terça-feira, 27 de outubro de 2009

MORRER COMO ESPECTADOR

Ó raios, porque os filmes portugueses são tão chatos? Não devo ter visto mais que uns 20 em toda minha vida, dos quais 10 do imorrível Manoel de Oliveira. O único de que realmente gostei foi "Capitães de Abril", sobre a Revolução dos Cravos, dirigido pela Maria de Medeiros. Mesmo o recente "Amália" eu achei que podia ter rendido mais. Ontem caí na besteira de ver "Morrer como um Homem", na Mostra de Cinema de São Paulo. Não me toquei que o diretor João Pedro Rodrigues já havia cometido o horroroso "O Fantasma" - um filme muito apreciado em certos círculos paneleiros, mas que eu simplesmente detestei. A história de "Morrer" não me atraía muito - os últimos dias de vida de uma drag queen - mas, à falta de programa melhor, lá fui eu. O filme é lento, confuso, cruel e auto-indulgente (sim, isto é possível). E é loooongo... Tive vontade de morrer antes que o protagonista. Não sei porque o cinema de Portugal parece uma caravela presa na calmaria. Estou sendo injusto, leitores lusos? Ou há algum diretor que mereça mais atenção?

20 comentários:

  1. Manoel de Oliveira é um poooorre. Só críticos mal humorados gostam. Já viu aquele da Chiara Mastroianni apaixonada por um roqueiro portuga? Além da chatice toda da fita, ainda temos que aturar longos números do tal roqueiro. Ai, Jisuis!

    ResponderExcluir
  2. acho que eu nunca vi um filme português na minha vida!

    ResponderExcluir
  3. MM, vi sim este filme a que você se refere. É "A Carta", que passou na Mostra há uns 10 anos. O roqueiro é o Pdero Abrunhosa, de quem eu até gosto na vida real. Mas o filme é francamente insuportável. E pior: velho. É a visão de um velho sobre um problema velho.

    ResponderExcluir
  4. Tem toda a razão. Não há um único cineasta aqui em Portugal que tenha quebrado o enguiço: ou são muito chatos ou demasiado light, que é a mais recente tendência. Enche-se a fita com muitas "celebridades" que não sabem representar e o argumento depois logo se vê. É a triste realidade :(

    ResponderExcluir
  5. Engraçado que tem uma porrada de gente que diz ter adorado "O fantasma", mas quando questionados sobre o que trata o filme, qual a proposta de toda aquela masturbação cinematográfica ninguém chega a um consenso.

    Resumo: porre.

    ResponderExcluir
  6. ALICE de Marco Martins
    http://www.youtube.com/watch?v=HsBsT1AwDbs

    MILAGRE SEGUNDO SALOME de Mario Barroso
    http://www.youtube.com/watch?v=0z5uHCoOdN4

    TRANSE de Teresa Villaverde
    http://www.youtube.com/watch?v=ICC2MnrPjD8

    ResponderExcluir
  7. Depois de "O Fantasma" - João Pedro Rodrigues fez "Odete" que tem um pouco mais de ação mas é chato na mesma, mas é engraçado ver as caras conhecidas do mundinho gay e da noite aqui de Lisboa (todo mundo faz "ponta" nos filmes) é como ir ao cinema onde conhecemos todos os atores de vista.

    Alexandre Lima, fotógrafo correspondente oficial de Tony Goes em Portugal.

    rsrs, bjs

    ResponderExcluir
  8. O "Fantasma" é uma das maiores merdas já produzidas, duvido q algum crítico ou psicanalista consiga me convencer do contrário. Nem como produto erótico serve. Dei uma olhada na programação gay do Festival aqui no Rio e não me interessei por nada, esse ai então eu fugi.

    ResponderExcluir
  9. há quem tenha gostado. eu ainda não vi, mas vou ver.
    achei apenas o seu comentárioa um bocadinho agressivo, sabe? e generalista. a puxar pró maitê.
    "a caixa" do manoel de oliveira, é dos meus filmes preferidos.

    ResponderExcluir
  10. achei q fosse a bárbara paz na foto.

    ResponderExcluir
  11. O Fantasma foi um dos filmes mais chatos que já vi na minha vida. É um dos responsáveis por eu ter desistido de acompanhar a Mostra de SP.
    Lembro que o diretor do filme estava na sessão que assisti e ele foi apresentado ao público antes da exibição. fiquei com pena do cara, pois a cada minuto uma dúzia de pessoas deixava a sala. resisti até o fim, muito por compaixão barata pelo diretor. e só lembro de ver meus amigos olhando o relógio de 3 em 3 minutos para ver se o filme estava próximo do fim.

