sexta-feira, 14 de maio de 2010

PIPOCA ANÊMICA

Filmes de super-herói são fast food em celulóide: sabores familiares em versão infantil, para serem devorados de uma só bocada e esquecidos mais rápido ainda. "Homem de Ferro 2" nem chega a isto. É um pacote de pipoca tamanho jumbo, salgadinho e gorduroso no começo, mas que logo perde a graça - e que parece não acabar nunca, por mais que você coma. Tem alguns momentos legais, como a corrida em Mônaco ou a festa em que Tony Stark/Homem de Ferro toma um porre e perde o controle, praticamente uma metáfora da vida de Robert Downey Jr. Mas há muitos tempos mortos, personagens em excesso e um vilão que pretende vingar a morte do pai, o mais antediluviano dos clichês. Pelo menos esse vilão é Mickey Rourke, mais xexelento e divertido do que nunca. A quantidade de explosões e objetos brilhantes me fez sentir o próprio índio, a quem Hollywood tenta seduzir com espelhinhos. Mas tanto vidro estilhaçado e tantos choques elétricos não escondem a anemia dessa sequel atrapalhada. Falta hemoglobina nesse ferro.

4 comentários:

  1. Até eu que tenho boa vontade com filmes de super-heróis achei bem meia boca.

    ResponderExcluir
  2. Em síntese total: Uóóóóó´...!

    ResponderExcluir
  3. Acho que só faz sentido, em geral, para quem já era fã ou curtiu na infância.

    ResponderExcluir
  4. Só vou acreditar nesse post porque o Daniel confirmou. Você não gosta de filme de superheroi e é super duro na critica dessa categoria.

    ResponderExcluir