quarta-feira, 12 de dezembro de 2012

HASA DIGA EEBOWAI

Atenção, mórmons que me perseguem até hoje por causa deste post de quatro anos atrás: fui convertido ao Livro de Mórmon. Claro que não ao livro físico, baseado em tábuas de ouro que o anjo Moroni enterrou no quintal de Joseph Smith e que nunca ninguém viu além dele, o grande profeta americano. Mas ao musical "The Book of Mormon", que venceu 9 prêmios Tony ano passado e continua com casa lotada em Nova York, onde cheguei hoje.Paguei uma fortuna pelos ingressos há mais de dois meses, mas valeu a pena: é simplesmente o espetáculo mais engraçado e iconoclasta da Broadway de todos os tempos. Mas não é exatamente um ataque à Igreja dos Santos dos Últimos Dias, por incrível que pareça. Sim, os adeptos dessa religião são satirizados sem dó, assim como alguns de seus preceitos curiosos, como a proibição de tomar café. Mas ninguém tira sarro das boas intenções dos mórmons, que são retratados como ingênuos de bom coração. Os autores são os mesmos da série animada "South Park", e a enxurrada de palavrões é tamanha que vi uma senhora indo embora no intervalo. Sobra até para o Pai Celestial: o título deste post é o mesmo de uma música cantada pelos habitantes miseráveis de uma aldeia africana, e siginfica "Foda-se Deus" no dialeto imaginário deles. Mas também há uma discussão teológica consequente e surpreendentemente profunda. Junte-se a isto um elenco tão formidável que não poderia ser melhor e uma direção que não deixa a peteca cair um segundo, e o resultado é uma palteia enlouquecida como eu nunca tinha visto num teatro novaiorquino. Até alguns mórmons (não todos) gostam de "The Book of Mormon". Será que uma peça parodiando os evangélicos teria a mesma recepção calorosa no Brasil? Que pergunta mais boba. Já sabemos a resposta.

10 comentários:

  1. Vou assistir em janeiro, comprei semana passada os ingressos. Não vejo a hora!

    ResponderExcluir
  2. É, mas uma peça assim parodiando os evangélicos aqui seria mesmo fantástico. Até porque, considerando o brilhantismo deles, seria difícil um contra-ataque igualmente elegante ou mesmo uma reação que não fosse um tiro no pé... Acho bem viável nestes tempos de "liberdade de expressão". Corajoso, mas possível.

    ResponderExcluir
  3. O Andrew Rannells ainda é o principal?
    Ou largou tudo pra fazer the new normal?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Largou tudo. Até opnde eu li, o par principal não é mais o mesmo da estreia, que foi dois anos atrás. Mas o resto do elenco é, inclusive a menina que ganhou Tony de coadjuvante.

      Excluir
  4. em 0:12 o ricky martin não se aguenta e abre um sorriso enorme, q se vê pelas bochechas subindo até as orelhas! não tem como não rir mesmo. genial.

    ResponderExcluir
  5. Aaahh, que vontade de assistir isso. A versão brasileira (e evangélica) provavelmente seria censurada.

    ResponderExcluir
  6. Uma vez vc falou num post sobre o modelo europeu de liberdade de imprensa e o modelo norteamericano, o segundo que permite manifestações racistas, homofóbica e contra os direitos humanos, e modelo europeu mais moderado.
    Você tb já mencionou aqui os limites do humor, que acha que o único limite da comédia é quando a piada é engraçada ou não, chegou até dizer que já achou engraça e reproduziu piadas sobre gays.

    Eu não penso como você, acho que tem que ter um limite sim, acho essa peça desrespeitosa e ofensiva, mesmo não concordando com o que os mórmons falam eu não acho correto esse tipo de humor para humilhação deles.

    Se algum dia no Brasil eu ver alguma peça teatral ou outra manifestação artística tratar com esse tipo de desrespeito os evangélicos, ou os homossexuais ou qualquer outra minoria eu vou ser o primeiro e militar contra, me engajarei em campanhas contra e fazer todo o possível pra isso não ser permitido!

    Chega de desrespeito e ofensa contra as minorias, grupos religiosos, etnias, gays, lésbicas e transgêneros!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ah, os trangênicos, com certeza. Muito perseguidos. Super apoio.

      Excluir
  7. Ainda em tempo Tony,
    Muita gente fica atacando evangélicos, mórmons, judeus e outros sem lembrar que existe (ainda tímido mas existe) um crescente movimento para aceitação dos gays nesses grupos religiosos.
    Graças a Deus isso só tem crescido e um dia acredito que as religiões vão ser mais tolerantes.
    Pode dizer que estou em Nárnia, pode me chamar de Poliana, mas eu tenho fé que um dia, não nossa geração nem a próxima, mas num futuro não muito distante as religiões de matriz abrâmica serão tolerantes sim!
    Só pra constar, não sou mórmon, mas achei muito bacana esse grupo de mórmons gays:

    http://www.afirmacao.org/artigos/homossexualidade_e_a_biblia.shtml

    Grande abraço.

    ResponderExcluir
  8. TOOOOOOOOOOOOOOONY do céu... eu não tinha visto essa pérola linda, magnífica, chuchubeleza da discussão sobre os mórmons!!!! caralhooooo... elas ficaram loucas... suas respostas foram ótimas!!! hahaha teve até gringarada poligâmica atacar o site... menina tenho várias histórias sobre esse povo, é uma máfia!! da escola da cientologia.. elas não sabem como fazer com críticas, ficam doidooonass, só respeitam outras religiões pq são minoria no cristianismo com a tal revelação que a outra parte cristã diz ser do demônio!!! só constando que super tolero os mórmãos com templos com akeles anjos belíssimos sinfonando pro céu.. me ganharam ali... mas que é uma viagem daquelas.. isso é! ahh loca da buceta de inveja pra ver esse musical.. fiquei na vontade!

    ResponderExcluir