domingo, 22 de novembro de 2009

E O MUNDO NÃO SE ACABOU

Ninguém mais pode soltar um peido no Rio de Janeiro sem que a imprensa internacional questione a capacidade dos cariocas de organizar as Olimpíadas de 2016. É tanto alarmismo que eu fiquei a fim de ver algo arrasador pra valer, que cancelasse a porra dos Jogos de uma vez por todas. Como o tsunami prometido pelo poster brasileiro de “2012”, com o Cristo se estilhaçando e uma Urca imaginária sendo arremessada contra o Pão de Açúcar. Mas saí frustrado: a cena é rapidíssima, e acontece apenas num monitor de TV, com “imagens fornecidas pela Globo News” (sabia que a Globo iria resistir ao fim do mundo). Só neste ponto o filme desaponta. São quase três horas de aniquilação total, acompanhadas pelo roteiro perna-de-pau obrigatório. Adoro quando os cientistas explicam que as partículas solares se “transmutaram”. E adoro ainda mais quando uma torre de controle é destruída pela lava e alguém lá dentro exclama, “essa não!”. “2012” é um pastiche bilionário de todos os filmes-catástrofe jamais feitos: “Terremoto”, “Poseidon”, “Inferno na Torre”, “Aeroporto”, etc. Só faltou um enxame de abelhas assassinas. O mais engraçado é que tem neguinho por aí levando a sério a tal da “profecia” maia sobre o fim do mundo em 2012. Gente, se os maias fossem tão sofisticados assim, não teriam extinto sozinhos a própria civilização, antes mesmo da chegada dos espanhóis.

8 comentários:

  1. e "lucky blue", curta sueco de 2007? achei tão poético. tão simples. tão bem feitinho.

    é uma história de amor, mas sem arroubos de paixão. é de um lirismo delicado. acho q é o exemplo de um amor nórdico (?). mas não por isso é menos tocante e sensível.

    um ex dizia q nas minhas veias corria nitrogênio pq eu não fazia escândalos, mas isso não significava q o sentimento fosse menor. acho q podia até ser o contrário.

    a edição do filme foi precisa. afinal, qdo expressões emocionais são raras, vc tem q usar aquele momento exato para contar a históira, e essa se conta em olhares e intenções. e o protagonista não me sai da cabeça. q boca. se puder, baixe e veja. e comente, bien sûr.

    ResponderExcluir
  2. Veja só, isso, apesar dos efeitos especiais very 200...e tarará (2012? -hahahahhaha), me remeteu de imediato as loucurinhazzzz e loucuronas já vistas nas telonas e telinhas das vidinhas e vidonas, dirigidíssimas pelo genial Tarkovsky! The mirror, em uma das cenas de onirismos - Nunca vi e, acho, verei nada igual , ui!- arrepia mesmo, é o teto derretendo? É a casa pegando fogo? É uma levitação à la sonambulismo faustoso? É uma conjuntura!2012, é pra levar a sério? Me refiro ao filme, pq a profecia bahhhhhhhh!

    ResponderExcluir
  3. Eu também achei ótimos todos os efeitos especiais - com a trilha sonora certa daria um excelente videoclipe pra ninguém botar defeito. Agora, é realmente duro aguentar aquela família chatérrima (é a mesma de Guerra dos Mundos: pai separado passando o final de semana com os dois filhos aborrecentes quando a tragédia acontece e a família se une para superar os problemas). Sinceramente, com gente morrendo aos milhões de uma única vez, quem vai se importar com a sobrevivência daquela família dispensável? Fiquei torcendo para que eles caíssem em um vulcão e até imaginei o efeito lindo que resultaria. O que me levou a concluir que o problema da Terra é realmente esta gentinha que se acumulou na sua crosta.
    Abraço,
    *

    ResponderExcluir
  4. Por que será que o ser humano gosta tanto de apocalipses?

    ResponderExcluir
  5. Tambem fiquei desapontado com a cena do Cristo. Me faz especular q com a noticia das olimpiadas os marketeiros do filme lembraram de ultima q o mercado brasileiro (e de quem gosta de nos) eh grandinho e tentaram entrar no vacuo fazendo cartazes de ultima hora da estatua despedacando-se. E eu cai... iria esperar pelo DVD mas nao aguentei de curiosidade.

    ResponderExcluir
  6. Ai gente, pelo menos apareceu, vai... Pelo menos foi uma referencia correta a uma televisao brasileira (em portugues). Lembra de Stigmata (onde o lugar no "Brasil" em que eles filmaram parecia mais Cuzco?)? E outros lugares importantes, como Paris por exemplo, também nem apareceram!

    Agora, eu achei os efeitos especiais BEM fraquinhos... Em alguns momentos parecia que eu estava em um game de Playstation ou similares.

    ResponderExcluir
  7. Aguardei quase duas semanas despois da estréia do filme na última sexta-feira 13 do ano de 2009. O que me motivou foi a cena do Cristo, que passava no trailler na Tv inglesa. Mas sinceramente, como já foi comentado, enredo de família de pais separados, aliás, só esperam o step-father morrer para reatarem (rsrs), "navios-submarinos" com o alto escalão do G8, mais China (a "salvadora" em termos) e aqueles que puderam pagar, um presidente dos EUA de mártir e um desconhecido que "salvou" um dos "navios". Se dependêssemos dessa Arca de Nóe com o políticos do "primeiro-mundo" e os ricos despossuídos, o que seria o "novo-homem"?!rsrsrs.
    Família feliz estadunidense de classe média x família indiana de pai cientista pioneiro nas descobertas.
    P.S. procurava algo na web e "cai" no seu blog. adorei seus escritos.

    ResponderExcluir