sexta-feira, 20 de agosto de 2010

A JUDY GARLAND DA DIREITA

Ann Coulter é a mais escrota dos comentaristas americanos de direita. Ela faz de tudo para manter sua fama de má, e consegue. Disse que a solução para o terrorismo islâmico era simples: bastava invadir todos os países muçulmanos, matar seus líderes e converter as populações ao cristianismo. De vez em quando pega pesado demais: afirmou que as viúvas das vítimas do 11 de setembro, que reivindicavam pensões e indenizações, eram todas putas querendo aparecer, e que fariam melhor se posassem na "Playboy". Não tem papas na língua para xingar os democratas, os liberais ou qualquer um que lhe cruze o caminho. Sua briga mais recente é com uma organização de extrema direita que cancelou o convite que lhe havia feito para uma palestra. Isto porque Ann será uma das oradoras de um evento do GOProud, um grupo de gays republicanos (sim, isto existe, apesar de não fazer muito sentido). Chegou a ser anunciada no poster do certame bibístico como "a Judy Garland da direita" (como se a verdadeira Judy fosse conhecida como socialista). Ms. Coulter chamou seus novos desafetos de "suínos" e lembrou que não fala só para gente com quem concorda. Assim como Diogo Mainardi, Ann Coulter está muito mais para uma entertainer do que para uma comentarista política séria. É uma espécie de Sarah Palin que sabe ler e escrever. Suas posições são quase sempre absurdas e repulsivas, mas ela é muito divertida. Por isto a odeio com todas as forcas - e a-do-ro odiá-la.

10 comentários:

  1. Eu não a conheço, portanto...
    Eu sempre ouvi dizer que republicanos são pessoas sem piedade então estes gays republicanos é da mesma especie. Quem eles reprime?!

    ResponderExcluir
  2. Diogo Mainardi? Quem o leva a sério? Os leitores "brainwashed" da "Veja" e intelectualóides de ocasião. Arrrgh! Saudades do Paulo Fracis. Apesar de suas posições um tanto quanto reacionárias, esse sim era um provocador com cultura. Essa aí, pelamordedeus! Redneck, uma típica "American idiot". Estaria melhor fazendo tortas, comendo donuts e engordando até explodir. Aaafff...
    Milton.

    ResponderExcluir
  3. qual o nome do programa de comedia dela mesmo?
    kkkkkkkkkkkkkkkk
    adoro gente q sabe - ou nao - ver um pouco de piada, ironia, ou sei la o q mais nas coisas ditas serias da vida.

    abraços
    voy

    ResponderExcluir
  4. Dahling, quem disse que republicanos são de extrema direita? E quem disse que liberais e democratas não tem preconceito? Política partidária é muito mais complexo que isso... Tolinho. Vai escrever sobre balada, vai...

    ResponderExcluir
  5. Onde foi que eu escrevi que todos os republicanos são de extrema direita? Muitos são e estão quase dominando o partido, mas não todos. E o grupo de extrema direita para o qual Colter ia falar não é filiado ao GOP ("grand old party", o apelido do partido republicano para os íntimos).

    Também não sei onde você leu no post que os liberais e democratas não têm preconceitos. Costumam ter menos do que os republicanos, é verdade, mas não foi isto o que eu escrevi.

    Ah, entendi. Você está em coma induzido, Zsa Zsa, e sua capacidade de compreensão de textos está prejudicada. Tente ler o blog novamente quando você acordar, dahling. Mwah.

    ResponderExcluir
  6. Dahling, dahling... Nem em coma Zsa Zsa fica prejudicada. Aprenda isso. Mas, dahling, talvez eu tenha me expressado mal... por extrema direita quiz dizer conservadores. É que vc usa termos como "liberal", "extrema direita", "relativismo cultural", "simpatizante" tanto e a torto e direito q acabo por me perder... Dahling, como vc sabe não sou boa no trato com a criadagem...mas vc tem que admitir que de balada e viadagem vc é uma quasi-sumidade. Saindo disso...temos o Google! Btw, o q vc quis dizer com "um grupo de gays republicanos (sim, isto existe, apesar de não fazer muito sentido)."?

