segunda-feira, 11 de fevereiro de 2013

NON HABEMUS PAPAM

Parece pegadinha. Sua Majestadde Satânica, o papa Adolf I, escolheu a segunda-feira de carnaval para anunciar sua renúncia. Fica no trono só até o final deste mês. Cansado e doente, diz que não tem mais forças para a missão. Talvez esteja querendo dar o exemplo. Insistiu muitas vezes que seu antecessor, que era ainda mais frágil e alquebrado, também renunciasse - mas foi em vão. Ratzinger será apenas o quarto papa a largar o osso por livre e espontânea vontade, e o primeiro desde 1415. Mas será que essa vontade foi tão livre e espontânea assim? Sinto frêmitos de prazer só de pensar que ele talvez tenha sido vítima de um complô no Vaticano, onde a intriga sempre foi o prato do dia. As delarações contraditórias daquele monsenhor na semana passada - primeiro apoiando os direitos dos gays, depois retirando o apoio - dão a entender que há um racha monumental nos bastidores da Igreja. Mas será que chegou mesmo a hora de uma correção de rumo? Lembro que, quando da eleição de Bento 16 em 2005, comentou-se que ele seria um papa de transição. Faria um pontificado curto, devido à sua idade já avançada, enquanto que seus pares discutiriam a relação e decidiriam o que querem ser quando crescer. Chegou a hora. Mês que vem teremos aquele ritual da fumacinha, aquela papagaiada toda. Será que a Santa Sé vai mostrar que se cansou de perder fiéis e entrar para o século 21? Não, não estou otimista.

32 comentários:

  1. Se "entrar para o século 21" significa padres barbudos socialistas, padres bibas enrustidas cantoras, missas show a la cultos evangélicos obscurantistas, que venha um papa ainda mais hardcore que o Bento, um erudito, pouco acessível às antas de hoje em dia. Lamento a saída dele, o mundo vai ficar mais brega ainda.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não, entrar para o século 21 siginfica não dizer mais que os gays são uma ameaça à paz mundial.

      Excluir
  2. Entrar para o Século 21 também é parar de acobertar os casos de pedofilia do mundo todo praticados por essa Igreja abençoada linda maravilhosa. Tem um documentário ótimo exibido na HBO chamado Mea Maxima Culpa: Silence in the House of God que todos deveriam assistir.

    ResponderExcluir
  3. Nossa aqueles símbolos estampados em sua roupa na parte dos ombros são idênticos a logo marca da Umbrella Corporation e vejam que coincidência: ambos (ele e a empresa fictícia) são conspiracionistas kkkkkkkkkkkkkkk....já foi tarde, pena que o próximo pode ser pior.

    ResponderExcluir
  4. Acho que temos de pensar em acabar com a influência desssas igrejas no política nacional. Elas só tem esse poder todo, porque existe uma parcela da população desassistida pelo Estado e veem que nessas igrejas sua única fonte de ajuda e pilar para seus problemas. Foi por isso que essas igrejas ganharam tanto poder. A matemática é bem simples, é pura observação, basta darmos uma boa olhada onde estão localizadas essas igrejas, em áreas periféricas e com pouca ou nenhuma presença do Estado. Pessoas que não tiveram acesso à uma boa educação, são suceptíveis a cair em contos-do-vigário. A educação de qualidade dá ao cidadão um pensamento crítico, ele não cai em qualquer palabreta que alguém professa por aí. É simples. Temos é de criar uma lei de iniciativa popular,assim como foi com a lei da ficha limpa, para proibir que se criem bancadas de cunho religioso-moralista, no congresso nacional. Não vai acabar,mas vai diminuir bastante o poder dessa gentinha. De dependermos dos nossos governantes, tudo ficará na mesma, vide Dilma.Nós é que temos de mudar essa situação.

    ResponderExcluir
  5. O filme Habemus Papam é tudo, mas isto (de hoje) não é um filme ainda. O satanás "renunciou". Renan e Sarney também?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. E ruim de Renan e Sarney renunciarem, hein? Eles podem estar velhos como Bento XVI mas, ao contrário deste, sempre terão quem faça seu 'trabalho' em seu lugar.

