domingo, 18 de novembro de 2012

LE CIEL BLEU SUR NOUS PEUT S'EFFONDRER

Uma revoada de discos franceses ocupa os meus ouvidos neste feriado. Um deles é um projeto tão óbvio que parece até que já foi feito antes: como assim, Patricia Kaas cantando Edith Piaf? Ela já não cantava isto desde sempre? Não, mas agora canta, com arranjos orquestrais luxuosíssimos do maestro Abel Korzeniowski (que também compôs a trilha sonora do filme "W.E.", dirigido por Madonna). "Kaas Chante Piaf" foi concebido como um espetáculo que já está em turnês pelas boas salas de concerto do hemisfério norte, mas também rendeu este CD chiquérrimo gravado em estúdio, que presta homenagem ao mesmo tempo em que se afasta bastante dos originais de Edith Piaf. Patricia Kaas tem um timbre vocal grave e esfumaçado que é perfeito para a atmosfera de um cabaré, mas por vezes sua interpretação carrega demais nas tintas dramáticas. "Padam, Padam", por exemplo, perdeu o tom galhofeiro e ficou solene como um canto fúnebre. Mas a incontornável "La Vie en Rose" soa gloriosa, assim como "Hymne à l'Amour". O repertório de Piaf exige entrega e Patricia se sai bem em quase todas as faixas. Agora é esperar pelo DVD, já que dificlmente este show dará as caras por aqui.

Agora repare como meu noivo imaginário Benjamin Biolay tenta disfarçar. Ele até agarra uma racha no clipe de "Aime Mon Amour", mas quem que ele pensa que engana? Tá me querendo, o tempo todo. Todas as faixas de seu novo CD "Vengeance" são sobre o nosso amor imaginário, e eu fico envaidecido por ter inspirado tão lindas canções. São tantos convidados especiais que parece até um disco de duetos, mas eu não fico com ciuminho. Nosso romance já passou por altos e baixos, mas vai florescer enquanto ele continuar me mandando essas vibrações mentais apaixonadas que só eu consigo captar.

E por falar em amor louco, é curioso que Françoise Hardy tenha dado justo este nome ao milionésimo disco de sua interminável carreira. "L'Amour Fou" é discreto, contido, e estou fazendo força para não dizer que é maduro. A pegada está menos pop que nos trabalhos anteriores - algumas músicas são tão tranquilas que parecem chuva batendo na janela. Devo estar ficando velho também, porque eu gostei muito. Je me fous du monde entier.


6 comentários:

  1. Gente, o que é aquilo no video do Youtube 'Padam, Padam' mostrando uma coisa, seria o Benjamin Biolay, com bicho carpinteiro? [e nem é a bicha carpinteira]. Votos de um noivado imaginário tranquilo.

    ResponderExcluir
  2. Não, é um ator dublando o Biolay.

    Para quem ficou curioso:

    http://tonygoes.blogspot.com.br/2010/12/os-discos-de-2010.html

    ResponderExcluir
  3. Fraçoise Hardy ainda tá viva? Xóks!

    ResponderExcluir
  4. quando nasci Madame Hardy já era uma senhora...

    ResponderExcluir
  5. Tive a oportunidade de assistir ao "Kaas Chante Piaf" no Olympia Paris. Estava na segunda fila, na parte central. As interpretações e a presença dela são impressionantes. Espero que tenhamos um DVD/blu-ray com o registro, pois, ao vivo, ela é ainda melhor que no CD.

    ResponderExcluir