terça-feira, 15 de janeiro de 2013

PERNAS PRA QUE TE QUERO

Tem gente incomodada porque os únicos filmes brasileiros que estouram nas bilheterias são as comédias bobas. Acham que a cultura nacional foi para o caralho, que o mundo está perdido, que a inclusão digital foi longe demais e por aí vai. Pois eu acho que o simples fato de termos cinco ou seis filmes por ano que ultrapassem os dois milhões de espectadores é um sinal de maturidade, seja lá qual for o gênero deles. É só com "blockbusters" que se constrói uma verdadeira indústria cinematográfica, com ritmo regular de produção e emprego para muita gente. É por isto que eu adoro o sucesso de "De Pernas pro Ar 2" - o filme em si, nem tanto. Apesar dele ser melhor que o primeiro, com mais piadas e situações ligeiramente menos forçadas. Ingrid Guimarães está em pleno domínio de seu timing cômico, e é uma lástima que tenha que contracenar com Eriberto "Roberto" Leão, o pior ator brasileiro em atividade. Ele mais uma vez dá um show de canastrice: não consegue nem mesmo ver as horas no relógio de maneira convincente. Nem por isto o público deixa de gargalhar e de lotar as salas. Aposto que o "3" vem aí, e tomara que em seu rastro surja dinheiro e oportunidade para outros filmes, de todos os tipos.

11 comentários:

  1. É o mesmo que acontece no mercado editorial (onde trabalho): é preciso Harry Potters, 50 Tons e afins para que as editoras tenham suporte financeiro pra lançar livros mais sérios e menos 'vendíveis'.

    ResponderExcluir
  2. Verdade. Não é o tipo de filme que eu me prestaria a ver no cinema, mas os filmes comerciais são fundamentais.

    ResponderExcluir
  3. sem contar que assim sendo, os roteiristas e os demais podem garantir o leitinho das crianças, né tony?

    ResponderExcluir
  4. eu ia assistir de novo a viagem, mas acabei mudando de ideia e vi esse filme ontem- o primeiro filme nacional que vejo no cinema, por influencia do primeiro que passou ha duas semanas atras na globo, e me surpreendeu por realmente ter cenas engracadas, sem forcar a barra e o senso de ridiculo, coisa que eu acho rarissimo em filmes de comedia no geral. e uma pena que o nivel de humor da metade do filme, nao se mantenha ate o final, e acredito que as otimas participacoes que aparecem na sequencia da rehab poderiam ter se prolongado mais. tbm achei o eriberto dispensavel. qdo ele apareceu no spa eu pensei ish tudo o que a ingrid conseguiu ate agora vai se perder- que deve ser parecido com o que acontece qdo a mariana ximenes aparece nos penetras- filme que me recuso a ver por detestar o tal eduardo. felizmente nao achei que isso aconteceu e ele rendeu até um momento tesão.

    ResponderExcluir
  5. É, parece que finalmente enterramos os cadáveres insepultos do Cinema Novo.

    ResponderExcluir
  6. Que porra de argumentos sao estes os que vc citou???!!!!!

    Seria o mesmo dizer que deveriamos incentivar o crime/violencia pois estes tb geram muito mais empregos?

    Que saudades dos bons tempos, onde cultura era CULTURA !

    ResponderExcluir
  7. O problema e' que vai ficar somente nisso, nos filmes bobagens e nos empregos, os filmes bons nunca serao escritos e produzidos, ainda mais com a Globo estando a frente da maioria dos projetos, o que significa garantia de filme popularesco.

    ResponderExcluir
  8. Ajudem a decifrar se isso é piada ou fato: http://www.namorofake.com.br/

    ResponderExcluir
  9. "os filmes bons nunca serao escritos e produzidos" - Anônimo, 2013.

    ResponderExcluir
  10. Jamais iria ao cinema para assistir qualquer filme com humorista de televisão, mas vi uma cena da primeira versão desse filme na TV esses dias e ri muito. A Ingrid vai a boate depois de anos casada e alguém oferece uma bala, ela acha que é um Halls e aceita. Sequência hilária!

    ResponderExcluir
  11. Sério que dá pra aguentar o Bruno Garcia fazendo papel de Bruno Garcia?

    ResponderExcluir