domingo, 25 de outubro de 2009

MULHERES DO ORIENTE

Se quisessem, até os Estados Unidos poderiam concorrer ao Oscar de filme em língua estrangeira. Vi na Mostra dois filmes de produção americana, mas falados quase o tempo todo em línguas do Oriente Médio e focados em mulheres daquela região. O primeiro foi "Amreeka" ("América" em árabe), que conta as dificuldades de adaptação de uma palestina e seu filho adolescente a um subúrbio de Chicago. Eles ainda dão o azar de emigrar justo em 2003, o ano em que os EUA invadiram o Iraque: todo mundo os trata feito terroristas, apesar de nem serem muçulmanos. Apesar dos inúmeros precalços, o tom do filme é leve e otimista. E ainda tem minha adorada Hiam Abbas como a irmã da protagonista.

Já "O Apedrejamento de Soraya M." não tem nada de leve - só as pedras que são jogadas na moça, que não podem ser grandes para prolongar ao máximo o suplício. Eu postei o trailer do filme em julho, e tive que me encher de coragem para vê-lo ontem. Teve gente que se chocou com a cena do apedrejamento no "Caçador de Pipas". Pois aqui ela é mil vezes pior, em todos os detalhes sangrentos. E a vítima nem sequer está com o rosto coberto: a pobre Soraya vê todos os seus algozes, inclusive seu pai e seus filhos. Penei muito mais do que na "Paixão de Cristo" (que aliás acho uma bosta como filme). E o curioso é que o Jesus de lá faz um repórter aqui: Jim Caviezel parece gostar de filmes torturantes. Também tem minha adorada Shoreh Agdashloo, então o sofrimento não foi total. E claro que a gente sai do cinema com vontade de declarar guerra ao Irã.

4 comentários:

  1. e EU QUE JUREI QUE Amreeka ERA A ABREVIAÇÃO DE "AMIGA REEEEKA".
    ADOOOOOOOOOOOOOOORO!!!!

    ResponderExcluir
  2. O Irã parou de decretar fatwa?

    ResponderExcluir
  3. Vc que a-do-ra ver homofobia em tudo quanto é de publicidade o que achou do comercial do fiat atractive, aquele onde dois caras observam o dono de um desses carros saindo do veículo nas mais variadas situações/companhias e ficam especulando a maneira como ele "descolou" dinheiro prá ganhar o dinheiro que permitiu comprar tal produto? Numa dessa situações o rapaz sai do carro acompanhado de uma profusão de frangos (ou melhor, um verdadeiro garajau!). E daí os dois comentam: "Hi, tá mexendo com coisas estranhas..." Será que a mensagem subliminarmente (?) homofóbica seria: "Hi, foi o frango que deu!"?

    ResponderExcluir