quarta-feira, 9 de janeiro de 2013

AS BENÇÃOS DE SER ATEU

Não sei mais se acredito em Deus. Estudei em colégio de padre e tive uma fase carola no final da infância, quando ia à missa todo domingo junto com uma empregada lá de casa. Essa fase passou rápido e hoje em dia só comungo quando vou a missas de sétimo dia. Sim, ainda comungo - ainda entro em comunhão com uma organização que exige que eu violente a minha natureza e me submeta a dezenas de dogmas absurdos. Mas não me declarei católico no último recenseamento, embora ainda acredite em alguma coisa. Digo "alguma coisa" porque rejeito a ideia de um Deus masculino, barbudo, que nos envia sofrimentos cruéis e provações sem sentido, como se ele fosse o Boninho e nós os participantes do "BBB". Mas não tenho culhão para me declarar ateu, porque sonho com a vida eterna. No meu perfil no Orkut, que segue no ar, assinalei que sou "spititual, but not religious". Aí li um artigo de opinião que saiu no "New York Times" esta semana e percebi que sou covarde. A escritora Susan Jacoby assina "As Bençãos do Ateísmo" (aqui, em inglês), afirmando que na verdade é mais fácil para um ateu encarar tragédias como o recente massacre de Newtown, quando dezenas de crianças e professores foram assassinados por um maluco. O ateu não precisa entender porque Deus, que teoricamente é tão bom, permitiu tal barbaridade, e isto é liberador. Susan também rejeita rótulos como "bright" (claro, iluminado), que os ateus americanos adotaram nos últimos anos para contornar o preconceito de grande parte da sociedade. Ela diz que é bom chamar as coisas como elas são, e eu concordo - sempre preferi dizer "gay" a eufemismos como "GLS" ou "alternativo". E que ser ateu não signifca ser mau, egoísta ou imoral. Os Estados Unidos já contam com pelo menos 20% de sua população que não segue nenhuma religião organizada, e este número não para de crescer. Aqui no Brasil acontece o mesmo, apesar dos avanços dos evangélicos. O tal do artigo me deixou encafifado, e hoje li algumas cartas de resposta selecionadas pelo jornal, onde leitores lembram que a concepção de um Deus-marionetista é primária e que religiões como o budismo são não-teístas, enquanto outras nem falam em vida após a morte. Minha conclusão? Por enquanto, nenhuma. Nem sei se algum dia vou chegar nela.

64 comentários:

  1. Acho extremamente sadio se questionar, criticar suas crenças, pensar a respeito da sua fé. Só tenho convicção do que acredito porque faço esse exercício sempre.

    ResponderExcluir
  2. Agnosticismo é meio como o cara bissexual que ainda não criou coragem para dar o salto de (falta de) fé. Religiões estão sempre
    Eu acredito nas reações químicas e na teoria do caos. Tudo tende a se dissipar, inclusive nós.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nada a ver, Daniel. Sobre a bissexualidade, não saberia dizer, pois sou homo, mas embora todos saibamos que alguns se escondam no rótulo de bi com medo de se assumirem totalmente homo, acho plenamente possível que algumas pessoas sejam bissexuais de fato.
      Já sobre o agnosticismo, tbm não tem nada a ver. Acreditar que Deus pode tanto existir quanto pode não existir, não é ficar em cima do muro, é apenas reconhecer que a razão humana não é capaz de conhecer todos os mistérios da vida, da existência e do universo. Pelo menos, não por enquanto.
      Assim como o Marcos Michel comentou, acho extremamente sadio se questionar sobre suas crenças constantemente. Faço isso desde sempre. Com de 16 anos, por conta desse exercício, me percebi ateu. E assim foi até o ano passado, qnd me dei conta de que os ateus, em fóruns, passeatas e redes sociais estavam se tornando cada vez mais radicais e fundamentalistas.
      Tal comportamento me decepcionou e eu não quis mais me associar a um grupo que possuía uma das características que eu mais abominava nas religiões: o fundamentalismo. Somado a isso, passei a perceber que a explicação científica para a origem da vida e do universo, embora façam sentido pra mim e sejam totalmente racionais, tbm contei sua dose de absurdo. Não na falta de lógica, mas na quantidade quase infinita de coincidências que teve que existir até chegarmos (humanos e universo) ao que somos hoje. Sério, acreditar nisso tbm é quase uma questão de fé.
      Pra resumir, embora ainda ache quase impossivel a existência de Deus, não creia nem por um segundo em vida após a morte, sinta repugnância e sinta a minha inteligência ofendida pelas religiões e tenda a acreditar nas explicações até agora dadas pela ciência; hoje em dia prefiro reconhecer que ainda sabemos muito pouco sobre o universo e que seria muita arrogância minha ter a certeza de que Deus não existe e ponto final. Portanto, hj em dia me considero agnóstico e não mais ateu.
      Abçs!
      PS: Que bom q vc voltou a escrever. Não suma novamente!

