quarta-feira, 6 de março de 2013

O CORONEL EM SEU LABIRINTO


Alguém aí sabe dizer de cabeça o nome de algum presidente venezuelano anterior a Hugo Chávez? Aposto que não. Foi Huguinho, com seu jeitão hiperativo, quem conseguiu incluir seu país no mapa mental dos brasileiros. Antes dele, a Venezuela era apenas mais um dos nossos vizinhos, dos quais só a Argentina não costuma ser solenemente ignorada. Além disto, o caudilho se tornou um autêntico "popstar": lembro de uma multidão de curiosos se acotovelando para vê-lo em pessoa, numa de suas muitas passagens pelo Brasil. Só faltava estarem fantasiados de "little monsters".

O legado de Chávez é complexo e vai levar algum tempo para ser digerido. É inegável que ele conseguiu reduzir os níveis de miséria de seu país. Gente que não tinha nada agora tem alguma coisa. "El Comandante" também desalojou quase toda a antiga elite venezuelana, uma das mais predatórias da América Latina. O dinheiro do petróleo era desviado para paraísos fiscais e mansões em Miami. Agora boa parte dele é investido em programas sociais. Por isto, a popularidade de Chávez na periferia de Caracas equivale à de Jesus Cristo. Perto do dele, o prestígio de Lula parece efêmero como o de um ex-BBB.

Mas, por melhores que fosse suas intenções - e nem sempre eram boas - também é inegável que Hugo Chávez era um péssimo administrador. Não sabia como tocar um país, nem chamou gente que soubesse para lhe ajudar. Recheou as estatais com seus asseclas: camaradas que não tinham o menor preparo para cuidar de uma hidrelétrica ou uma petroleira, só a carteirinha do partido. O resultado foram apagões em tempos de represas cheias, desabastecimento nos supermercados, corrupção gritante e criminalidade galopante.

Além disto, o falecido também não se preocupou em diversificar a economia. O petróleo corresponde a 95% das exportações do país, e se seu preço cai, o país cai junto. É inadmissível que, com climas e terrenos tão favoráveis, os venezuelanos tenham que importar coisinhas básicas como frango e leite.

E será que podemos dizer que "el intumbable" foi um político hábil? Certamente menos do que Lula, que resistiu bravamente à tentação de jogar as classes mais baixas contra as mais altas. Chávez jamais procurou o consenso: sempre foi radical. Ou tudo, ou nada. Conseguiu o apoio imorredouro dos pobres, mas alienou a pequena classe média para todo o sempre. Era amado e odiado em proporções estarrecedoras, como nem nosso ex-presidente conseguiu ser.

Apesar de promover eleições regulares, pouco tinha de democrata. Perseguiu todos os órgãos de imprensa  que não lhe puxavam o saco, no que foi prontamente copiado por Rafael Correa, Evo Morales e Cristina Kirchner. Conseguiu fechar uma emissora de TV de grande audiência, o que lhe garantiu a adesão das demais. Chávez vinha de uma família de militares: não negociava, como Lula aprendeu a fazer nos sindicatos. Soltava ordens e não admitia contestação. Um estilo que fez escola em boa parte do continente.

Seu mito começou a ser cultivado ainda em vida. Agora virou praticamente um mártir, e seus seguidores tentarão transformá-lo em Evita. A afirmação de que seu câncer foi "provocado" pelos Estados Unidos faz parte da construção de sua aura. Sua sombra ainda vai pairar sobre a Venezuela durante muitas décadas, como aconteceu com Getúlio no Brasil ou Perón na Argentina. Políticos de todos os matizes se proclamarão os únicos e verdadeiros continuadores de sua obra.

Nicolás Maduro provavelmente será eleito nas próximas eleições - quer dizer, se estas acontecerem mesmo, porque na Venezuela sempre se arruma uma desculpa para tudo. De qualquer forma, o ex-motorista de ônibus deve continuar no poder. Os problemas parecem infinitos: a inflação absurda, o câmbio descontrolado, a carestia crescente. Ele também não tem um décimo do carisma de seu antecessor: vai ser difícil hipnotizar as massas. Mas, pelo menos até o momento, parece que haverá uma transição tranquila.

Estive muitas vezes na Venezuela e sempre percebia uma tensão latente no ar. Tinha medo que o país descambasse para uma guerra civil. Pelo jeito, esse risco  é menos iminente do que eu temia. Ainda bem. Se não houver derramamento de sangue, a morte de Hugo Chávez já não terá sido em vão.

O coronel encontrou a saída. Mas o resto de seu país continua no labirinto.

(Quer ler um artigo sobre Hugo Chávez muito melhor que este post? Clique aqui: é assinado por Rubens Ricúpero e foi publicado no "Valor".)

