sábado, 29 de maio de 2010

LINDOS, LEVES, SOLTOS

Recebi um e-mail do Luciano de SJC comemorando a libertação do casal gay que havia sido condenado a 14 anos de prisão no Malawi. Lá ele se dizia cheio de esperança, porque um país atrasadíssimo havia dado um passinho à frente. Essa esperança também me pegou, Luciano. Mas não por causa do Malawi, e sim dos governos e pessoas que se manifestaram contra esta barbaridade. Tenho certeza que o presidente do país e a esmagadora maioria da população, que ainda vive presa a tradições tribais, foram dormir esta noite tão homofóbicos como sempre. A mentalidade de ninguém evoluiu um milímetro sequer. O Malawi cedeu à pressão internacional - até Madonna, sua embaixadora informal, aderiu - simplesmente porque não tinha alternativa. É uma nação miserável, que tem pouco a oferecer ao mundo além de seus órfãos para adoção. Depende terrivelmente da ajuda internacional, e se borrou de medo dessa ajuda minguar. Pressões semelhantes têm sido aplicadas a Uganda, que ainda ameaça os gays com a pena de morte; esperemos que também dê certo. A coisa tem que ser feita com cuidado, para não ferir orgulhos nacionais. Mas tem que ser feita sem pudor: a África inteira é uma masmorra para os homossexuais, que são perseguidos, presos e mortos em quase todo o continente. A exceção gloriosa é a África do Sul, onde já exste o casamento entre pessoas do mesmo sexo. Aliás, um país onde a poligamia é legalizada e o presidente da república tem 4 ou 5 esposas (perdi a conta) não tem muita moral para dizer que o casamento só pode ser entre um homem e uma mulher.

Um comentário:

  1. Tony,
    Concordo. No entanto, embora continuem tão homofóbicos quanto sempre foram, se tivessem que condenar outro casal hoje eles pensariam duas vezes. E outros países também estão atentos às consequências. Está acontecendo, lentamente, um realinhamento da ordem mundial - e isso é muito bom. Ainda serão precisos décadas (ou séculos, em alguns casos), mas a direção está decidida. Há 15 ou 20 anos atrás nós nem saberíamos que estas coisas estavam acontecendo nestes países.
    Abraço,
    **

    ResponderExcluir