segunda-feira, 31 de dezembro de 2012

CHANTECLER

Não posso encerrar o ano sem comentar como ele foi importante para a causa dos direitos igualitários. Nos Estados Unidos, o próprio presidente se declarou a favor do casamento gay, que foi aprovado nas urnas por três etsados diferentes. Aqui no Brasil, alguns estados também já o permitem, o que é até difícil de acreditar. Mas talvez ainda mais importante seja a mudança de atitude que venho percebendo entre bichas e lésbicas, que não levam mais desaforo para casa. A revista "Veja" levou um baita susto com a reação ao nojento artigo de J. R. Guzzo que nos comparava a cabras. José Serra mais uma vez se aliou às forças das trevas, e mais uma vez levou uma surra nas urnas - será que agora ele aprendeu? Aliás, os neopentecostais mostrarm que não têm força para vencer eleições majoritárias, haja visto o humilhante terceiro lugar de Celso Russomano em São Paulo. Há algo de novo no ar: são as nossas vozes, cada vez mais altas. Agora deixa eu terminar este post porque já estou ficando piegas, e também porque champagne e rabanada me aguardam. Feliz 2013 para todo mundo.

2 comentários:

  1. Por outro lado, até quando as bichas vão se sentir ofendidas com o "bicha/viado"
    Iguais mesmo seremos quando isso nem nos incomodarmos. Insultos passarão, nós rolaremos.
    Por um 2013 mais casual.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Discordo, em parte, o preconceito das palavras está na intenção de quem a diz. Se não não precisaríamos nos incomodar em ser comparados com cabras. Cabra, veado...tudo bicha mesmo!

      Excluir