      Excluir
  3. Assim como Einstein (cof cof) acredito no Deus descrito por Spinoza como a energia que está presente em tudo que existe e não no Deus figurativo que se preocupa em julgar o tempo todo a ação das pessoas.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. uma gente culta e elitizada seus leitores, hein Tony? um luxo!

      Excluir
    2. Achei que toda bicha fosse/entendesse (auto)ironia, mas acho que esse anônimo nasceu homem!
      Quem quiser procurar no google o texto do Spinoza, vale a pena a leitura!

      Excluir
    3. DEUS SEGUNDO SPINOZA

      “Pára de ficar rezando e batendo o peito! O que eu quero que faças é
      que saias pelo mundo e desfrutes de tua vida.
      Eu quero que gozes, cantes, te divirtas e que desfrutes de tudo o que Eu fiz para ti.
      Pára de ir a esses templos lúgubres, obscuros e frios que tu mesmo
      construíste e que acreditas ser a minha casa.
      Minha casa está nas montanhas, nos bosques, nos rios, nos lagos, nas
      praias. Aí é onde Eu vivo e aí expresso meu amor por ti.
      Pára de me culpar da tua vida miserável: Eu nunca te disse que há
      algo mau em ti ou que eras um pecador, ou que tua sexualidade
      fosse algo mau.
      O sexo é um presente que Eu te dei e com o qual podes expressar teu
      amor, teu êxtase, tua alegria. Assim, não me culpes por tudo
      o que te fizeram crer.
      Pára de ficar lendo supostas escrituras sagradas que nada têm a ver
      comigo. Se não podes me ler num amanhecer, numa paisagem,
      no olhar de teus amigos, nos olhos de teu filhinho... Não me
      encontrarás em nenhum livro!
      Confia em mim e deixa de me pedir. Tu vais me dizer como fazer meu trabalho?
      Pára de ter tanto medo de mim. Eu não te julgo, nem te critico, nem
      me irrito, nem te incomodo, nem te castigo. Eu sou puro amor.
      Pára de me pedir perdão. Não há nada a perdoar. Se Eu te fiz... Eu te enchi de paixões, de limitações, de prazeres, de sentimentos,
      de necessidades, de incoerências, de livre-arbítrio. Como posso te
      culpar se respondes a algo que eu pus em ti?
      Como posso te castigar por seres como és, se Eu sou quem te fez? Crês que eu poderia criar um lugar para queimar a todos meus filhos que não se comportem bem, pelo resto da eternidade? Que tipo de Deus pode fazer isso?
      Esquece qualquer tipo de mandamento, qualquer tipo de lei; essas são
      artimanhas para te manipular, para te controlar, que só geram culpa em ti.
      Respeita teu próximo e não faças o que não queiras para ti. A única
      coisa que te peço é que prestes atenção a tua vida, que teu estado de alerta seja teu guia.
      Esta vida não é uma prova, nem um degrau, nem um passo no caminho,
      nem um ensaio, nem um prelúdio para o paraíso.
      Esta vida é o único que há aqui e agora, e o único que precisas.
      Eu te fiz absolutamente livre. Não há prêmios nem castigos. Não há
      pecados nem virtudes. Ninguém leva um placar.
      Ninguém leva um registro.
      Tu és absolutamente livre para fazer da tua vida um céu ou um inferno.
      Não te poderia dizer se há algo depois desta vida, mas posso te dar um conselho. Vive como se não o houvesse.
      Como se esta fosse tua única oportunidade de aproveitar, de amar, de
      existir. Assim, se não há nada, terás aproveitado da oportunidade que te dei. E se houver, tem certeza que Eu não vou te perguntar se foste comportado ou não. Eu vou te perguntar se tu gostaste,
      se te divertiste... Do que mais gostaste? O que aprendeste?
      Pára de crer em mim - crer é supor, adivinhar, imaginar. Eu não quero que acredites em mim. Quero que me sintas em ti. Quero que me sintas em ti quando beijas tua amada, quando agasalhas tua filhinha, quando acaricias teu cachorro, quando tomas banho no mar.
      Pára de louvar-me! Que tipo de Deus ególatra tu acreditas que Eu
      seja? Me aborrece que me louvem. Me cansa que agradeçam.
      Tu te sentes grato? Demonstra-o cuidando de ti, de tua saúde, de tuas relações, do mundo. Te sentes olhado, surpreendido?... Expressa tua alegria! Esse é o jeito de me louvar.
      Pára de complicar as coisas e de repetir como papagaio o que te
      ensinaram sobre mim. A única certeza é que tu estás aqui,
      que estás vivo, e que este mundo está cheio de maravilhas. Para que
      precisas de mais milagres? Para que tantas explicações? Não me procures fora! Não me acharás. Procura-me dentro... aí é que
      estou, batendo em ti."


