terça-feira, 19 de fevereiro de 2013

AO PÓ VOLTARÁS

Se dirigir embriagado já é perigoso, imagine então pilotar um avião. Agora, imagine que além de bebum você também está cheiradaço - e exatamente por causa do padê, consegue o sangue frio para realizar uma manobra arriscadíssima num avião em pane e assim salvar quase todas as pessoas a bordo. Esta é a premissa de "O Voo", que rendeu mais uma indicação ao Oscar de melhor ator para Denzel Washington (merecida, mas menos que o injustiçado John Hawkes) e também uma para seu roteiro original. Que é composto por cenas bastante longas, com muito diálogo; é até interessante ver o diretor Robert Zemeckis, autor de estripulias como "Uma Cilada para Roger Rabbit", se conter a um estilo sóbrio e deixar seus atores brilharem mais que a câmera. Aliás, ninguém brilha mais que a inglesa Kelly Reilly, uma atriz mal aproveitada que aqui dá um banho como uma junkie arrependida. Mas voltemos ao dilema inicial: o piloto agiu mal se o pó que cheirou ajudou a evitar um desastre maior? Mas será que, se estivesse careta, conseguiria fazer uma manobra ainda mais sensacional e salvar todo mundo? O filme logo separa esse dilema em dois. Uma coisa - salvar muita gente - é uma coisa. Outra coisa - pilotar sob a influência - você entendeu. O resultado é um final triunfante e moralista, bem como os americanos gostam. E o mais curioso é que o álcool é pintado como o grande vilão, mas o pó, esse danado... nada como uma boa cafungada para espantar a ressaca e nos dar coragem, parecem dizer.

11 comentários:

  1. Mas é vero. O pó "corta" o efeito do álcool de certo forma, deixa mais atento. Achei o filme bem melhor do que esperava, mesmo com o final moralista.

    ResponderExcluir
  2. Eu não consegui chegar ao fim. Achei chato, exagerado e depressivo demais.

    ResponderExcluir
  3. Tony como você dá conta de assistir tantos filmes, escrever de tudo e ainda dar conta do trabalho?? Quando crescer quero ser igual vocÊ...kkkk

    ResponderExcluir
  4. Por que chamam cocaína de PADÊ?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Vem do iorubá, na linguagem dos candomblecistas. Padê é a farofa que se oferece aos exus, se eu não me engano na época da quaresma, em que os santos ficam cobertos... como a farofa é branca, daí o nome.

      Excluir
    2. Valeu, Crico!
      Bjão

      Excluir
  5. "Parecem dizer" Ah ta! conta outra...

    ResponderExcluir
  6. Eu tinha um amigo de 16 que na segunda vez usando e por coincidencia no segundo tiro teve uma parada cardiaca e morreu na hora, por isso nao consigo ver drogas como uma coisa recreativa, por nao sabemos como vao funcionar as reaçoes de nosso organismo nem existe um controle para drogas industrializadas, entao, naosabemos o que estamos colocando para dentro.

    ResponderExcluir
  7. Seu amigo devia ser cardíaco e não sabia...

    ResponderExcluir