sábado, 17 de novembro de 2012

LAMENTÁVEL

Claro que eu não comprei a "Veja" desta semana. Mas não resisti a folhear a revista na banca: queria conferir a seção de cartas. Esperava encontrar umas 300 a favor do artigo nojento de J. R. Guzzo na edição da semana passada e só umas duas ou três contra, mas não foi bem assim. Na última página da seção, lá estavam elas: nove contra (inclusive uma do Luiz Mott, do Grupo Gay da Bahia) e só quatro a favor. Entre essas últimas, uma que alegava que o rebuliço nas redes sociais era injustificado, e outra que dizia que muitos leitores não entenderam direito o que Guzzo quis dizer. Esta também é a posição oficial da revista: no final há uma "Nota da Redação", onde se lê que "Veja" lamenta o fato de muitos leitores terem interpretado mal a matéria de Guzzo. Ou seja: além de permitir que um de seus colaboradores mais importantes (Guzzo faz parte do conselho editorial da Abril) compare gays a cabras, a revista também acha que boa parte de seus leitores são burros. Não sabemos ler, não sabemos interpretar textos. Ainda bem que sabemos ler nas entrelinhas: é óbvio que Guzzo é homofóbico, por mais que jure de pés juntos que não tem nada contra o "homossexualismo". Também ficou claro que a "Veja" acusou o golpe e que deve ter rolado um certo mal-estar na redação (biba é o que não falta lá dentro, como aliás em qualquer redação da face da Terra). Espero que também tenha rolado um mal-estar no departamento comercial. Eu, pelo menos, continuo firme: não dou mais um tostão para uma publicação que só usa adjetivos zoológicos para me definir.

6 comentários:

  1. O que me fascina nisso tudo é como certas pessoas - se é que podemos chamar assim - se sentem proprietárias da instituição do casamento. Senhor papa Adolph, onde está escrito que o casamento é um privilégio exclusivo dos católicos, com aquela religião barbárica e primitiva? Ou das recentes alternativas caça-níqueis administradas pelos Malafaias e afins? É engraçado como as pessoas se apropriam de tudo, e se acham no direito de limitar a liberdade dos outros assim, em nome de supostos princípios. Ah, e quanto a essa revistinha, só o meu silêncio para ela.

    ivan

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. e a igreja catolica tb cobra fortunas para realizar casamentos em determinadas igrejas e pequenas sobras em igrejas menores, e nao sei se vc sabe mesmo considerando o divorcio um pecado, se vc pagar uma bela soma e mandar um pedido para o pontificios superios vc é absolvido e pode casar de novo, como sempre a grana manda!!!

      Excluir
  2. Parabéns pelo comentário, como sempre lúcido.

    ResponderExcluir
  3. Eu fiz minha parte: eliminei a Veja do consultório do meu psiqui.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Seu psi tinha Veja no consultório? Mudaria de médico se fosse você. Psiquiatra conservador não dá; psiquiatra tem que ser humanizado.

      Excluir
  4. tony as bichas sao muito lunaticas no brasil, se aqui todas fossem mais politizadas, ia rolar um boicote como aconteceu nos eua o episodio do mark wahlberg e da calvim klein que causou a demisao dele e milhoes de cuecas sujas jogadas e algumas queimadas na frente das lojas finas de manhantan

    ResponderExcluir