segunda-feira, 26 de julho de 2010

ENSABOA, MULATA, ENSABOA

E por falar em Mr. Burns, o Serra soltou uma pérola na "Folha" semana passada que justifica toda a fama de em-cima-do-muro dos tucanos. Tudo bem que ele queira capitalizar em cima do repúdio do bispo de Guarulhos a Dilma por causa do apoio desta à descriminalização aborto - apoio, aliás, que ela agora renega de pés juntos. E tudo bem que também queira manter a vantagem que tem entre os evangélicos, que são aproximadamente um quarto do eleitorado brasileiro. Mas, quando perguntado se pretendia legalizar as uniões homoafetivas, precisava ter dado uma resposta tão ensaboada? "É um assunto que Estado não entra, é problema das pessoas. Cada crença tem a sua orientação. Se uma igreja não quer casar, mesmo reconhecendo união civil, a igreja não pode ser obrigada a isso. Se duas pessoas querem viver juntas, ter herança, é problema delas, não é do Estado." Como assim, não é problema do Estado? Ele está certíssimo em separar o casamento civil do religioso, mas o Estado tem tudíssimo a ver com isto, sim senhor. Nessas de não querer melindrar os "bíblia", Serra meio que conseguiu melindrar todo mundo. Pelo menos a Dilma já disse que é a favor da união civil. Mas pelo jeito nenhum candidato brasileiro vai ser macho como a Cristina Kirchner e defender o casamento igualitário, com todas as suas sílabas.

(Fausto, valeu ela dica. Deixei escapar essa materia no dia em que saiu, mas você me salvou. Aprendi que o preço da igualdade é a eterna vigilância.)

20 comentários:

  1. Tony, o Serra deu a mesma resposta na entrevista ao 3 Contra 1, da TV Brasil, e fiquei passado com isso.

    Minha reação foi exatamente igual À sua: "COMASSIM, não é problema do Estado?!"

    Dilma, por sua vez, tem se mostrado uma GRANDE decepção, usando abertamente os direitos LGBT como moeda de troca com as lideranças evangélicas, e nem tem o que falar da Marina.

    Curiosamente, o único candidato à Presidência com uma visão realmente favorável aos LGBT é o Zé Maria do PSTU (fiquei meio chocado com o quanto o programa dele é abrangente ao falar especificamente dos direitos dos gays), que não tem chance nenhuma de ser eleito.

    Acho que o caminho é votar MUITO bem pra deputados e senadores, por que dos candidatos à Presidência, não podemos esperar qualquer avanço.

    ResponderExcluir
  2. Tony, pensando bem nesta figurinha aí em cima...eu vou fazer igual a aquela famosa atriz que disse o seguinte..."eu tenho medo"...tambem fiquei com medo nao da materia mais sim de pensar que um tipo como este acima vai ser a cara do Brasil lá fora? (rsrsrsr) Nossa, acho que exagerei. xoxo

    ResponderExcluir
  3. Também só vi a noticia hoje e achei estranho nenhum lugar estar comentando. Na hora corri para te mostrar aqui no blog. Pior de tudo é que achei a resposta dele a pior entre todos que já deram resposta parecida, pois a união civil é problema do Estado sim e não tem nada a ver com religião, da maneira que ele tentou colocar.

    ResponderExcluir
  4. A Dilma também já vendeu a alma aos evangélicos dizendo que não dará nenhum impulso a nenhuma dessas matérias como presidente da república. Ela vai deixar a cargo do legislativo, tão somente. considerando o grau de renovação quase zero do Legislativo, podemos esperar sentados...

    fonte: http://veja.abril.com.br/blog/radar-on-line/eleicoes-2010/em-busca-do-voto-evangelico/

    ResponderExcluir
  5. Acho que é importante frisar que Serra e Dilma dizem que nçao defenderão o casamento gay e a descriminalização do aborto por temerem perder o voto dos evangélicos, já a Marina (que poderia ser maravilhosa se não fosse evangélica) não defenderá pois crê que essas duas coisas são pecados, ou seja, sabemos que pessoalmente nem o Serra nem a Dilma têm concepções arcaicas sobre homossexualismo e aborto, enquanto Marina ainda acha estar na idade da pedra.

    ResponderExcluir
  6. Bruno H: de que adiante esses senhores não terem a opinião arcáica, se não vão fazer N-A-D-A pelo casamento? Eu estou procurando um pin do pstu. Alguém sabe aonde consigo?

    ResponderExcluir
  7. A verdade é que CANDIDATO é uma coisa, PRESIDENTE é outra. Para se elegerem eles precisam de todo o apoio, até do diabo se for possível. Então eles não são contra nem a favor, muito pelo contrário.

    ResponderExcluir
  8. É tudo matématico: se os gays fossem 25% da população e os evangélicos 10%, o Chucky e o Bento Carneiro apoiariam a causa. Eu jamais votaria na Marina, mas pelo menos ela é mais sincera.