25 comentários:

  1. E' engracado ver a direita reacionaria vomitar toda a sua "classe" sobre a morte de um GRANDE HOMEM.

    Mais divertido ainda, e' ver alguem que ganhou eleicoes abertas e livres ser chamado de ditador.

    Adeus Sr. Hugo Chaves, o senhor nao era perfeito, assim como nos tb nao, mas o senhor tentou o seu melhor e sera para sempre lembrado com muito carinho pelo povo latino-americano.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. E que Deus o guarde, bem mortinho.

      Excluir
    2. Lucas, leu bem: Chavez foi um grande presidente (sic). Vê se aprende.

      Excluir
  2. Independente de qualquer coisa, ele colocou o nome da Venezuela em outro patamar diante do mundo. Não sendo mais apenas o lugar de onde vinham as misses.

    ResponderExcluir
  3. Tava lendo que o chavismo agora deve comecar a mostrar suas fissuras. Maduro representa a "direita chavista", as classes altas e não tem muita entrância com os militares. Nem em Cuba ele é visto com "bons" olhos.

    ResponderExcluir
  4. que o capeta o receba bem rs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. rs, sim! ainda mais estando em compania de Marx, Engels e Lenin, not bad company to be in, really!

      Excluir
  5. Tony, primeiro gostaria de dizer que de todas as matérias que li sobre Hugo Chávez hoje, a sua é que sintetiza melhor o que foi e quem foi El Comandante.

    Apesar de não concordar com o modo autoritário de alguns governos, ainda assim acredito que ele foi muito mais para seu país que Lula para nós. Alias, tenho tido repulsa e náusea cada vez que ouço alguma manifestação do nosso ex-molusco-presidente.

    Enfim, fecha-se um ciclo, abre-se outro. Que a Venezuela esteja resguardada e que o povo não pereça.

    abração.

    ResponderExcluir
  6. Aproveita e vem buscar o PAU D ÁGUA, e a MAMULENGA da mulher fantoche, e leva de brinde o aloprado Iraniano tirano!!!!!!!

    ResponderExcluir
  7. O "problema" é que, com ou sem Chávez, a Venezuela continua sendo insignificante - por mais petróleo que tenha.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não fale bobagem. A Venezuela tem muito petróleo que interessa ao Brasil, e a Venezuela tem também um amplo mercado interno para empresas brasileiras de todos os ramos porque não se produz nada lá.

      Excluir
    2. Taí uma palavra que te descreve: insignificante! Não há um comentário seu que acrescente nada, e olha que comentas todas as postagens...E quanto ao Chaves, que sua alma encontre paz,seus erros e tropeços ficam minimizados pelo volume de suas reformas na Venezuela, pela coragem da sua política estatizante em dar ao povo o que as elites roubam há séculos. Um líder corajoso, exemplar em alguns momentos, e execrável em outros, mas de maneira geral, um grande presidente.

      Excluir
    3. Lucas T., não ligue para as invejosas...

      Excluir
  8. nenhum país é insignificante _ e nem as pessoas que moram nele.

    ResponderExcluir
  9. "Não puxar saco" é muito diferente de armar GOLPES institucionais, e é por isso que certos órgãos de imprensa foram responsabilisados. A classe media brasileira que acha que é bem informada lendo Globo e Veja não tem parâmetros para julgar Chavez, porque recebe desses órgãos uma opinião enviesada, principalmente se esses orgaos forem associados a SIP (Sociedade Interamericana de Prensa) com largo historico de golpes no continente.

    A Venezuela vive um momento economico tenso como todo o planeta, mas seus problemas financeiros são bem menos graves que de muitos países europeus. A imprensa brasileira nunca informou a seus leitores que em 1998 havia apenas 1628 medicos em todo o país e hoje a Venezuela possui mais de 20.000. O desemprego que em 1998 era de quase 20%, hoje esta na metade. Qual o problema de Chavez ter multiplicado os gastos sociais no país ?

    Sabem aqueles rankings de felicidade nos países mundo afora. Em geral, eles combinam dados sociais e entrevistas nas quais um grupo representativo de pessoas diz qual é seu grau de felicidade numa escala de 1 a 10. Geralmente os países escandinavos como Noruega e Dinamarca ficam nas primeiras colocações e a Venezuela de Chavez fica sempre em primeiro lugar na America Latina. E ninguém nunca questionou a Noruega por ter o petroleo como pilar de sua economia e bem estar.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Super obrigado Bleu Indigo!!! vc sempre mostra com muita clareza e inteligencia o que muitos aqui se recusam a enxergar!!!

      E' de nao se admirar o porque estamos num patamar social tao inferior apesar dos avancos economicos, a mentalidade "shopping mall" da maioria dos gays brasileiros e' comico, pra nao dizer tragico.

