segunda-feira, 31 de dezembro de 2012

MEUS PROGRAMAS DE 2012

A televisão cresceu em importância para mim neste ano, por causa da minha coluna no F5. Agora tenho que assistir coisas das quais normalmente eu passaria a léguas de distância, como a estreia do talk show de Luciana Gimenez ou o primeiro capítulo da novela "Balacobaco". Também sou o crítico de TV com o rabo mais preso do Brasil: não só meu irmão Zico é diretor de programação da MTV, como um grande amigo apresenta um programa na Globo, outra grande amiga é diretora de produção na Band e o SBT é conta da agência onde eu trabalho. E assim, sem um pingo de credibilidade jornalística, encerro a retrospectiva de 2012 com a lista dos meus programas favoritos (não necessariamente de TV, hein?):

AVENIDA BRASIL - Foi a primeira novela a congelar o público em mais de uma década e um divisor de águas no gênero: daqui para a frente, todas as vilãs serão comparadas à insuperável Carminha, a melhor interpretação da vida de Adriana Esteves. Mas o destaque vai para quase todo o elenco, a direção de Amora Mautner e, principalmente, para o texto de João Emanuel Carneiro, descontando-se um ou outro pen drive inexistente. Aguinaldo Silva está se roendo na tumba.

DOWNTON ABBEY - A série da BBC finalmente teve sua primeira temporada exibida no Brasil, e eu me viciei completamente. O mais fascinante é que não há propriamente um antagonista: o grande vilão são as mudanças inevitáveis que o século 20 trouxe para a aristocracia inglesa. Como se não bastassem os cenários e figurinos deslumbrantes, ainda tem Maggie Smith fazendo a Condessa Viúva, meu novo modelo de vida.

MULHERES RICAS - Meu prazer culpado de 2012. Sim, eu adorei esse pseudo-reality show da Band. Digo pseudo porque as situações eram visivelmente (mal) armadas, e Val Marchiori tem plena consciência de estar representando um personagem. Ela e Narcisa Tamborindeguy ofuscaram as demais participantes do programa e se tornaram suas protagonistas absolutas, tanto que foram as únicas a emplacar a segunda temporada. Ai, que badalo.

SMASH - Quem gosta da Broadway como eu não pode perder essa espécie de "Glee" para adultos, que mostra os bastidores da produção de um musical sobre Marilyn Monroe. Muitas bitches competindo pelo papel e muitas bibas ao redor delas, já que estamos no teatro. A nova temporada trará participações especiais de Jennifer Hudson e Liza Minnelli, que é o equivalente gay do Corinthians ter vencido o Mundial de Clubes.

PORTA DOS FUNDOS - Apesar de Marcelo Adnet e sua trupe terem brilhado como nunca na MTV, meu prêmio de melhor programa de humor do ano vai para um que só pode ser visto na internet: o impagável "Porta dos Fundos", que nos brinda com novos esquetes toda segunda e quinta. Cheio de palavrões, sacanagem e ataques a grandes marcas, essa aventura do Kibe Loco com Fábio Porchat, Gregório Duvivier e alguns outros atores cariocas me fez rir a ponto de engasgar com o que eu tinha na boca. Quem ainda não conhece deve ir correndo buscar o canal do "Porta" no YouTube - e deleitar-se com pérolas como esta, que destrói toda a campanha publicitária da Pepsi em poucos segundos.

Esses foram meus Top 5, mas claro que gostei de muitas outras coisas. O "Na Moral", de Pedro Bial, foi surpreendentemente divertido, com momentos históricos como o casamento de duas moças ou Pedro Cardoso realizando que trabalha para o mesmo grupo empresarial que coloca paparazzi em seu encalço. Segui "Gabriela" do começo ao fim, apesar de ainda preferir a versão de 1975. Também continuo adorando "Game of Thrones" e "True Blood", e achei "Veep" e "Girls" bastante engraçadas (e não, não recebo jabá da HBO).

2013 pode trazer muitas novidades. Entre os canais abertos, está ficando claro que só sobreviverá quem for profissional de TV pra valer: a Rede TV! já foi pro saco e a Record começa a fazer água. Não por acaso, ambas são comandadas por gente que não é do ramo. Mas o mais legal promete ser a TV paga, com a estreia de inúmeros programas brasileiros por causa da nova lei.

(Em tempo: a convite da "Folha de São Paulo", fiz parte do painel que elegeu o "Ilustrado" de 2012 e a promessa de 2013 na televisão brasileira. Votei nos dois que acabaram vencendo: João Emanuel Carneiro e Marcelo Adnet. Eu sou foda.)


10 comentários:

  1. Vejo que vi pouca televisão esse ano... Feliz ano novo Tony! bjinhos

    ResponderExcluir
  2. Tony,
    Na direção de Avenida Brasil estava a Amora MAUTNER. Amora PERA é a neta de Gonzagão, filha de Gonzaguinha.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olôco! E olha que eu ainda nem comecei a beber. Obrigado, já corrigi.

      Excluir
  3. Eu desliguei a tv esse ano. Mas antes de desligar, vi sim as Mulheres Ricas... E me diverti muito. Mas acho que as outras também tiveram seus momentos absurdos e hilariantes. Aquela tal de Leão carregando armas e jóias, a outra carregando a boneca, a outra dirigindo 'tratores de corrida'(?). Fala sério, é um programa de humor ou não é?

    ResponderExcluir
  4. Porta dos Fundos foi a melhor coisa que aconteceu em matéria de humor por aqui esse ano.

    ResponderExcluir
  5. A condessa viuva como modelo de vida? Explica.

    ResponderExcluir
  6. Pra mim esse foi o começa da curva de queda do adnet. Textos com piadas velhas e tolhidas nos filmes da Globo Filmes.
    Legal vai ser quando a Tata Werneck se juntar ao Porta. A seriedade dela é o maior trunfo de humor dela.

    ResponderExcluir
  7. A melhor coisa que aconteceu em matéria de humor esse ano foi Mulheres Ricas. Quase comprei uma TV pra ver esse programa!

    Acho que o Porta dos Fundos merece menção mais pela inovação em termos de formato. Fábio Porchat enxerga o cotidiano como mais ninguém, mas não me convence como humorista... Evandro Santo, Tatá Werneck e outros são muitos mais eficazes quando se trata de me fazer rir...

    E por falar em Liza Minnelli, aquenda essa: http://www.youtube.com/watch?v=IGH7A9CtHCM

    ResponderExcluir
  8. Nem uma mençãozinha à Cheias de Charme???

    ResponderExcluir
  9. apesar de nao ser novidade e de eu nao ser critico de tv, nao saber criticar e da minha opniao nao valer de nada, eu realmente gostei do sessao teripia, pros dependetes do lexotan, e pros fans da fernanda young, que é prova de que esquisitos sao pessoas de sucesso, nem pense que eu sou dos que repetem aquele discurso de que os novo normal e ser anormal, porque eu digo que sou esquisito muito antes de virar moda, e cadê meus direito de copyright? eu gostei bastante de new normal, como todo adolescente, mas nao sou fan zach effron, descobri aquele seriado trash adoravel psicose, da tv aberta eu so gostei de cheias de charme e do badalo da narcisa, tambem vi todos os furo mtv, e comedia, nao querendo massagear seu ego puxando saco, mas e que realmente assisti.

    ResponderExcluir