    ResponderExcluir
  7. Porque hoje em dia os republicanos são, em grande parte, contrários aos direitos iguais para os gays.

    Claro que há exceções. A própria Laura Bush se declarou favorável ao casamento entre pessoas do mesmo sexo. E o ex-vice-presidente Dick Cheney tem uma filha lésbica que vive há anos com uma mulher, com quem tem um filho.

    Mas nem isto impediu Mary Cheney (o nome dessa filha) de fazer uma polpuda doação a um candidato que é contra os gays... Aliás, durante todo o governo Bush, Mary não se pronunciou nem uma vez contra as políticas discriminatórias federais. Bush e Cheney, mesmo sendo pessoalmente simpatizantes, jamais tiveram o menor pudor de atacar as bibas para atingir seus fins eleitorais.

    O partido republicano tem um passado glorioso. Foi o partido de Lincoln, que libertou os escravos. Até meados do século 20, os republicanos eram a vanguarda da modernidade nos EUA.

    Isto começou a mudar com a luta pelos direitos civis, nos anos 60. Hoje o GOP está cada vez mais nas mãos de seu flanco extremista, ultra-religioso, às vezes até racista. O avanço da facção Tea Party nas primárias é assustador. Vamos ver se terão sucesso nas urnas em novembro.

    Por tudo isto, acho estranho um gay americano ser republicano. Mas claro que eles existem. Aliás, aqui no Brasil também há muitos homossexuais conservadores. Outro dia li um blog chamado "Gays de Direita" (se não me engano) que misturava posts sobre o avanço dos direitos igualitários com orações a Nossa Senhora.

    Não que a esquerda tenha sido historicamente simpática aos gays. Os comunistas sempre nos perseguiram. Entramos tardiamente na pauta dos partidos. E o que foi que o PT fez por nós quando chegou ao poder? Muito pouco.

    No mais, estimo melhoras, dahling.

    ResponderExcluir
  8. é estrategia Laura se declarar Friendly enquanto o maridão antende o clamor direitista. Quanto a Mary Cheney, é o velho egoismo humano, eu estou bem... o resto que se vire..

    ResponderExcluir
  9. Bright YounGAY Things20 de agosto de 2010 22:18

    ELA É A Clyecianne! hahahaha

    ResponderExcluir
  10. já comentei antes aqui que não vejo contradição nenhuma em alguém ser gay e republicano. ser gay é parte integral da vida de alguém, mas não é o todo. acho essa visão simplista demais. quem concorda com 100% das posições republicanas ou democratas? então se o cara concorda com a visão republicana para a maioria dos outros aspectos da vida, porque não ser republicano e comprar brigas dentro do GOP para mudar essa visão? partidos e pessoas evoluem, mudam de posição etc com o tempo.

    na parada gay de Paris tem carros de associações gays de vários partidos políticos, tanto o Socialista, o Comunista, quanto os que apoiam o Sarkozy. Mesma coisa em Berlim. Porque seria diferente nos EUA? Durante muito tempo, um político democrata do sul dos EUA tendia a ser muito mais conservador que um republicano do nordeste ou meio-oeste do país. Partidos não são monolíticos, nem todos os gays tem a mesma visão do mundo.

    se seu raciocínio valesse, então toda bicha paulistana teria que sempre ter votado na Marta Suplicy (até o dia que ela resolveu que evangélicos eram mais numerosos que gays e apelou feio na eleição municipal).

    tb não acho boa estratégia os gays serem todos eleitores de um mesmo partido. pq? com o tempo, esse partido já considera esses votos no bolso e se acomoda (tipo achando que tem um curral eleitoral). e os outros partidos não tem nenhum estímulo para conquistá-los. melhor distribuir os ovos por várias cestas.

    ResponderExcluir