sexta-feira, 21 de dezembro de 2012

CASAMENTO, ELEIÇÃO E PORRADA

Quer dizer então que duas pessoas do mesmo sexo agora podem se casar no estado de São Paulo? A notícia tem um quê de incredulidade para mim, pois saiu meio que na surdina. Não foi destaque na televisão nem manchete nos jornais. Saiu uma notinha dizendo que sim, agora os cartórios paulistas têm que realizar este tipo de união, assim como já acontece em Alagoas e na Bahia. Não houve protestos, não houve comemoração. Talvez seja melhor assim, para não atrair a ira tresloucada dos homofóbicos. E este avanço acontece de um jeito bem brasileiro, como que na surdina, sem passeata na rua nem fogos de artifício. Pelo menos não precisou-se ir às urnas, onde a derrota da nossa causa seria certa - algo que aconteceu mais de 30 vezes nos Estados Unidos, até a maré mudar de mão nas últimas eleções. Este é o tema da minha coluna na revista "H" no. 6, que acaba de chegar às bancas. Outro texto meu já está no ar há mais de uma semana e pode ser lido inteiramente grátis no Visionari, aquele site para pessoas com mais de 50 anos onde eu sou colaborador. Está aqui, e é uma reflexão sobre as pequenas violências cotidianas, escrito depois que presenciei uma cena de pugilato em pleno shopping Iguatemi JK. Aliás, naquele caso não havia homofobia envolvida, mas cenas como esta estão se multiplicando contra os gays - haja visto o cara que foi espancado com barras de ferro depois que saiu da The Week. Bem que eu avisei que isto ia acontecer, neste momento de tantas conquistas. Mas depois passa - tomara.

16 comentários:

  1. Os homens que aparecem na capa da H são gays?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Os que eu conheço são. E acho que isto se estende a todos.

      Excluir
  2. "...não se precisou..." Afinal, não seria um caso de próclise?

    ResponderExcluir
  3. O que me deixou mais chocado foi que, no seu texto da Visionari, a maior parte dos comentários foi sobre o fato de você ter conversado no cinema. Ninguém prestou atenção na reflexão sobre como a violência faz parte do nosso dia-a-dia. Certo ou errado, violência em situações banais é algo que sempre me espanta. Sempre.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu tenho a impressão de que foi a mesma pessoa que comentou quatro vezes seguidas, só para encher o saco.

      Mas o que tem de gente que não sabe interpretar texto neste mundo... aff

      Excluir
    2. É, não sei o que estão comentando lá, mas vc não tem nada que ficar conversando na hora do filme, seu mal-educado! GOSTOSO e inteligente(porque o artigo é uma pequena pérola) mas mal-educado!

      Excluir
  4. tony, e vc vai regulizar sua situação matrimonial com o oscar, ou vai continuar no concubinato?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Acho que vou casar sim! Wuhuuu!

      Excluir
    2. "Concubinato" não; união estável, please.

      Excluir
    3. PS: que legal que vocês vão se casar, Tony!

      Excluir
    4. Joaninha é a portavoz do Tony.

      Excluir
  5. Eu acho que no caso dos ataques a gays, deveriamos criar um sistema com o grindr, para avisar aos gays mais próximos qua um ataque está acontecendo e assim conseguirmos contra atacar.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. No Grindr mesmo tem vários desses agressores. "Casado - sigilo" e afins.

      Excluir
  6. Os gays mais indinheirados poderiam se juntar e criar um fundo que, numa situacao como esses ataques homofobicos, contratassem um advogado famoso e carissimo para defender a vitima e processar os criminosos, dando visibilidade e credibilidade suficientes para que tais crimes deixem de ser bafos do gueto e virem escandalos milionarios.

    ResponderExcluir