sexta-feira, 9 de dezembro de 2011

EU SOU UM PAGÃO ATEU E APROVO ESTA MENSAGEM

Certa vez li um livro que alegava que os antigos cristãos exageraram muito as perseguições que teriam sofrido dos romanos. De fato, o antigo império era extremamente tolerante com as religiões de suas colônias: jamais tentou impor uma única fé a seus súditos. Ou melhor, tentou - depois que o cristianismo se tornou a religião oficial do estado. Enfim, meu ponto é que costuma ser benéfica para qualquer crença a sensação de que o mundo inteiro está contra ela. Estão aí os evangélicos que não me deixam mentir: para energizar seus rebanhos, muitos pastores não têm o menor pudor em se fazer de vítimas, como se no Brasil não houvesse liberdade de culto ou que mesmo "igrejas" criadas anteontem não tivessem direito à isenção fiscal e a muitos outros privilégios. Silas Malafaia declarou "guerra" aos homossexuais; já pensei que deveríamos responder à altura, mas de uns tempos para cá acho que isto é cair numa armadilha, é fazer o jogo do inimigo. Nos Estados Unidos acontece a mesma coisa. A safra de candidatos republicanos à eleição presidencial do ano que vem está especialmente fraca, e neguinho tem apelado para golpes baixos na tentativa de subir nas pesquisas. Todos os concorrentes já atacaram os gays, mas o último vídeo do governador Rick Perry, do Texas, é especialmente desonesto. O sujeito está tentando comover o eleitorado mais conservador do estado de Iowa, onde acontecem as primeiríssimas eleições primárias do calendário eleitoral, que têm um peso simbólico muito grande. Por isto, não teve o menor prurido em dizer que Obama está travando uma "guerra contra a religião", e que há algo errado num país onde os gays podem servir às claras nas Forças Armadas mas as crianças não podem celebrar o Natal (o que evidentemente não é verdade; ele está se referindo à crescente laicização das escolas públicas, o que deveria ser óbvio em lugares onde há separaão entre Igreja e Estado). O tiro pode sair pela grandessíssima culatra, pois já existem trocentas sátiras no YouTube (uma das mais ferinas está aí embaixo), e o próprio staff da campanha de Perry rachou (um de seus maiores estrategistas é gay, e era contra este anúncio). Mas só em 3 de janeiro saberemos se ele realmente se deu mal. Até lá Rick Perry continuará sendo alvo de piadas - e também uma possibilidade apavorante. Oremos para ele perder esta guerra.

7 comentários:

  1. Ato falho? Uma cena toda tipo Brokeback Mountain.

    ResponderExcluir
  2. Eike medo... Mas mudando de assunto já pode começar a usar "GOd Fearing Vagina Penetrators" no nosso dia adia? AMEI!!!!

    ResponderExcluir
  3. Evangélicos são um fenômeno-gafanhoto vão comendo tudo que veem pela frente, radio, tv, imprensa escrita, internet, estão em toda parte, chegaram a Brasília, tem bancada forte por lá, determinam que um presidente vete uma cartilha anti-agressões lgbt na véspera de seu lançamento, gastam rios de grana espalhando outdoors que são manifestaçẽos claras de intolerância. Não sei mais onde vão chegar, nada mais me espanta se daqui a pouco estiverem pregando em Marte ou na Lua, e fincando bandeirinha como "propriedade do Senhor Jesus", como se Jesus precisasse de um bando de idiotas que aqui na Terra só fazem distorcer todos os ensinamentos deixados, ah odeio crentes é pouco, é tipo abominação, nojo, ojeriza... é a ignorânica elevada à enésima potência.

    ResponderExcluir
  4. Também ando cansado dos crentes.
    Talk to the hand, losers.

    ResponderExcluir
  5. O partido republicano sempre passou uma imagem conservadora e há famílias americanas (também conservadoras e "republicanas") que repudiam a opinião do Obama quanto aos gays.

    Aí é um prato pra cheio pra quem quer ser adversário do tio Barack.

    ResponderExcluir
  6. A tolerância do Império Romano às religiões dos povos colonizados se justifica pelo caráter secundário que a realidade social dos últimos tinha para Roma. A mesma dinâmica não se aplicava ao centro do império, onde a ordem social e sua matiz era - e sempre é - imprescindível. Considerando essa verdade que ulula, a religião católica foi sim desprezada enquanto era incipiente e ocupava a periferia do Estado Romano. Porém, à medida em que se popularizou e tomou Roma pelas beiradas - por preencher o vácuo ideológico e existencial do politeísmo helênico - o catolicismo passou sim a constituir uma ameaça fortemente combatida pelo Império - fato vastamente respaldado por documentos históricos. Cuidado com o que lê ou desconfie de sua memória - ou ambos.

    ResponderExcluir
  7. O que o Perry precisava era assistir a mais George Carlin.

    Nada contra quem quer exercer sua religiosidade ou, no meu caso em particular, não-religiosidade.

    O que acho impensável é que, em 2011, políticos ainda utilizem a figura de Deus como plataforma em um país que se auto-denomina um país esclarecido e avançado.

    Eu não quero meus filhos rezando nas escolas deles. Religiosidade é algo que cada pessoa deve adquirir ou não de acordo com suas convicções e, em alguns casos, necessidades. Nunca algo imposto pelo Estado.

    Não vejo a menor diferença entre um Rick Perry e um fundamentalista islâmico. Ambos se baseiam em dogmas para justificar suas ações reais no que eu carinhosamente gosto de chamar de "o mundo de verdade".

    ResponderExcluir