quinta-feira, 22 de outubro de 2009

VAMPIRA DENTE DE LEITE

Tudo o que eu queria ter aos 13 anos de idade era uma amiga como Eli, a menina-vampira do filme "Deixa Ela Entrar". Sim, vampira: alguém ainda tem saco? Fora que a moda agora são os zumbis, vampiros são muito semana passada. Mas este filme sueco tem um argumento interessante, que infelizmente fica aquém da realização. Oskar é um garoto que vive apanhando na escola. Ele se enturma com uma vizinha do prédio, sem saber que ela já tem 12 anos há muito tempo. A garota o incentiva a reagir às provocações dos colegas: uma leitura possível é que ela não passa de uma amiga imaginária, uma metáfora para a nascente coragem do guri. Pena que o ritmo só engrene no final, com muito sangue e vingança (sim, ando numa fase vingativa). Na maior parte do tempo, "Deixa Ela Entrar" é escuro e interminável como uma noite de inverno na Suécia.

12 comentários:

  1. AMO o dark side dos suecos! :)

    Historinha de uma amiga sueca: A prefeitura da Estocolmo tem uma torre ENOOORME - um dia, subiu um louco e ficou lá, por quase 30 min. Os suecos, cool como eles só, acharam que era uma apresentacao teatral, e NINGUÉM ligou para a polícia. Os turistas tirando foto.

    E o cara se jogou.

    ResponderExcluir
  2. Sempre gostei dos suecos, além de falarem muito bem inglês, são - em maioria- bem educados e simpáticos, nada "edgy"- como os britânicos e demais oriundos de países que falam...! Dizem uns (colegas): -Eita cambada de H fogosos,caramba(Carimbam?-hahahha)!É de manhã, a tarde, e ... aiai- Não sei, nunca provei-hahaha!! Será que alguém segura um desses GGG,toujour ?? Mas brincadeiras a parte, esse estereótipo ficou mesmo registrado como marca dos nórdicos.Quanto ao filme, divaguei too much indeed ! É, parece interessante. Mesmo sendo Vamp, uma abordagem diferenciada é sempre interessante. Se é que ainda se possa fazer algo diferenciado, interessante ou sei lá... Será?

    ResponderExcluir
  3. Ai, que bom! Li tantos comentários sobre este ser "o filme da década" e vc me diz que ele é interminável.
    Talvez em dvd. :)

    ResponderExcluir
  4. Deus me livre, morro de medo de filme assim com criança morta fantasma.

    ResponderExcluir
  5. E, ao passo que True Blood é bem interessante, o Diários de Vampiro que estreou hoje na Warner é de chorar de ruim.

    ResponderExcluir
  6. Eu achei o filme excelente. Segue fielmente o livro pelo que li, sem escancarar os fatos maiores como o fato dela ser um menino castrado(Elias), viver com um pedofilo, pai do Oskar ser gay e que a maior duvida dele aceitar ela é o fato dela ser um menino, e não uma vampira, como o filme tenta nos enganar.

    ResponderExcluir
  7. Eu adoro filmes suecos. E esse não é exceção. Achei o filme delicado e bem dirigido.

    Tony, vc deveria falar sobre outro filme sueco chamado Patrik 1.5. Delicioso na medida certa.

    ResponderExcluir
  8. de todo o Post resalta a vontade de vingança

    vai confessa de que ou de quem te queres vingar?

    ResponderExcluir
  9. Eu gostei bastante, e mais do começo do que do fim. Achei delicado. Só um pouco lúgubre demais mesmo, como disse no blog. Agora, a burra aqui não tinha entendido direito o status da relação com do cara que vivia com a vampirinha com ela. Meu 'enteado' e Rê me explicaram que era tipo um Oskar que ela tinha descolado antigamente e que foi envelhecendo com ela. O seu leitor Fausto já traz outras informações. Achei meio confusa essa parte toda.
    Não é o melhor filme da década, de jeito nenhum, mas achei bacana, sim.

    ResponderExcluir
  10. Isadora
    Provavelmente o Oskar terá o mesmo caminho do ajudante da Eli. Vai crescer e continuar com a garota...
    No livro, Eli sempre deixava o ajudante acaricia-la enquanto se masturbava quando ele conseguia coletar sangue.

    ResponderExcluir
  11. Eu gostei muito também, vi aqui em Madrid em Maio, e o título que colocaram foi outro em espanhol: "Deixa-me entrar". O cartaz também, gostei mais que esse aí, era só um close do rosto dele, em frente a uma parede branca.
    O final também não gostei muito, mas o início é muito poético.

    ResponderExcluir