sábado, 29 de dezembro de 2012

SUJEIRA NO COLARINHO BRANCO

"A Negociação" mistura dois fatos reais, separados por quase quatro décadas, numa história só. Parte da trama é baseada no escândalo Madoff, de poucos anos atrás, onde um esquema de pirâmide bilionário arruinou centenas de pessoas nos Estados Unidos. A outra parte vem da morte de Mary Jo Kopechne, a assistente (e provável amante) de Ted Kennedy que morreu num acidente de carro provocado por seu patrão (que saiu ileso e tentou esconder o que havia acontecido). O filme faz com que o protagonista Richard Gere seja ostensivamente culpado de todos esses crimes, mas deixa a plateia meio que torcendo para que ele consiga se safar - afinal, trata-se de Richard Gere! Essa ambiguidade fez com que a crítica americana tecesse loas a "A Negociação", mas acho que isto acontece sóporque os americanos estão acostumados a rotular as pessoas de heróis ou vilões, sem meio-termos. Já o Brasil é o habitat perfeito para este tipo de personagem, que comete falcatruas enquanto posa de simpático e paladino do povo. Mas estamos cansados desses facínoras mascarados: talvez por isto "A Negociação" esteja passando batido entre nós, pois não reflete o humor nacional neste momento.

2 comentários:

  1. Que coisa maluca, eu vi esse filme ontem em video aqui em casa!
    Mas não acho que o paralelo real do mercado financeiro seja o Madoff e seu esquema Ponzi. Estava mais para a venda de um banco podre antes que ele implodisse (tipo compra do Nacional pelo Unibanco).

    ResponderExcluir
  2. Seu arremate não poderia ser mais claro e contundente.

    ResponderExcluir