      Baruch Spinoza - nascido em 1632, em Amsterdã, falecido em Haia, em 21 de fevereiro de 1677, foi um dos grandes racionalistas do século XVII dentro da chamada Filosofia Moderna, juntamente com René Descartes e Gottfried Leibniz. Era de família judaica portuguesa e é considerado o fundador do criticismo bíblico moderno.

      Excluir
  4. Ser ateu é muito libertador, mas um ato de coragem. Não me preocupo com nada mais nem questiono os acontecimentos do mundo. É tão fácil. E nunca fui punido por isso. Enquanto tantos outros estão se lamentando, pedindo, agradecendo... e estão com suas vidas todas fodidas.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Curiosa a sua resposta...confundir ateísmo com egoísmo é algo bastante primário. Aliás, grandes ateus historicamente se lamentaram pelos "acontecimentos do mundo". Os conformistas geralmente são aqueles que acreditam numa salvação divina. Quem não acredita em Deus/salvação divina, deveria ter mais vontade de ajudar a quem necessita na própria terra - aliás, isso é empiricamente comprovado (tem um estudo meio polêmico sobre isso).

      De qualquer forma, nem cabe discutir com quem acha que migrante (provavelmente nordestino) não tem que ir para São Paulo (como dito em outro post). Por isso você pode ser punido, sim.

      Excluir
    2. João. Acho que seu problema é falta de sexo.

      Excluir
    3. Tinha um padre leeennndo na paróquia perto da casa de minha mãe. Adivinhem a surpresa que tive ao dar de cara com o padreco ao abrir da câmera do chat do UOL.

      Excluir
    4. O problema do João não é falta de sexo. Ponto.

      Excluir
    5. Bruno, seu problema é discriminação por origem e por condição social. Beijinhos, querido!

      Excluir
  5. Achei lindo você ser tão honesto, tão transparente em relação ao que crê. É isso que agrada a Deus. Nem todos os que dizem "Senhor, Senhor!" entrarão no reino dos céus, porque o coração está repleto de falsidades e enganos e agem como fariseus.
    Tenho percebido que quem se declara ateu, só o faz porque está cansado da religião que aprisiona.
    Deus não aprisiona, liberta! Deus não julga, ama! Deus não separa, une! Porque Ele é Pai e ama a todos que são seus filhos!
    Que 2013 seja o ano da sua descoberta em relação a Deus. Quem O conhece de ouvir falar não se sente atraído, porque muitas vezes quem fala fala do que não sabe, mas quem O conhece porque seus olhos o viram se apaixona por Ele e não consegue mais viver sem Sua doce presença doce.
    Bjos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olha a Cleycianne aí gente!

