segunda-feira, 14 de janeiro de 2013

O NÃO-SILÊNCIO DA INOCENTE

Quem teve pachorra de assistir à cerimônia completa dos Globos de Ouro, na noite de hoje para ontem? Eu tive, e a primeira coisa que tenho a dizer é: volta, Ricky Gervais. Tina Fey e Amy Poehler não se saíram mal, é verdade, mas apareceram tão pouco que não me deixaram marcas profundas. Ou vai ver que apareceram tanto quanto Ricky nas três vezes em que ele foi o anfitrião do programa, mas os insultos que ele proferia eram tão fabulosos que depois só ele me sobrava na memória. Deste ano, quem vai ficar é Jodie Foster. Geralmente o discurso do homenageado da noite é mega-previsível e booooring, mas dessa vez foi inspirador, importante e emocionante. Jodie meio que se justificou por jamais ter saído oficialmente do armário: ela disse que vem de outra época, em que a celebridade primeiro contava de sua homossexualidade aos amigos mais chegados, depois aos menos, e assim por diante (eu também sou desse tempo). Hoje em dia, prosseguiu, neguinho tem que dar uma coletiva de imprensa e depois estrelar seu próprio "reality show". Jodie também declarou estar solteira, mas ainda agredeceu muito a sua ex-mulher Cydney Bernard (na hora, por causa do nome, não percebi que se tratava de uma moça). Muita gente foi às lágrimas na plateia. A fala completa está no vídeo acima e também transcrita na íntegra aqui, em inglês. Desde já, um dos momentos gays mais marcantes de 2013.

13 comentários:

  1. Eu perdi. Não sei o que deu em mim...dormi às 19h e acordei hoje às 9:30h. Rsrsrs

    ResponderExcluir
  2. Wow. Ela sempre foi uma das minhas favoritas. Linda e inteligente. Comovente.

    ResponderExcluir
  3. Tony disse tudo: O discurso dessa excelente atriz foi inspirador, importante e emocionante. Espero que o desejo de Jodie Foster se realize e tenha uma carreira brilhante pelos próximos 50 anos.

    ResponderExcluir
  4. Já revi umas dez vezes Kristen Wiig e Will Ferrel, simplesmente
    incrível. A melhor coisa na história dos Golden Globes. http://www.buzzfeed.com/whitneyjefferson/kristen-wiig-and-will-ferrell-do-their-best-garth

    ResponderExcluir
  5. Foi emocionante! Como é bom ouvir o outro lado. Até então, eu só ouvia a galera jogar pedra nela por não se assumir. Imagina vc crescer famoso e manter sua total sanidade aos 50 anos. Pobre Britney, poderia ter se inspirado nela! rsrs

    Agora eu tb acho que essa curiosidade em relação a vida íntima das figuras públicas, quaisquer que sejam as funções que elas exerçam na sociedade: política, artística...é natural. Afinal, por que alguém gostaria de saber do rolo entre Taylor e Burton, o boquete no Clinton, o casamento da Anne Hathaway?

    E por fim, aqueles dois rapazinhos ruivos(o adolescente e a criança)são filhos dela?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, são Charles e Kit, os filhos de Jodie com Cydney.

      Excluir
  6. Tony, também achei emocionante. É sempre bom ver uma força feminina em Hollywood que esteja lá por talento (e não por causa de uma sex tape, ou algo assim). Ela é muito talentosa. Pelo que entendi vai se aposentar - fará falta.

    ResponderExcluir
  7. Ammmaaaazing!!!!! que belo discurso!!! com certeza entrara pra historia, well done Jodie!!!

    ResponderExcluir
  8. Eu perdi pq passei o dia bebendo e me esqueci completamente, mas já vi tudo no YT e coloquei um lembrete no celular no domingo do Oscar pra não acontecer a mesma coisa. A Jodie Foster arrasou. Adele e Jennifer Lawrence foram ótimas nos discursos também. A Jennifer até falou "Obrigado Harvey por matar quem quer que seja pra eu subir aqui hoje". <3

    ResponderExcluir
  9. Nossa, como ela estava nervosa! Mas é uma fofa, não é mesmo? Je t'aime Jodíe Fostér!!

    ResponderExcluir
  10. Adorei o discurso também, mas fiquei chateado com os comentários do site da out.com, onde quase todos a acharam covarde, falando que foi um discurso "one step forward, two steps backs", simplesmente não entendo alguns ativistas!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Antropóloga Giselle15 de janeiro de 2013 13:27

      É que nos EUA, você necessariamente tem que se rotular e levantar bandeira de algum grupo. Se você é gay, tem que se comportar da forma X, Y ou Z (dependendo do nicho); se você é negro, ainda que mestiço, não pode jamais dizer que é mestiço e tem que defender a bandeira dos African-Americans; se você é latino, tem que gostar da JLo e andar com seus respectivos; etc. Logo, alguém que prefere não deixar as coisas claras, e apenas ser do jeito que bem entender, fica mal perante qualquer um desses grupos.

      Excluir