terça-feira, 8 de janeiro de 2013

O PRESIDENTE-ZUMBI

Quem garante que Hugo Chávez já não morreu? Ou vai ver que está congelado, em coma induzido, nu e suspenso por fios, como num filme ruim de terror médico. O que importa é que ele chegue vivo - ou que se diga que está vivo - a 10 de janeiro, o dia de sua posse. Aliás, foi justamente para manter o máximo de sigilo que Chávez preferiu se tratar em Cuba e não no Brasil, melhor equipado para seu tipo de câncer. Agora ele está naquele limbo entre a vida e a morte, e pode arrastar a Venezuela junto. Há duas lutas acontecendo ao mesmo tempo: a primeira acontece dentro do próprio chavismo, com Nicolás Maduro e Diosdado Cabello disputando o título de príncipe-herdeiro. A outra, é claro, decorre do desespero dos chavistas em se manter no poder a qualquer custo. Chávez jamais deixou que surgisse outra liderança em seu partido, e a ausência de seu carisma pode fazer com que o povo finalmente perceba que a inflação está nas alturas e que a infraestrutura do país caminha para o caralho. Mas, enquanto ele estiver ligado aos aparelhos, este impasse continuará, e sua sombra permanecerá vestindo a faixa presidencial. Como uma versão moderna de D. Sebastião, o "encoberto". Ou, quem sabe, um morto-vivo - que não anda, mas ainda come cééérebros.

6 comentários:

  1. ENGRAÇADO TONY... minha família mora em boa vista... vao à venezuela qsr todo mÊs.. conhecem aquilo como a palma da mãe.. e a ECONOMIA NUNCA ESTEVE TÃO BEM!!!! INFRAESTRUTURA DE DAR INVEJA!!! nunca a economia cresceu tanto lá... oooooxe isla margarita tá um brinco!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois eu já estive umas 11 ou 12 vezes em Caracas ao longo da última década, e fiquei mal impressionado todas as vezes. Penei com o estado da estrada que liga à cidade ao aeroporto; sofri com apagões em plena estação das chuvas; me surpreendi ao ver que até frango e leite eram importados nos supermercados. Também ouvi muitas histórias de perseguição política, mas claro que os envolvidos eram todos inimigos da revolução bolivariana.

      Excluir