      Excluir
    2. HANA MACANTARAVA SUYA

      Excluir
  6. Eu vivo em um país onde acreditar em Deus é fazer parte de uma minoria. Na Suécia cerca de 25% da população ou até menos, pois não tenho os dados precisos, acreditam em Deus. A grande maioria pensa como você. Eu por outro lado não consigo ser ateu por covardia e, talvez, falta de inteligência. Uma das razões dever ser o fato de não conseguir ter resposta para tudo o tempo todo. Olha que sou muito palpiteiro e quero dar resposta ao mundo o tempo inteiro. Meu namoro com Deus por este motivo é uma dureza. Nossa relação é a mais complicada possível, tipo mulher de malandro. Largo e volto. Volto e largo novamente. Hoje, por exemplo, estamos bem. Amanhã, não sei ....só Deus sabe.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. E onde a taxa de suicídio é curiosamente bastante alta. Rs

      Excluir
    2. Caro anônimo essa é uma informação equivocada sobre a Suécia. Houve até um documentário em canal de TV divulgando a campanha americana contra o socialismo sueco, que funciona bem obrigado (claro que com falhas também). Nesta linha do suicídio, vai também que sueco é promíscuo, libertinos e vivem pelados. Idéia vendida em filmes pornográficos dos anos 50, 60 e 70. Tem mais informação neste sítio do governo local para aumentar o seu conhecimento sobre o assunto. http://blogs.sweden.se/staffblog/2010/06/11/a-sticky-myth-about-sweden/

      Excluir
  7. Eu nunca sai da fase carola. Graças a Deus!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. E eu me sinto internamente ateu. Graças a Deus!

      Excluir
    2. Alô Alô Graças a Deus!

      Excluir
  8. Como eu vi em um documentário:

    "As mãos que ajudam são mais abençoadas que os lábios que rezam" - Madre Tereza de Calcutá

    E assim sigo.

    ResponderExcluir
  9. Eu nunca acreditei em um Deus ex machina, mas só me considerei ateu 100% há dois anos. No final do documentário "Religulous", o Bill Maher fala algo interessante: "(...) This is why rational people, anti-religionists, must end their timidity and come out of the closet and assert themselves. And those who consider themselves only moderately religious really need to look in the mirror and realize that the solace and comfort that religion brings you actually comes at a terrible price. If you belonged to a political party or a social club that was tied to as much bigotry, misogyny, homophobia, violence, and sheer ignorance as religion is, you'd resign in protest. To do otherwise is to be an enabler, a mafia wife, for the true devils of extremism that draw their legitimacy from the billions of their fellow travelers. (...) That's it. Grow up or die".

    E mais um quote, dessa vez do Epicurus, clássico mas verdadeiro: "Is God willing to prevent evil, but not able? Then He is not omnipotent. Is He able, but not willing? Then He is malevolent. Is He both able and willing? Then whence cometh evil? Is He neither able nor willing? Then why call Him God?".

    É difícil pensar que nunca mais vou ver minha mãe, por exemplo, depois que ela morrer. Ou que ela vai estar em lugar nenhum. Mas não é tão difícil assim. Tem coisas piores.

    ResponderExcluir
  10. O mio babbino caro
    Considero muito pouco, acreditar ou não acreditar em Deus.Não acredito em Deus. Mas não acredito nessa minha afirmação."Deus é uma palavra boa"(GG).

    ResponderExcluir
  11. O problema do ateísmo são os ateus fundamentalistas. Eles podiam levar uma surra, junto com o Malafaia. Tudo farinha do mesmo saco.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O que seria um ateu fundamentalista?

      Excluir
    2. Gente que acha que quem não é ateu é idiota/ignorante, que figa pregando o ateísmo em qualquer lugar (da mesa de bar ao almoço informal de trabalho, etc).

