sexta-feira, 14 de dezembro de 2007

CEM ANOS POR LINHAS TORTAS

Esta semana o Brasil inteiro está celebrando o Oscar Niemeyer, que cumpre 100 anos amanhã. Como eu sou espírito de porco, vou destoar: menos, gentem, menos. Minha intenção original era gongar geral o véio, mas dou o braço a torcer – muita coisa que ele projetou é realmente linda, da igreja da Pampulha ao MAC de Niterói. O problema maior é que Niemeyer sempre colocou a forma muito acima e além da função, e essa tendência só foi se acirrando com o passar dos (muitos) anos. Vide os Ministérios de Brasília, que precisaram passar por inúmeras reformas às escondidas para ficar minimante funcionais. Vide o edifício Copan em SP, onde os elevadores param em andares intermediários – os moradores sempre têm que subir ou descer uma rampa para chegarem em seus apartamentos. Vide o absurdo Memorial da América Latina, aquele descampado todo branco sem uma única árvore sequer, e que ainda conta com um auditório capaz de enloquecer o Gerald Thomas: o palco não é nem italiano nem de arena, muito pelo contrário. Niemeyer virou o arquiteto chapa-branca do Brasil, recebendo encomendas de luminares como Jânio Quadros e Orestes Quércia. Desconfio que exatamente por isto que é tão incensado: no fundo é tudo propaganda política, porque o governo precisa sempre ter razão. Pra completar, o cara é stalinista empedernido, e acha que Fidel Castro e Hugo Chávez são benfeitores da humanidade. Vamos combinar que, se as obras de Niemeyer fossem agradáveis de se viver, ele moraria numa delas, certo?

19 comentários:

  1. Confesso que também tenho vontade de falar "Menos minha gente". Afinal, ele vai ganhar uma megafesta no parque do ibirapuera com todas as celebs vindo de longe para aclamá-lo. Tenho uns amigos arquitetos que falam que ele precisa morrer logo para dar uma vida nova nas obras públicas brasileiras. Maldades a parte, ele toma todas.

    Esse problema de acabamento das obras eu vi quando fui com um amigo pela primeira vez no Museu de Niterói, o famoso disco voador. O edifício existe para ser lindo por fora, mas é estranhamente irritante por dentro. Por museu morderno eu sou mais a Lina com o Masp suspenso...

    De qualquer forma, todos conhecen o velhinho. É um bom ícone nacional e precisamos de ícones - mesmo com alguns defeitos. E la fora ele também é bem visto. Os franceses o amam. Lembro que li que ele esteve no juri que escolheu a maquete do Pompidour, em Paris. Eu já cheguei até a propor em conversas mais ousadas de transformar Brasilia num grande museu e voltar a capital para a Guanabara...

    E para dizer a verdade eu sou fã do Paulo Mendes Rocha. Mas aí é outra conversa.

    ResponderExcluir
  2. Quem trabalhou pelo menos um dia cobrindo a São Paulo Fashion Week no prédio da Bienal sabe exatamente do que um edifício de Oscar Nimeyer é capaz: congela a gente no inverno e assa no verão. E Brasília, eu concordo com a clarice Lispector: "Um dia eu morri. E quando abri os olhos, era Brasília".

    Também sou fã do Paulo Mendes da Rocha. Não é parente. Mas tabém é Mendes hehehehehe

    ResponderExcluir
  3. espero que quando eu me formar ele ja tenho morrido, ele fez arquitetura boa (pra epoca) na decada de 50, 60 e 70... mais ou menos...
    depois disso so fez cagada... naum muito diferente do arquiteto que acredito que ira substituilo RUY OHTAKE tirando o hotel unique que eu adoro o resto é uma porcaria, para ter uma ideia no centro cultural tomie ohtake a sala de esposição ficava tão quente que estragou algumas das belas obras da tomie
    quem sabe talvez o Paulo Mendes da Rocha ( que é um otimo arquiteto) tbm naum seja reconhecido depois da morte do velhinho ai

    ResponderExcluir
  4. Finally, alguém resolveu detonar a múmia! Rsrsrsrsrs...respeito a obra, arquitetônica e "da vida", mas...concordo plenamente com todos os comentários...eu fiz um retrofit (chique, né?) num cinema projetado por ele em shusdifora, e, nossa, nunca tive tanto trabalho na vida, e olha que eu faço muitos projetos no Corredor Cultural aqui do Rio...

