terça-feira, 13 de novembro de 2012

CABRAS MARCADAS PARA CASAR

Esta aí do lado não é Lady Gaga, mas só não foi por uma questão de tempo: aposto que a Mother Monster teria assumido seu lado caprino no show de São Paulo se tivesse tomado conhecimento do artigo nojento de J. R. Guzzo na "Veja" desta semana. O tal do texto continua gerando reações contrárias, de protestos virtuais ao outro Tumbl'r de sucesso da semana. Mas o melhor mesmo são as refutações por escrito que não param de pipocar em blogs e sites. Para facilitar a vida, lá vão os links dos melhores que eu li até agora - e se alguém souber de algum bom que eu não incluí na lista, pode me mandar, s'il vous plaît.

Meu "patrão" Marcelo Cia assina este aqui, no MixBrasil: "A Revista, o Olho e o Cachorro". Cia diz que a maioria das publicações dá liberdade a seus colunistas e que as opiniões de Guzzo não são necessariamente as da direção da "Veja" (mas claaaro que também podem ser, hahaha). Ele ainda lembra que uma revista tão importante não pode faltar com o respeito com uma parcela grande da população (entre a qual se encontram muitos leitores e funcionários da Editora Abril).

Ainda no portal do MixBrasil, Francisco Hurtz postou outro texto contundente: "Diabete, hepatitte, homossexualismo e outras doenças". Guzzo é daqueles hipocondríacos patológicos que veem doença em tudo, sem enxergar que o verdadeiro doente é ele mesmo. Merece ser espinafrado para valer.

O próprio Cia "chama" para este outro artigo, do blog Jezebel: "Não é só homofobia - 10 Erros do Texto". É assinado por Manu Barem, que se deu ao trabalho de identificar nada menos que dez bobagens factuais que o antediluviano Guzzo pôs em sua matéria, como se fossem verdades incontestáveis.

Outro que se deu ao trabalho de desconstruir a lógica preconceituosa do velhinho da "Veja" foi Carlos Orsi, de maneira tão brilhante que eu me corroí de inveja: "A falácia da falsa discriminação" é uma aula de clareza e raciocínio. Clap, clap, clap.

Finalmente, tem também a carta aberta à revista assinada por Lucas Rezende, professor da UFRGS e da Facam, que está bombando no Facebook.

Agora estou curioso para ver como a própria "Veja" vai reagir. Provavelmente vai publicar um monte de cartas elogiando a matéria em sua próxima edição, e talvez dizer que o pobre Guzzo está sendo vítima da "intolerância" dos xiitas do movimento gay - movimento, aliás, que ele disse que não existe.

E agora mudando de assunto: São Paulo já tem festas demais para os ursos. Agora falta uma para as cabras! Alô, amigos empresários da noite, aproveitem esta oportunidade: tá assim de gente procurando uma cabritinha para casar.

ATUALIZAÇÃO: Esqueci de incluir o post que nosso líder Jean Wyllys postou em seu blog, "Veja que lixo". Obrigado pelo puxão de orelhas, André Bocuzzi. Doeu mas eu gostei.

Mais três textos interessantes, cujos links me foram enviados pelo Milton Rizzato Tocchetto. Um deles, "A Essência do Preconceito 2 - A Missão", no blog "Objetivando Disponibilzar", simplesmente subsitui na matéria de Guzzo as palavras "gay" e "homofobia" por, respectivamente, "negro" e "racismo". O outro, "Meio Espinafre, Meio Cabra", está no blog "Nada Errado". E o terceiro é "Comparação infeliz de jornalista estimula preconceito contra gays", no blog de Marcelo Semer.

No blog "Contramão", de universitários de Belo Horizonte, um advogado rebate o artigo do ponto de vista jurídico. Já o estilista Carlos Tufevesson, que também é titular da Coordenadoria Especial da Diversidade Sexual do governo estadual do RJ, diz a Heloisa Tulipan, do "Jornal do Brasil", que sentiu vergonha alheia por Guzzo.

Para concluir, tem "Texto de revista sobre homosseuxais e cabras gera protesto nas redes socais", no "Blogay" do Vítor Ângelo. Tá bom, né? Enquanto isto, continua voando pedra nas redes sociais...

8 comentários:

  1. https://www.facebook.com/photo.php?fbid=364759046948004&set=a.221530184604225.50687.221511584606085&type=1&theater

    ResponderExcluir
  2. Já deu né ? Estender o fato é dar mais importancia ao que esse pobre idoso merece. E ele merece ser desprezado e ignorado. R.I.P

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Em outra situação até concordaria com vc, mas nesse caso é melhor não ignorar devido a origem do artigo.

      Excluir
    2. Na resposta do Jean fiquei sabendo que o distinto senhor já foi diretor de redação da Veja. Gente, como uma pessoa com argumentos tão rasteiros pode ter ocupado o cargo máximo de uma redação de mída impressa brasileira?

      Esse distinto senhor fumou maconha!!!! Fumou, fumou...Vão por mim!

      Excluir
  3. Nem tudo pode ser ignorado, senão o volume dos discursos de ódio só aumenta...

    ResponderExcluir
  4. Obrigado pelas dicas, Tony. Legais.

    ResponderExcluir