      Excluir
    3. Pô, eu não conheço essa raça.

      Excluir
    4. No facebook está cheio!

      Excluir
    5. *fica pregando

      Sim sim, tem váaaaarios...acho que qualquer faceta da intolerância é reprovável...

      Excluir
  12. Eu passei mais ou menos pela mesma coisa, talvez com alguma diferença no que tange a vivência dentro da igreja. Eu sempre disse que devo muito a minha formação como ser humano à Igreja Católica e ao tempo que passei na minha adolescência trabalhando pra ela e por ela. Naquela época não havia nenhuma questão relacionada à sexualidade sendo levantada tão fortemente como é hoje e foi exatamente isso que me fez não me entitular como católico também.

    Continuo comungando quando vou a alguma missa (geralmente na do Sábado de Aleluia) porque acredito naquilo, mas não frequento mais.

    Mas a minha fé independe do Papa Bento XVI, do Malafaia ou de qualquer um desses que diminui o que o Deus que eu acredito dentro da minha cabeça pensa do ser humano e não vejo sentido em alguém colocar tudo no mesmo balaio. Também não concordo com o Daniel que o agnosticismo é como ser bissexual. Se desprender de uma religião com cujas regras você não compactua sim é libertador. A tal culpa católica é o que prende e entender Deus é exatamente o que vai de encontro ao conceito de fé.

    Isso só vai acontecer (se acontecer) quando a gente morrer, que é outra razão que me prende à minha crença: na missa de sétimo dia do meu avó, o padre (um cara novo, mas sério e coerente do seu papel) disse que se não fosse a vida eterna, a vida na Terra seria uma grande piada com a gente.

    ResponderExcluir
  13. Nunca entendi porque a ideia de que não terminarmos depois da morte não pode prescindir de um Deus. Saberemos sempre tão pouco sobre tudo...
    Yuri

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Aí é que está... Deus não é o homem barbudo... acho engraçado ouvir alguém falar que não acredita em Deus mas em uma grande energia que rege o universo. Não é a mesma coisa? Se não acaba quando a gente morre, é porque existe outro plano. Esse plano não sendo físico, é energético. Não dá no mesmo? As pessoas tem receio de chamar essa energia de Deus por conta da forma simplista como a espiritualidade é ensinada.

      Excluir
  14. Mas só pode comungar quem confessa antes. Confessas também?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. tu achas que quem confessa fica tatuado?

      Excluir
  15. Não tô nem aí pra esse assunto. Só quero dizer que este blog está cada vez melhor. Parabéns pelo talento, Tony Goes.

    ResponderExcluir
  16. querido, o livro que vai mudar a sua vida e resolver todos os seus problemas: "O maior espetáculo da Terra", do Richard Dawkins. Não tem crença que resista. E é tambem uma leitura deliciosa, ensina mil coisas sobre o que é a vida e como funciona sem mágica nem tecnologia complicada.

    ivan

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Já li um livro do Dawkins: "The God Delusion" ("Deus, uma Ilusão"). Uma porrada. Fiz até um post a respeito, na época:

      http://tonygoes.blogspot.com.br/2007/07/noites-de-terror.html

      Excluir
    2. Deus tem senso de humor. Sem mais.

      Excluir
    3. Acho que publicaram no Brasil como: Deus, um delírio.

      Excluir
    4. Corrigindo o titulo do livro: "Deus, uma desilusão" seria o correto (nao sei como e' o titulo desse livro no Brasil). Outro livro do mm autor/cientista: "The selfish gene", considerado a biblia dos ateus.

      Acontece meus caros, que a Ciencia nao explica o nascimento do universo, vida, etc... sao apenas CONCEITOS/TEORIAS e como tal se manterão ate o "FIM" (se de fato havera um fim), pois a lei basica da fisica: nada se cria do nada!

      Portanto, eis o MISTERIO DA FE !!!

      Excluir
    5. Sim, o livro saiu no Brasil com o título de "Deus, Um Delírio".

      Excluir
    6. A ciência não explica a alma!

      Excluir
    7. A ciência nunca se propôs a explicar a alma (e nem vai).