      Excluir
  6. Sinceramente, acho que o movimento LGBT não ganha nada num confronto direto com a Igreja Católica. Da mesma forma que temos nossos direitos fundamentais, eles (católicos) também tem o fundamentalíssimo direito de liberdade religiosa. É um confronto desgastante e que não leva a lugar algum. Uma religião declinante, pouco praticada pelos supostos católicos no nosso país (uma pesquisa da FGV falou em 30% dos católicos de fato praticarem a religião em nossas terras).

    Nesse sentido, inteligente foi o Canadá, que ao fazer sua lei do casamento igualitário, deixou claro que se tratava de uma lei civil, e que as igrejas homofóbicas poderiam adotar o entendimento que tivessem sobre casamento para fins religiosos. Pronto, deu certo.

    Acho que a melhor coisa é o "dane-se". Nem teria comentado a saída dele. Melhor coisa é ignorar.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O problema João é que mesmo sendo somente 30% dos que se dizem praticantes, os demais apesar de não praticarem seguem a mesma linha, ou seja, o preconceito não muda. Aliás já vi vários discursos de quem se diz sem religião e até mesmo ateu criticar os homos sem motivo algum.

      Excluir
    2. Correto, Caio! E o poder de persuasão que eles ainda possuem, não conta?

      Excluir
    3. Eu não entendo o que leva alguém a seguir uma religião que condena veementemente seu modo de vida. Alguém aí me explica?

      Excluir
    4. Eu não sou católico. Só tô falando que não estou nem aí para o catolicismo, justamente por ser uma religião em declínio, cujos fieis sequer cumprem mandamentos mais básicos (inclusive os de ordem sexual). Então não acho preocupante um papa conservador ou não. Acho que no nosso país não faz tanta diferença; a influência nitidamente diminuiu nos últimos tempos.

      Preocupantes são evangélicos teocráticos que vemos por aí...

      Excluir
  7. Nunca entendi o porquê de tanto furdúncio em cima da suposta autoridade do Papa. Todos os católicos que eu conheço, sem exceção, usam métodos contraceptivos, pelo menos 90% das pessoas divorciadas que eu conheço são católicas e a maioria dos gays que eu conheço foram batizados na igreja católica.
    Fala sério: quem realmente leva a sério o que o Papa fala?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muita gente! Pelo menos no que diz respeito aos direitos dos gays, deverá ser a mesma quantidade de gente que vc conhece com ligação com a Igreja Católica e pratica todo esses atos, inclusive a "sodomia"!

      Excluir
    2. Pois vem pro interior do norte e nordeste brasileiro pra vc ver a influência da Igreja Católica...

      Excluir
  8. Se o novo candidato tiver em idade de 70 anos, daqui 10 anos outra renúncia, deveriam colocar pelo menos um com 50 anos, e que faça mudanças, mas acho bem difícil, são muito conservadores,vamos aguardar, além do que esta eleição é tão complicada, cheia de ritos e cansativa!!!!

    ResponderExcluir
  9. Existe uma preocupação exagerada com a igreja católica, mas realmente sua influência política e social no Brasil é fraca há muito tempo. Quantas pessoas dizem que votaram em algum candidato porque um padre recomendou? Ao contrário de religiões pentecostais, onde os pastores simplesmente fazem lavagens cerebrais em seus fiéis, e conseguem com isso eleger seus candidatos mal-intencionados. O voto de cabresto tomou outra forma no Brasil de hoje, virou o voto religioso.

    ResponderExcluir
  10. Seu "artigo" nada mais é que algo de extremo mau gosto e cheio, cheio de preconceitos. Dica: estude mais. E aprenda a respeitar a religião e a condição de cada um. Não importa o que a "IGREJA" fez ou faz, pede ou não pede. O que importa são os valores de cada um. E vejo que chamar alguém de nazista, sem ter lido ou estudado sobre essa pessoa, sem de fato, ser católico. Se você não é, então, deixe em paz quem é e o PAPA, pois não vale a pena "perder" seu tempo com isso. Fale mais sobre o que acredita... Ao invés de falar sobre algo que repudia.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fui criado na Igreja Católica. Estudei em colégio de padre. Fiz primeira comunhão, crisma, ia à missa aos domingos. Hoje em dia não sou mais católico, mas o que o papa diz ainda me atinge.

      Você diz para eu falar do que eu acredito. Pois bem: estou falando do pouco de fé que ainda existe em mim. Fé que leva uma bofetada cada vez que o papa diz que os gays são inimigos da paz mundial.

