sexta-feira, 25 de janeiro de 2013

NÃO SAIA DE CASA SEM ELA

O primeiro dia do seminário do Robert McKee foi exaustivo e intrigante. A aula na verdade é uma performance, como ele próprio admite. Um longo stand-up cheio de momentos em que ele sai do roteiro, kkkk, e se envereda por divagações antes de retornar ao assunto principal. Mas dos alunos ele exige concentração absoluta. Se um celular tocar, o dono é multado em 20 reais; se tocar novamente, expulso da sala. Mas hoje nenhum tocou, e ele pôde dividir à vontade suas impressões da recente safra brasileira. Achou "O Palhaço" bonitinho, mas desprovido de conflito: ninguém jamais tem a menor dúvida que o protagonista não conseguirá ser outra coisa da vida além de palhaço. Gostou mesmo foi de "Avenida Brasil", da qual viu cinco capítulos legendados. Disse que foi tragado para a ação desde o começo, e que as primeiras cenas já deixam muito claro quem é quem sem precisar de exposição. Também falou que se trata de uma comédia, se bem que negra. Esta opinião me deixou encafifado. Comédia? Uma história de abandono e vingança? Bom, claro que há muitos elementos cômicos, a começar pelo estilo de perua suburbana da Carminha. E só mesmo com alguma leveza que uma história daquelas consegue viralizar - lembra quando o Brasil inteiro congelou sua fotinha, ou do bordão "me serve, vadia"? E aí pensei que "Salve Jorge" não estava rendendo igual por que é ainda mais barra pesada. A não ser, é claro, a personagem mais hilária da novela: a vilã Lívia Marini, digna de entrar para o elenco do "Mulheres Ricas". Semana passada ela estrelou seu primeiro "meme" ("Vi suas fotos no Instagram, você já pensou em ser modelo?"), e agora ressurge gloriosa nesta imagem aí de cima, depois de ter protagonizado o assassinato mais "camp" da história da nossa TV. Taí um traço bem brasileiro: a gente transforma qualquer tragédia em galhofa.

11 comentários:

  1. Desculpe a ignorância, mas o que significa "assassinato mais camp"?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sabe a tríplice fronteira entre o exagerado, o kitsch e o cafona? Então, ali: camp.

      Excluir
  2. Rsrsrs tava na academia quando rolou esse assassinato rsrs

    ResponderExcluir
  3. Gloria Perez é o erro. Essa mulher não sabe escrever nada. E fim.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. "E fim." foi lindo!

      Excluir
    2. Lucas T.: Bj, mor. Te amo! KKKKK

      Excluir
  4. Eu nunca vi uma overdose tão linda...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. eu nunca vi uma, crico!

      Excluir
    2. Nem eu, Anônimo!

      Excluir
  5. Bem interessante essa oficina, ou work-shop, vou acompanhar por aqui. Ah, sim, morrendo de vontade de fazer da próxima vez...

    ResponderExcluir
  6. Vai ter mais detalhes sobre o workshop? Fiquei super interessado.

    ResponderExcluir