponderExcluir
  6. E porque não traduziram o título do filme para "A vida de Adele"? Será que a pessoa que escolhe o nome dos filmes em português é a mesma que escolhe os nomes das novelas do SBT? Aff!!!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O filme ainda não tem título oficial em português. Em francês é LA VIE D'ADÈLE - CHAPITRE 1 & 2 e em inglês é BLUE IS THE WARMEST COLOUR.

      Excluir
  7. E essa história de um historiador que se matou na Catedral de Notre Dame e mandou avisar antes que era por causa da aprovação dessa Lei. Tentando entender o pensamento dessas pessoas: Prefiro me matar do que ver pessoas tentando ser felizes. Ou analisando pela ótica de um fanático religioso: o suicidio é considerado um pecado gravíssimo. Então o sujeito prefere "ir para o inferno" do que permitir que pessoas tenham o direito de exercer seu livre arbítrio mesmo que também "vá para o inferno". Não tem lógica alguma!

    ResponderExcluir
  8. mas um filme chato, sobre um assunto chato (sem duplo sentido)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Querido anônimo,

      No caso acima, você deveria ter escrito "mais". Não confunda "mas" com "mais". Senão vejamos:

      1) Mais um dia bonito;
      2) João foi a Londres, mas na verdade queria ir a Paris.

      São situações diferentes.

      Beijinhos carinhosos :*

      Excluir
    2. Joaninha voltou, mas, chata.
      Joaninha voltou mais chata.

      Hummmm as duas formas estão corretas.

      Excluir
  9. Antonieta, me diz a senhora viu o filme? ou de onde tirou que é tudo chato e bla bla bla. e cade a crítica a traduççao do nome do filme - q senhora sempre fazzzzzzz??? ps: amo a Fernanda française de Realengo!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Meu nome é Tony, não Antonieta.

      Não vi "La Vie d'Adèle", mas sim dois outros do Abdellatif Kechiche., Comheço o estilo dele.

      Ainda não sabemos que título o filme vai ter em português, por isto ainda nnao dá para criticar.

      Excluir
  10. hahahahahaha morri com o Antonieta! Gatcha, é com Y"

    ResponderExcluir