sexta-feira, 30 de julho de 2010

ENTREVISTA COM A APÓSTATA

Tive uma fase braba de Anne Rice assim que me casei, assim como tive uma fase de Agatha Christie no começo da adolescência. Lia um livro dela atrás do outro: "Entrevista com o Vampiro", "O Vampiro Lestat", A Rainha dos Condenados"... Aos poucos eles foram ficando mais longos e mais chatos, e a fase foi superada. Há alguns anos lhe dei uma nova chance. Ela havia abandonado a literatura de terror, voltado para sua Nova Orleans natal e retomado "di cum força" a fé católica. Encarei "Cristo Senhor: a Saída do Egito", o primeiro volume de uma série romanceada sobre a vida de Jesus. Chatíssimo, benzadeus. Risquei Anne Rice do meu caderninho. Mas agora vou por de volta. Anteontem ela simplesmente repudiou o cristianismo - via sua página no Facebook, nada menos - por causa das injustiças cometidas pelos auto-proclamados "cristões" (sim, assim mesmo, à la Cleycianne). O mais interessante é que ela não repudia Jesus Cristo, muito pelo contrário:

Para aqueles que se importam, e eu entendo quem não o fizer: hoje eu deixei de ser cristã. Estou fora. Eu continuo dedicada a Cristo como sempre mas não mais a ser “cristã” ou a ser parte do Cristianismo. É simplesmente impossível para mim “pertencer” a este grupo briguento, hostil, conflituoso e merecidamente infame. Eu tentei durante dez anos. Eu falhei. Sou uma 'outsider'. Minha consciência não permite nada além disto.

Anne tem um filho gay, o também escritor Christopher Rice. Veja o que ela diz em outra mensagem:

Como disse antes, deixei de ser cristã. Estou fora. Em nome de Cristo, eu me recuso a ser anti-gay. Eu me recuso a ser anti-feminista. Eu me recuso a ser contra os métodos anticoncepcionais artificiais. Eu me recuso a ser anti-Democrata. Eu me recuso a ser contra o humanismo secular. Eu me recuso a ser contra a ciência. Eu me recuso a ser contra a vida. Em nome de Cristo, eu deixo o Cristianismo e deixo de ser cristã. Amém.

Falou e disse.

5 comentários:

  1. ADOREI! Nunca é tarde pra renegar o arcaico e os dogmas discriminatórios.

    ResponderExcluir
  2. ENTAO ESTA EXPLICADO ( ELA TEM UM FILHO GAY!!!) PQ ELA FALA COM TANTA SUTILEZAS E USA DE METAFORAS, OU SERIAM ANALOGIAS? PARA FALAR DE VAMPIROS BISSEXUAIS QUE VIVEM NAS TREVAS ( COMO ANTIGAMENTE QUE OS GAYS VIVIAM EM GUETOS)

    ResponderExcluir
  3. Brigth YounGAY Things30 de julho de 2010 19:33

    Mais um belo post Tony!

    Ela faz eco a um reverendo presbiteriano brasileiro muito famoso (mais lá que cá) e sensato, que ha uns 20 anos vem dizendo isso, o cristianismo esta longe das causas de Cristo, e que o cristão deveria ser mais macho e falar em nome próprio, causa própria, e nunca se apropriando de outro Nome para defender causas bizarras.

    ResponderExcluir
  4. Brigth, mas falar em que nome se jesus nunca existiu, pois foi um ser mágico construido por um grupo de pessoas do oriente,e depois firmado no período romano de Constantino e imposto para o mundo todo atravéz da religião católica romana. Por isto não me espanta as bizarrices que saem dali usando o nome desse ser que nunca existiu de fato.Tem uma comunidade séria no orkut que estuda isto e se chama: "Erros da bíblia". É interessante ler o tópico: o que há de original no cristianismo?

    ResponderExcluir
  5. My facebook says I'm Christian...DIOR.

    ResponderExcluir