sábado, 14 de agosto de 2010

A MÁQUINA DE MOER IDEIAS

O cineasta André Klotzel nunca teve um grande sucesso de bilheteria. Seu filme mais bem-sucedido foi justamente o primeiro, "A Marvada Carne", que devorou quase todos os prêmios no Festival de Gramado e lá vai pedrada. Mesmo assim, ele estava com medo de que sua nova obra, "Reflexões de Liquidificador", fosse triturada pelo monstro da indiferença, que faz com que a maioria dos filmes brasileiros não resista a duas semanas em cartaz. Bom, então vamos combinar que o título deveria ter palavras como "sexo", "amor" ou "espírito", e nunca "reflexões" e "liquidificador", que juntas se tornam radioativas. A estratégia de lançamento também me parece simpaticamente equivocada. O filme está numa única sala de SP, com preço variáveis ao longo do dia. Antes dele ainda passa um curta nacional e - Jesus feche meus olhos - um cômico de stand-up. Minha vergonha alheia atinge o ponto de ebulição ao ver alguém semi-engraçado tentando divertir uma plateia pela metade. E o "Reflexões" em si, que tal? Também é simpático, até modesto. O próprio Klotzel não é fiel à ideia original: contar uma história a partir do ponto de vista do liquidificador. O eletrodoméstco narra o começo e o fim, mas some da cena por longos períodos. O que é bom, porque deixa Ana Lúcia Torre brilhar. Trabalhei com ela na sitcom "Santo de Casa", da Band, em 99. É uma atriz fabulosa e uma pessoa idem, que nunca foi posta no mesmo pedestal de Fernanda ou Marília - talvez porque de diva não tenha nada. E agora vai ganhar todos os prêmios dos próximos festivais. O filme é a vitamina que sua carreira precisava.

8 comentários:

  1. Aqui no Rio não está passando?

    ResponderExcluir
  2. No final você não foi claro, o filme é bom?

    ResponderExcluir
  3. eu concordo com vc , ela realmente é uma atriz brilhante, vc viu NORMA- peça de teatro- com ela??? vi muita gente de teatro e outros tantos sairem chorando do teatro. beijo

    ResponderExcluir
  4. Sim, vi "Norma", mas não gostei muito do texto da peça. Achei meio forçado... Mas ela estava fantástica mesmo, assim como no monólogo "Rose Rose" ou em "Eles não Usam Black-Tie". Faz tempo que não a vejo no teatro. Cadê Ana Lúcia?

    ResponderExcluir
  5. Tony,

    E pensar que a Ana Lúcia Torre quase não teve seu contrato renovado na Globo, esse ano.

    Lucas

    ResponderExcluir
  6. Vi, gostei e recomendo. Mas a estratégia é mesmo equivocada. E o show de stand up é mesmo constrangedor.
    Milton.

    ResponderExcluir
  7. Amigo amigo amigo Tony.... fui assistir a este filme. ALém de ter lido aqui com você, outras pessoas tinham me comentado muito bem. E depois a atriz dispensa apresentações, ela é muito boa. Esse filme me fez ver um roteiro estratégico, bem como um cardápio aonde você mistura uma pimenta ao molho de quibebe por exemplo, extremos. Comecei achar meio chatinho de início até porque não se entende muito aonde o filme quer te levar, mas a certo momento o susto. Você se pergunta, que você não esta vendo ou ouvindo o que estão fazendo ou falando... e por final a grande sacada. Fantástico... muito delicado e perfeito. Direito na veia de quem está assistindo... Obrigado por mais essa fantástica dica... por isto não deixo de ler o seu blog... religiosamente todos os dias... xx

    ResponderExcluir
  8. Ah Amigo... esqueci de falar que depois deste filme, comecei a ter uma relação diferente com o meu liquidificador... rs.. xx

    ResponderExcluir