quarta-feira, 6 de julho de 2011

AIN'T NO MOUNTAIN HIGH ENOUGH

Já passei da idade de fazer a Trilha Inca, mas mesmo se ainda tivesse o vigor dos meus 49 anos eu não iria fazê-la. Não possuo um único osso em todo o corpo que tenha vontade de caminhar por quatro dias, nem de dormir em barraca de camping. Mesmo assim, hoje cumpri uma façanha física que me deixou todo gabola. Oscar e eu subimos a montanha Machu Picchu, que fica em frente às ruínas. Não, não é aquela que aparece nas fotos clássicas; esta se chama Wayna Picchu, ou montanha nova. A "nossa", a velha, fica do outro lado e é muito mais alta. Para chegar lá no alto, tivemos que acordar às cinco e meia da manhã. Uma hora depois já estávamos na Casa do Guardião, um mirante privilegiado dentro do parque arqueológico, para ver os primeiros raios do sol iluminando a cidade sagrada. Às sete e meia começamos a subida. Duas horas depois estávamos quase mortos mas lá no topo, onde me enrolei na sugestiva bandeira de Cusco. Várias vezes pensamos em desistir. O calor crescente, os degraus dificílimos e principalmente o despenhadeiro ao nosso lado colocavam em dúvida nossa real vontade de subir. Mas a partir de certo ponto virou questão pessoal. Precisávamos nos superar. E conseguimos. Agora posso comer mousse de lúcuma sem culpa.

7 comentários:

  1. o país se chama PERU
    a região é CUsco
    o lugar é MACHU picchu
    e a bandeira é a do arco-íris

    Realmente, para quê ir à parada gay na paulista?

    ResponderExcluir
  2. Desceu pela mesma trilha ou pela trilha que da volta pelo pico (4h), com escadas de corda e com visita a Gran Caverna? Se não fez a outra trilha INCA de 4 dias, vale muito a pena chegar até Intipunku - O Portão do Sol controlava o acesso à cidade inca e oferece uma vista de 180 graus de Machu Picchu. A trilha é bem mais tranquila, uma hora para chegar lá. Calcule o tempo para chegar no poente caindo sobre Machu Picchu. Sensacional.

    ResponderExcluir
  3. Uma bandeira arco-íris é também usada no Peru, Bolívia e Equador como símbolo do Tahuantinsuyu, indígenas andinos. E tem sido exibida em protestos contra os governos destes países. É constituída por sete barras horizontais. Por vezes a barra azul-claro está ausente, sendo substituída por uma branca que é colocada entre a verde e a amarela.

    A frequente confusão com a bandeira usada pelo movimento LGBT (6 barras) tem suscitado o desejo de abandono e substituição da bandeira arco-íris, por parte de algumas pessoas do movimento indígena de Cuzco, no Peru.

    ResponderExcluir
  4. Obs. A foto postada é a visão de Intipunku - 1 hora de caminhada para subir de Machu Picchu (quechua, "Montanha Velha") pela Trilha Inca. Você vê um inca dormindo. A montanha menor à esquerda (cabeça e queixo) é Huchuypicchu (quechua, Pequeno Pico Novo) e a montanha que vocês escalaram à esquerda é a Waynapicchu (quechua, Pico Novo).

    ResponderExcluir
  5. Oi Tony, Sinto muito por tantos comentários, mas a sua viagem me trouxe lembranças boas e o caderno turismo da Folha S.Paulo é sobre Machu Picchu ahhhah. Lembrei de um vídeo que fiz das duas trilhas... www.facebook.com/video/video.php?v=114216305303790
    :)

    ResponderExcluir
  6. Tony, o que é lúcuma?

    ResponderExcluir
  7. @ER: Não, esta foto é mesmo tirada da montanha Machu Picchu, a que subimos. A Wayna Picchu aparece na foto. A vista da Porta do Sol é de outro ângulo.

    Esta foto não é minha, é tirada da internet. Não trouxe o cabo certo para baixar as que eu tirei... Assim que conseguir, faço um post exclusivo.

    @Paulo do Sul: lúcuma é uma fruta típica do Peru e do Chile, muito usada em doces. Tem uma consistência meio cremosa e um sabor suave.

    ResponderExcluir