      Excluir
    8. Não, "Deus, um delírio" é sobre a existencia de deus. Esse é médio. Estou falado sobre "The greatest show on Earth", que trata da origem da vida. Este sim é imperdível, experimente!

      Excluir
  17. Você compra CD e você comunga... você é jurássico!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, eu continuo comprando vinil, cd's, livros, etc..., pra mim, a experiencia de shopping num "sebo" (especial/te se for na Europa)) de discos/livros e' incomparável, encontrar rariedades, tenho discos e livros que comprei em sebos que hoje em dia valem uma pequena fortuna, minha colecao de musica classica em vinil e' fantastica, mas pra isso vc tem que ser extrema/te clever, entender do assunto e comprar o que real/te e' valioso.
      Como tb tenho milhares de musicas e livros em digital formato comprados online, obvia/te, ouvidos e lidos em suas devidas up-to-date plataformas.

      Em relação a comunhão , pessoal/te, quando vou a missa e nao posso comungar me sinto como se estivesse fora de uma experiencia magica, de COMUNHÃO , muito dificil explicar esses sentimentos, especial/te pra nos tao jurássicos ...

      Excluir
  18. Parabens pelo texto, Tonildo!

    Tambem me interesso muito nisso. Te recomendo dar uma lida no livro The Fall, de Steve Taylor (deve existir em Portugues)que li recentemente e abre muito a cabeca em relacao ao papel da religiao - e outros fatores - na construcao da nossa civilizacao desde a pre história até os dias de hoje. É bacana porque voce ve que toda esta discussao da religiao vem de um buraco bem mais embaixo: que a religiao monoteísta repressora e radical (bom x mal) - e aqui voce pode incluir Árabes, Cristaos, Judeus, religioes Hindus da parte norte da Índia, etc, etc - foram criadas por tribos que se originaram no Oriente Médio - que apos uma mudanca violenta no clima do local, tiveram que migrar - e coquistar outras tribos no caminho. E como na teoria da evolucao, as tribos que sobreviveram foram as que se adaptaram de uma estrutura matriarcal, egualitaria, pacífica, para uma mais patriarcal, hierarquica, repressora e bélica. Esta estrutura a que hoje chamamos erroneamente de 'Civilizacao' se espalhou pelo mundo como na regra dos genes dominantes: substituindo e 'infectando' grande parte das civilizacoes 'recessivas' e se transformou na atual norma. Há histórias de civilizacoes, e aidna muitas culturas isoladas que até hoje retém esta mentalidade de antes desta grande transformacao do pensamento do ser humano...

    Isso tudo para mim provou que nao é inerente do ser humano ser bélico, patriarcal, repressor e ter desejo incontrolável pelo poder - que estes sao fatores puramente culturais - e portanto podem ser moldados e mudados... Se Deus quiser! =)

    ResponderExcluir
  19. Tony:

    Seus textos sempre são incríveis e geniais, mas fico me questionado se na hora da dor, aquela hora que bate o desespero as pessoas que se dizem atéias se agarram a quê????rss

    Precisamos ter fé, precisamos acreditar em alguma coisa. Acho que este Deus punitivo e cruel só é desenhado na cabeça das pessoas que tem este tipo de sentimento dentro delas. Eu prefiro enxergá-lo com o cara que me dará forças de caminhar, de recomeçar, de apesar de cometer falhas ter a oportunidade de evoluir e crescer um pouco todo dia.

    Abraços querido.

    ResponderExcluir
  20. Meu comentário anterior sumiu.. Vai um outro - agora mais sucinto!
    Tonildo, ótimo texto!

    Te recomendo ler The Fall, de Steve Taylor. Entre mil outras coisas, ele prova que as religioes que definem um ser superior repressor, polarizam o bem x mal e defende que o que fazemos em nossas vidas reflete em uma vida após a morte vem de uma fase em que nossa auto consciencia (por necessidade de adaptacao - longa história aqui) nos tornou mais egoístas e erroneamente cientes de ter um poder isolado - e superior - de todo mais a nossa volta. Esta mudanca de pensamento nao somente trouxe todas estas religioes - mas tambem desejo por poder, guerras, uma sociedade patriarcal, repressora e hierarquizada. Isso me trouxe a sensacao libertadora de que estes elementos acima nao sao inerentes do ser humano, mas sao moldados pela cultura a que nos encontramos - e portanto podem ser moldados - e mudados - a nosso bel prazer.