    ResponderExcluir
  9. Bruno H, você se engana. A Dilma já disse ser favoravel ao casamento gay (apesar de não dizer o que fará por isso) e completamente a favor da descriminalização do aborto, afirmando ser questão de saúde pública e que enquanto mulheres pobres fazem aborto e morrem, mulheres ricas fazem aborto em clínicas caras.

    ResponderExcluir
  10. Tony, há um certo tempo (suspiros) você promoveu uma discussão sobre a "colocação" no nosso meio. Nesse clima de discussão democrática de assuntos que exaltam os ânimos da Gay Society - mais do que a prisão da Lindsay Lohan, por exemplo - não seria digno promover mais um debate, revisando a ficha dos "presidenciáveis", "governadoráveis", "deputáveis" e "senadoráveis"?
    O que me deixa mais passado - pretérito mais que perfeito - é ter de definir meu voto tão somente por critério de eliminação. O que houve com a simpatia dos políticos?
    Abraços.

    ResponderExcluir
  11. Pra defender a união gay de peito aberto na política só sendo gay também. ninguém vai comprar essa briga nós.

    ResponderExcluir
  12. Já falei que o Brasil vai acabar (ou já é) uma Teocracia Evangélica.

    NINGUÉM pode com eles, todos os candidatos, políticos, etc, baixam a cabeça e mostram a bunda.

    Seria hora dos gays se aliarem com os católicos?????????

    Tempos difíceis, medidas desesperadas.

    ResponderExcluir
  13. O verdadeira Mr Burns é o Paulo Skaf. Sério. Presta atenção.

    ResponderExcluir
  14. Em campanha, para angaria votos, até a Marta fez papelão aquela vez com o Kassab, então é foda.
    Agora, em matéria de políticas LGBT, pelo menos em SP, o Serra e o Kassab fizeram muito mais do que a Marta.
    Desconheço um pouco os atos federais nessa área, o q demonstra não ter nada de muito efeito.

    ResponderExcluir
  15. Olha, se tem alguma coisa que pode ser apovada neste país é a união civil para nós.O casamento iria demorar mais uns 50 anos. Prefiro a união civil um pouco limitada( em relação a poder adotar crianças, etc) do que não ter nada!
    Portanto eu acho que devemos votar em deputados e senadores mais laicos. Tenho certeza que se os senadores aprovassem a união civil a Dilma não iria dar atrás sancionaria como lei. Com o Serra eu teria um pouco de medo, pois ele fica muito em cima do muro. Pois a gente já sabe quais dos candidatos vai pode chegar lá: Dilma ou Serra. Os outros não tem chance. REALIDADE!

    ResponderExcluir
  16. O problema, de fato, está na palavra "casamento". Se nós os convencermos de que não se trata de casamento, mas união de direitos, acho que a coisa ficaria mais fácil. Precisamos desmistificar esse assunto. As pessoas ficam imaginando a gente entrando na igreja, de véu e grinalda e isso as coloca contra nós. Acredito que até podemos fazer isso, mas não devemos anunciar, não por agora. Beijo a todos.

    ResponderExcluir
  17. Faço minhas as palavras do ludo.

    ResponderExcluir
  18. Ludo, devo dizer que a política do Sergio Cabral aqui no Rio também é completamente pró-LGBT.

    Parece que tais atos ficarão dependentes dos governos estaduais, pelo menos por um bom tempo...

    Gui

    ResponderExcluir
  19. Enquanto isso, Plínio Arruda Sampaio, do nanico PSOL, se expressa com todas as letras que é favorável à legalização do aborto e da maconha e a favor do casamento entre pessoas do mesmo sexo. Nunca votei com base nos meus interesses, mas de toda a "sociedade". Desta vez, opto pelo voto "corporativo". Voto pelo laicismo, pela liberdade individual, pelos valores éticos, pelo humanismo e pela honestidade. Não voto em quem me enrola. Voto em quem tem colhões de assumir suas posições. Mesmo que não seja para ganhar, voto Plínio. Quero marcar posição. Um nanico pode falar alto. E derrotar, mesmo que moralmente, gigantes.
    Milton Rizzato

    ResponderExcluir
  20. O PSDB é apoiado por setores conservadores. Isso é muito claro: basta ver o DEM, o partido republicano no Brasil. O DEM é adepto do conservadorismo liberal, a mesma linha política dos republicanos nos EUA. Ou seja, é a favor de preceitos liberais básicos, mas também defende "princípio" morais, a família, blá blá blá. Não estou dizendo que o PT seja melhor não. O partido também é apoiado por grupos conservadores. É difícil, na verdade, dizer quem realmente defende a questão LGBT abertamente, sem ter de medir palavras por conta das alianças com conservadores.

    Agora, em termos de visibilidade política, no que tange a questão LGBT ninguém se compara ao Sergio Cabral.

    ResponderExcluir