      Excluir
  10. Tony, Perez Gimenez foi um presidente venezuelano. E gostou tanto de se-lo, que optou por tornar-se ditador. Mas não tinha nem 1% do caudillo-appeal do Chavez. E que Deus o receba e não deixe seu espírito voltar à América do Sul, esse circo de políticos que mais parecem caricaturas?

    ResponderExcluir
  11. "...muito melhor do que este post?"

    Como a sra e' DELUDED !!!

    Miami esta a espera de vc e de muitas outras!

    Gostando ou nao, viva com isso: PT vai ser o proximo governo !!!, o povao que vc tanto odeia nao e' burro nao!!!

    VIVA CHAVES , VIVA PT, ViVA A AMERICA LATINA SOCIAL DEMOCRATA

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. E como a senhora é grosseira!

      Você leu o artigo do Ricúpero? Ele é bem apartidário. Analisa as origens do fenômeno Chávez de maneira bem sensata e equilibrada. Se você leu e não concorda com ele, podemos debater de maneira educada e ponderada. Quem sabe você não me faz mudar de ideia?

      Mas pelo jeito você prefere gritar, que nem o pessoal que tentou calar a Yoani Sánchez. Que bom que aqui no Brasil vocês podem gritar, n'est-ce pas?

      ah, outra coisa: é "Chávez", com acento e z. Chaves é aquele do SBT.

      Excluir
  12. Grosseira, moi?
    Senhora?, Mademoiselle n'est pas contente! MADEMOISELLE, please!

    Nao li o tar do artigo, tenho outras excelentes referencias de leitura, bem menos tendenciosas.

    It's extraordinary how hard it is to change the mindset of the rightwing people, it hardly seems worth the bother to go all that way, no thanks!

    Quanto a tar blogueira: uma desconhecida, ignorante e se mantera como qual, na Europa NINGUEM quer saber dela/ouvir dela, fracasso total a tar da "tour", nao estou surpreso, e' desse jeito que os europeus dao o "welcome" a uma agente da ... travestida de mandataria de Human Rights.

    Gritar? grito sim e muito! especialmente quando tratando com gentalha burra e principalmente com os DELUDED iguais a vc!

    Bancando a professorinha? que gracinha, fofa!, sei que a sra ja tem uma idade avancada e fica muito dificil pra uma "aegre partus" acompanhar os trends da linguistica na era digital, mas comece por "lingua franca", depois de assimilar, quem sabe, perceberas o tanto que es ridícula.

    "ah, outra coisa;" o SBT, se nao me engano, a sra trabalha pra eles, nao e' messsssmo???

    Ah! as "publicitarias" mediocres...




    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Você NÃO leu o artigo e mesmo assim o ataca? E depois sou eu que sou "hard" de mudar de ideia?

      Não sou "rightwing", mas não vou perder meu tempo inisistindo.

      Yoani Sánchez é tão "ignorada" na Europa que é correspondente do "El País", o maior jornal da Espanha. Mas é verdade que sua passagem por lá tem menos manchetes que teve por aqui: lá não há manifestelhos correndo atrás choramingando. Boa parte da Europa sentiu o comunismo na pele, ninguém clama por sua volta.

      E não, não trabalho para o SBT. Mas você pelo jeito assiste muito.

      Excluir
    2. Tenho a mais absoluta certeza em dizer que nao sou eu que tenho que mudar de ideia, meus ideais fundamentais sao por justica social e igualdade, se isto quer dizer comunista, sim! o sou! e real/te nao vejo a necessidade em muda-los, me sinto muito feliz assim.

      Quanto ao fato da outra trabalhar pra o jornal X, isso nao significa nada!, haja visto vc entre tantos outros na foia, just another case, dos deluded!

      Em relacao a Europa Comunista, vc nao vai ser idiota em discordar que a Historia se repete!

      Odeio TV, principalmente o Mister Sorriso, sempre achei TV uma forma invalida de passa tempo.

      Good luck with your life (parece que vc esta precisando)





      Excluir
  13. Família Coração9 de março de 2013 22:39

    Não senti nada quando o plantão da tv anunciou o 'já foi tarde' de mais um ditador... Mas caíram diversas lagrimas de meu olho esquerdo feat. direito quando soube que o Chorão do Charlie Brown Jr já havia feito a viagem... por que ser humano é assim tão misterioso, néah? Tony mizifio isso aqui tá mais sangrento nos comments que octogono de mma, essas bee tão descompensadas, talvez falta do leite sagrado, rsrs. Comentava por aqui com um nome singelo e fofo, mas algumas leitoras azedas me fizeram agir como a sheryl crow: run baby run baby run baby run, mas ainda te leio muito, te curto e te acho superinteligente e sensato.

    ResponderExcluir