domingo, 11 de novembro de 2012

AUMENTA QUE ISSO AÍ É REGGAETÓN

Demorou, mas finalmente o reggaetón resolveu partir pras cabeças. Depois de uma década tocando sem parar por toda a América hispânica - mas só nela - o ritmo portorriquenho tenta conquistar o mercado gringo. Nem que para isto tenha que se desvirtuar um pouco, suavizando as batidas ou chamando astros mais mainstream para dividir os microfones. A dupla Wisin & Yandel, meus favoritos no gênero, é emblemática. O novo disco "Líderes" conta com participações do agressor de mulheres Chris Brown e da onipresente Jennifer Lopez, e muita pegada de dance music à la LMFAO. Quer dizer então que se venderam ao sistema? Não, porque o reggaetón nunca foi "puro". Quanto mais mistureba, melhor. Com dinheiro, então... Fora que o single "Algo Me Gusta de Tí" é um dos mais animados do ano. Doble u, i griega, eu sigo onde vocês forem.

Outro expoente boricua é Don Omar, cujo CD "MTO2 New Generation" sai no Brasil com duas faixas bônus especiais para o nosso mercado. Uma delas, "Taboo", é mais uma versão de "Chorando se Foi", que fez sucesso como lambada nos anos 80 e serviu de base para o "On the Floor" da J. Lo. A outra é "Danza Kuduro", onde mais uma vez o angolano Lucenzo vê seu grande sucesso ser usurpado por um astro local. O clipe acima repete os sonhos clichês dos meninos que nasceram nas favelas, com iates e mulheres, e me fez sentir falta das luzes coloridas de "Avenida Brasil".

Por falar nisto, e o Brasil, hein? A vanguarda do sudeste prefere se influenciar pelo hit parade britânico, mas o pessoal dos estados mais ao norte sempre foi mais aberto aos sons da nossa vizinhança. O reggaetón finalmente penetrou na nossa música, via o technobrega paraense. Sua influência é nítida no álbum de estréia da banda Uó, "Motel". O trio goiano formado por dois gays e uma trans estourou no ano passado fazendo versões em português de sucessos americanos, mas só a clássica "Shake de Amor" vingou no vinil. O resto do disco são composições próprias divertidíssimas, que me fazem até suspeitar que finalmente temos o nosso Miranda! Fora que o bigodón do Mateus Carrilho foi feito para dar prazer. Todas faz uó

8 comentários:

  1. Reggaetón é top, quando toca nas baladas do Chile, Argentina ou Peru, é diversão garantida!
    Off-topic: viu o artigo na veja sobre direitos homossexuais? Lamentável

    ResponderExcluir
  2. A Banda Uó é pavorosa, Tony. Não nos decepcione assim...

    ResponderExcluir
  3. Nos States, onde mais se fala espanol a principio, esse ritmo ja eh sucesso faz tempo. Ha coisa de5 anos ja faz sucesso em discos, bares e etc dos ianques de olho azul tb. E o Don Omar, que nao eh meu preferido, nao posso negar o mega sucesso do mesmo. Ja percebestes os milhoes de acessos da versao do KUDURO na voz dele E ursupar? O Lucenzo faz parte do clipe e ganhou muiiiiiito dinheiro com o sucesso do DON Omar, merecido por sinal. Vamo se informar mais.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O reggaetón toca nas boates deslocadas, mas não penetrou no mainstream do jeito que a música eletrônica finalmente está conseguindo. Nunca emplacou um hit entre os 10 mais vendidos nos EUA, por exemplo.

      É CLARO que o Lucenzo foi muito bem pago, tanto nos EUA como no Brasil, onde sua música também foi regravada por outros. Mas nnao deixa de ser irônico que ele mesmo não possa ser o principal intérprete do kuduro nesses mercados. Mal comparando, imagine se o coreano PSY tivesse que ceder os holofotes de "Gangnam Style" para a Rihanna, por exemplo.

      Excluir
  4. Até onde eu sabia, o Lucenzo é francês, filho de imigrantes portugueses (pode ser que originalmente de Angola) e começou sua carreira na França e só depois que ficou conhecido em Portugal.

    Como quase sempre, os sucessos hispanos levam uma eternidade para pegar aqui (se chegarem a isso), a tal resistência da "vanguarda do sudeste", a não que uma novela da Globo mude tudo.

    A versão Don Omar/Lucenzo de Danza Kuduro me foi apresentada durante uma viagem à Colômbia no começo de 2011, aonde já tocava em altíssima rotação há meses. Amigos colombianos falaram sobre a "música que tinha uma parte com um brasileiro" - até que eu ouvi e achei que era algum gringo tentando falar português...

    ResponderExcluir
  5. Phoda-C é bom para saúde17 de novembro de 2012 19:18

    Banda Uó segue vertente de Gaby Amarantos, é eletrônico dos trópicos, de baixas origens para os puristas e pouca refinação (e daí, tá tudo uma droga mesmo), quem não tem ouvido de macho não deve se aventurar a ouvir, mas eu adogo e opinião alheia não enche barriga no fim das contas. A arte dessa capa e o título da album são um nocaute na cara da sociedade, kkko

    ResponderExcluir