    ResponderExcluir
  12. Tem toda a razão, Tony. Sou português mas tenho de admitir que o nosso cinema é muito chato e sim, auto indulgente!
    Aproveito para lhe dar um abraço, adoro o seu blog, passo por cá todos os dias
    Um abraço
    João Paulo Soares
    PS - João Guimarães, não estou a ver a analogia, honestamente

    ResponderExcluir
  13. talvez falte-lhe um pouco de convivio para entender a alma portuguesa e por fim apreciar um pouco o seu cinema.

    manoel de oliveira tem filme chaterrimos, mas os A Caixa, A Carta, e Non ou a va gloria de mandar sao magnificos...

    ResponderExcluir
  14. E o que dizer de "A Corte do Norte"?
    Faz a Globo parecer Hollywood.
    E como é chato!

    ResponderExcluir
  15. Lolol
    Tony eu sou amigo do director e fui à estreia do filme com a minhã irmã.
    Digamos que no fim do filme o director olhou para mim e perguntou "então vais sair logo? " em vez do " então o que achaste do filme?", tal era a minha cara de tédio.

    Eu confesso, sofri ... o filme precisava de um fast foward, tem assumidamente uma serie de actores de diferentes meios, de televisão, de teatro, de stand up, etc e tudo junto fica uma salgueirada, vulgo confusão.

    A Maria Baker (que confesso gramei 8 vezes o espetaculo dela e são todos em inglês coloquial) é divertidisimo, o Gonçalo Ferreira de Almeida ( que é uma Diva) fez -me rir no filme ( a moçoila que recita poesia alemã).

    Mas a cena na floresta ao som da musiquita, P*ta que pariu, que já estava a cortar os pulsos)

    A história em Portugal deu bastante celeuma ( aka controvérsia) originalmente esta é quase a história da famosa Ruth Bryden, que foi a Traveka -mor de Lisboa, e que morreu de SIDA e o namorado suicidou-se na praia 2 dias antes de ela morrer, despojados dos silicones ( sim parecido com o filme), porque a bicha-cronista-social-cor-rosa do reino, veio acusar o realizador de ter roubado os direitos de autor do livro que ele escreveu sobre a mesma.

    compreendo a estética do filme mas quando acabou o filme pensei, até gostei da história mas isto contava-se em menos de uma hora

    e tenho pena que acho o João Pedro tem boas ideias mas falta-lhe ritmo ( e há demasiada influência de genet e cocteu como ele admitiu no fim do filme)
    e a parte mais engraçada, a minha irmã AMOU o filme, chorou, riu, aplaudiu no final, ( ela, as 6 lésbicas e 2 críticos de cinema com mais de 60 anos), no meio do bichedo que estava quase a vomitar e a suicidar-se ( não parece bem sair a meio do filme e não houve intervalo)..... conclusão

    acho que a minha estava com SPM (ou TPM) lololol

    ResponderExcluir
  16. E como post anterior estava demasiado grande, filmes portugueses bons, escolho dois;

    MILAGRE SEGUNDO SALOME de Mario Barroso, fabulosa visão do milagre de fátima ( ia dando excomungações por heresia)

    e o maravilhoso
    ESQUECE TUDO O QUE TE DISSE, de António Ferreira com participação de Custódia Galego, António Capelo e Amélia Corôa.

    O filme tem ritmo ( tb com a Hiper activa Custódia)
    e pela primeira vez a personagem principal, não é boazinha, antes pelo contrário

    podes, se quiseres ver um site que está bastante bom sobre cinema português
    http://filmesportugueses.com

    a maior parte dos filmes são um tédio, houve uma altura qem que nos especializamos em filmes de agarrados sofredores ( leia-se toxicodependentes, bairros de lata e depressivos )

    ResponderExcluir
  17. não resisto
    lolol
    video da música princial do filme
    Esquece tudo o que te disse
    http://www.youtube.com/watch?v=p_WsZAc_WE4
    ( filmado num bar de p*tas à beira da estrada na zona de Coimbra)

    e o trailer do filme
    http://www.youtube.com/watch?v=aeJLGRDS7u8

    ResponderExcluir
  18. O Fantasma: hollywood nunca faria algo parecido nem aqui no brasil eu assisti um filme tão importante quanto esse.

    ResponderExcluir
  19. Tony, você que entende destas coisas, o que é exatamente um filme "importante"?

    ResponderExcluir