    Se Deus quiser! =)

    ResponderExcluir
  21. POR QUE SENTIR VERGUENZA DE DECLARARSE ATEO? SOMOS PRODUCTO DEL ACASO Y DE LA SOBREVIVENCIA DE VESTIGIOS DE VIDA DESPUES DE LA CATASTROFE DE 60 MILLONES DE AÑOS. DESPUES SOLO RESTA LA OSCURIDAD Y LA NADA.
    PERSONALMENTE CONSIDERO LAS ESCRITURAS COMO EL MAYOR LIBRO DE LITERATURA FANTASTICA YA ESCRITO. SANTO TOMAS DE AQUINO LLEGABA HASTA LA CAUSA INCAUSADA, Y DESPUES? SOLO LA FE DE LOS QUE SE AFERRAN A ALGUNA COSA.
    BARTOLOME MITRE. PERIODISTA. LA NACION. BUENOS AIRES.

    ResponderExcluir
  22. Os melhores comments ever. Muito intrutivos. E divertido.

    ResponderExcluir
  23. Comungar faz parte de um ritual cristão. Aí eu já acho mais complicado do que acreditar ou não em Deus, pois não consigo compreender que Jesus Cristo seja a encarnação de Deus em forma humana como prega a Igreja Católica baseada na Bíblia, isso porque as próprias escrituras nos mostra Jesus se referindo a Deus na terceira pessoa o tempo todo e em alguns momentos duvidando Dele ou questionando porque fora abandonado por Ele. Alguém pode abandonar a si mesmo? Até pode, mas saberia o motivo, principalmente se essa pessoa é o próprio Deus vivo, que é retratado como onisciente e onipresente. Acredito na existência de Jesus, considero os seus ensinamentos belos e edificantes, acredito que tenha sido um homem de muita fé e poder, um homem que causou grande comoção em sua época pelos seus ensinamentos e exemplos, por esse motivo foi injustamente martirizado e assassinado. Uma bela história de vida, mas com um final triste. Triste demais para ser inspirador, afinal quem vai querer ser como Jesus e assim como ele, terminar pregado numa cruz? Por isso a história da ressurreição é contada, afinal era preciso um Grand Finale que pudesse ser a redenção e a glória esperada por todos os católicos. Outro ponto que não consigo acreditar e considero super incoerente. Jesus morreu para nos salvar. Já estamos todos salvos então? Parece que não. Jesus morreu pelos nossos pecados. Não pecamos mais então? Todos os dias, todo o tempo! Jesus ressuscitou dos mortos. E fez o que após a sua ressurreição? Quantos anos mais ele vivou? Quantos sermões ele deixou? Nada. Nadinha. Ele ressuscitou, conversou com os apóstolos e depois sumiu sem dar explicações. Já ouvimos muitas histórias de pessoas que conversaram com mortos. Essa parece ser mais uma. A história de Jesus foi muito forte, forte demais para ser simplesmente apagada da história, então os romanos, os mesmos que o crucificaram, usaram essa história com as alterações necessárias e convenientes, para fundar uma Igreja, que ao longo dos séculos, exerceu grande poder, arrecadou uma fortuna, controlando a humanidade, dizendo o que é certo e o que é errado, de acordo com seus próprios interesses. O mais intrigante é que mesmo sendo usado pela Igreja e pelos líderes políticos para obter poder, a essência do ensinamento de Jesus é apenas amor, humildade, perdão e fé. É algo que faz bem a quem medita sobre ele. Hoje, se Jesus estivesse entre nós, será que ele estaria ao lado de evangélicos fundamentalistas que julgam as pessoas, pregam o ódio, se aliam a políticos e arrecadam fortunas nos templos (tudo que Jesus combateu durante sua vida) ou seria amigo dos gays e das outras minorias que são massacradas pela sociedade hipócrita?