      Excluir
  11. Quantas bichas revoltadas, não? Pela importância que ainda dão à aprovação alheia, continuam se perdendo cada vez mais nesses discursos repetitivos e inflamados, sempre à procura de inimigo da vez. Por que não viver livres, realmente livres, da opinião daqueles que não lhe fazem bem?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não é uma simples questão de opinião.A religião católica ainda é a amior e mais imnfluente do Ocidente, e tudo o que seu líder diz influencia milhões de pessoas (cada vez menos, é verdade). Essa influência se traduz em ideias, leis e atos concretos de discriminação. Quem me dera fosse só opinião.

      Excluir
    2. Não se pode esperar que as instituições religiosas mudem sua posição; isso dificilmente ocorrerá. Estado laico, então, é só um sonho por aqui. Então, o que fazer? Bichas geralmente são inteligentes _ juntas de verdade poderiam mover montanhas. No entanto, muito provavelmente isso seria mais difícil do que mudar a posição de qualquer igreja retrógrada. Eu diria até mesmo um milagre.

      Excluir
  12. hoje quando li a queda desse papa problemático, que perseguiu tanto inclusive, nós homossexuais, fiquei curioso com o que você falaria. daí ia escrever um texto longuissímo mas só consegui lembrar de uma frase da 'marcela chave de fenda'... NÃO MEXA COM AS TRAVAS, PERIGOSA!!

    ResponderExcluir
  13. Eu é que queria levar esta vida boa que levam os cardeais e bispos, eita vidão bom que eles levam!!!!!

    ResponderExcluir
  14. O mio babbino caro
    666/www
    Enquanto houver judeus e viados
    No passarán!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. La Passionaria fez esse belo discurso, mas quem não passou foi ela

      Excluir
    2. Pensar que a religião deve ser varrida do mapa é uma ingenuidade imperdoável, pois há uma eterna massa carente de muleta espiritual e Freud e Lacan são para happy few.
      As alternativas à Igreja Católica são apavorantes - evangélicos, pentecostais, islâmicos - embora possam até ser bem mais eficientes.
      Embora ateu, eu torço para que Roma escolha um Papa decente e conectado com o mundo, embora não veja essa possibilidade como muito viável, pois as transformações sociais foram violentíssimas e a Igreja é bem devagar.

      Excluir
    3. Tribunal Constitucional espanhol aprova casamento gay
      Tempo tempo tempo tempo
      Iroko

      Excluir
  15. Vi este comentário em um site e decidi colocar aqui, com a permissão do dono do blog, realmente dentro deste lugar que não tem nada de religioso, foi criado pelos homens, é uma PODRIDÃO!!!! Ganância e poder andam juntos!!!!

    "Não somos idiotas. O papa Bento XVI não renunciou somente em função de sua fragilidade aos 85 anos. Os grupos de poder, dentro do Vaticano, o forçaram à decisão. O centro de poder da Igreja Católica está em graves crises financeiras, e não creio que seja somente pela crise econômica mundial. Aquele secretário do papa que foi preso encontrou e surrupiou documentos em que há provas de corrupção dentro do Vaticano. Bento XVI pode estar doente, mas o Catolicismo quer nos impingir uma versão oficial de que só a saúde foi a causa da desistência. O pau come solto dentro do Vaticano. Cada um quer devorar o outro. Santinho ? Só do pau oco. Dentro da hierarquia da Igreja, hás tantos conflitos de poder como em qualquer parlamento. Não há muita diferença entre os políticos e o clero católico. Ambos aspiram ao poder, e se esfalfam em busca dele e de sua manutenção. Ao mesmo tempo em que condena a homossexualidade, parcela significativa do clero católico vai a saunas e outros locais e cai de boca na vida mundana. Há alguns anos, no Balneário Camboriú(SC), ao sair da cabine de uma sauna, um catarinense foi saudado por um amigo:"Pô, cara, tu estás bem na foto...Esse cara com quem tu acabaste de transar é o bispo da cidade X..." Quer dizer, condenam a homossexualidade, mas, longe da sacristia e sem batina, deitam e rolam como seres humanos comuns. Tudo bem, desde que, nos sermões, não sejam cínicos e condenem a nós, homossexuais, com suas pregações hipócritas e homofóbicas."

    ResponderExcluir
  16. Já vai tarde!! O Silas Malafaia da igreja católica!!

    ResponderExcluir