    ResponderExcluir
  24. Não acredito em crenças
    Não temo doenças
    E vivo contente entre os ateus

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. mas um dia anônimo, se você tiver sorte o bastante para não sofrer nenhum acidente de percurso, você ficará doente e vai morrer como acontece com todo ser vivo!

      Excluir
    2. Luiz Paulo,

      e?...

      Excluir
  25. Acreditar em suposições inverossímeis, só porque eles podem te fazer se sentir melhor, mais seguro e mais protegido, não as torna verdadeiras. Acreditar na existência de um ser superior apenas para ter no que se agarrar diante de um momento de aperto, faz tão sentido quanto acreditar na estória mirabolante que seu parceiro conta quando é flagrado na cama com outra pessoa somente para continuar se sentindo amado. Logo, não se trata de fazer bem, proporcionar conforto ou dar sentido à vida; se trata de ser verdade ou não.

    Outra conceito estranho é esse de que sem deus(es) nossa vida não faria sentido. Quem disse que ela tem que ter um propósito? Por que a vida do mosquito que matamos na parede é sempre vista apenas sob o aspecto biológico e a nossa deve ter um significado transcedental? Somos frutos da natureza, nossos corpos, mesmo quando saudáveis, vêm cheios de defeitos de fábrica, estão MUITO longe de um design "inteligente".

    O ateísmo vai muito além da revolta contra as religiões, afinal é possível não se alinhar a nenhuma e, mesmo assim, continuar acreditando em deus(es). Nas principais situações da nossa vida, tomamos decisões e atitudes baseados nas evidências que fazem daquilo ser lógico ou não, ter sentido ou não - o remédio que tomamos, o caminho que escolhemos, o eletrodoméstico que compramos, o médico que consultamos, etc. Tudo isso provém do uso da razão. Ateísmo não é acreditar na inexistência de deus(es), mas sim não acreditar na existência deles baseado nas evidências, ou na falta delas. Eu não digo que acredito que este mouse que estou usando não possui o poder mágico de voar pela casa quando estou ausente; eu digo que ele NÃO possui esses poderes, pois não há razão para crer no contrário, mesmo que isso de alguma forma fosse benéfico para alguém.

    ResponderExcluir
  26. Tony, você diz isso porque não aceitou o meu convite para a Libertação.
    O pastor Josias tirou o diabo de mim (coisa que só consegui ver por vídeo, já lá em casa) e me libertou falando em línguas.

    Fui pra casa, contei pra minha mãe, choramos, choramos, choramos... Voltei ao culto no outro dia e conheci Jamile. Foi ela tocar minha mão para o meu pênis se endurecer. O restante eu conto ao vivo, fico emcabulado. jaaj

    Jesus liberta os gays! Os gays são de Jesus!

    ResponderExcluir
  27. De tudo não concordo com essa ideia de que Deus e uma religião tem que estar na mesma caixa... acredito em Deus, acredito em Santos católicos, gosto de missa, acendo vela p/ os mortos, acredito na filosofia que conheci na Sahaja Yoga, mas não rezo pra Divindades hinduistas, e ainda sim tenho um Ganesha no meu quarto, acreditos nessa Dividades e me identifico com Durga... não acredito que tudo esteja pré-determinado, mas acredito em destino, reencarnação, em um mundo invisível ao nosso redor e sim ... acho que pagamos por tudo que fazemos de errado,... contudo, penso eu, que a conta do que fazemos de errado nada tem a ver com valores morais, mas sim humanos... enfim, eu não acho que Deus vai castigar alguém por ser Umbandista, ou outro por cortar o cabelo, ou por ser poligamico, ou por ser homossexual... enfim, acho que sim pagamos uma conta com nossa desumanidade, e honestamente... acho q. pode ser Deus que dá essa conta, mas somos nós quem a escrevemos... enfim, tem algum rótulo pra mim pra isso tudo?

    ResponderExcluir