    ResponderExcluir
  5. o Museu em Niteroi não tem acervo e não pode receber arte nenhuma pq é inviavel para muitas coleções, visitei lá e fiquei realmente chocado, primeiro com a vista incrivel depois com a famosa falta de 'funcionalidade'. Não é a toa que agora esteja em cartaz uma exposição sobre o próprio. Ninguém falou do 'grande olho' de Curitiba outro museu de 'impacto-socialista' (será que queria dizer olho por olho, dente-por-dente?)impossível de estrutura-lo como uma sala digna para exposições. Aliás quando visitei-o tb estava xom uma exposicão em homenagem ao velho! Solução: que tal transformar todos os museus que ele projetou numa espécie de 'memorial ao bom velhinho'? Já que serve apenas para cartão postal mesmo, seria uma solução...
    A história dos elevadores do Copan era para que os moradores se encontrassem e pudessem se confraternizar pelos corredores de concreto como se estivessem numa vilinha em Havana! Huummmm, quem já esteve no edifício nos piores momentos sabe como era essa 'confraternização' e aqora no 'digamos' bons momentos reza para não topar com ninguém pela frente mesmo!
    Agora nos resta comemorar: "Morte ao bom Velho"!

    ResponderExcluir
  6. Tony:esperei ansiosamente por este post.Pensava em gongá-lo gloriosamente.Pura ilusão. Impossível discordar de quase tudo que vc escreveu .Quem está pegando pesado são os comentaristas.Como é fácil destruir ícones ,não? Deve fazer um bem danado para os caras.Tirando o Bessa - numa fase de incontrolável de bom-senso - foi dito muita besteira, só para fazer piadinha.Ele privilegia a forma sim.Opta pela aridez sim.Assume isso sem problemas. Agora ninguem elogia a Oca,onde vi as melhores exposições em minha vida,entre tantos outros lugares sensasionais de sua autoria.Ok ele não é unanimidade e nem seria bom que fosse. Vão desrespeitar aquele imbecil que projetou a Daslu.

    ResponderExcluir
  7. Retificando sobre o Bessa: na verdade queria dizer que o vejo em excelente fase no que toca aos posts que leio em seu blog.

    ResponderExcluir
  8. E o Elvis não era um grande fã da raça negra. O que o fato do Niemeyer ser stalinista tem a ver com a arquitetura?

    ResponderExcluir
  9. esse povo morre de preguiça de andar!!!!

    ahh corrigindo...

    ELE NÃO É STALINISTA.. É TROTSKYSTA...

    se vcs souberem a diferença claro!!!

    ResponderExcluir
  10. Ô Jessé(nome de pastor,Huahuahuahua!!!)...Eu já diçe e repito:você cança,sabia??? Ce acha o rei da cocada prêta no quezito curtura.Já sabemos disso...Então muda a porra do disco,caráio!!!!E vai faze comentario em blog de nerdy petista!!!Beijuenãomeliga que eu tô maleando pra ir na inaugurassão da pissina da Universal no domingo aqui no Rioooooooooooo!!!!!!!!

    P.S.:Dá um geito no meu Portuguêis e fica aí procuranu meus erru...

    Ah...Tanto Stalin quanto Trotsky foram duas feras assassinas.Portanto,não faz a menor diferença,valeu,bee???

    Fui!!!

    ResponderExcluir
  11. eita genrinho nervoso, kkkkkkkkkkkk

    ResponderExcluir
  12. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  13. Genrinho, o Jessé não só é do bem como é um gostoso!! Ele veio falar comigo na White Party, é um amooor...

    Enfim, Trotsky não chegou a matar ninguém - pelo contrário,foi morto no México (visitei o túmulo dele DUAS vezes), mas isso não livra a cara do Niemeyer... totalitarismo "do bem" não existe.

    Ah, Lady Metal, a ideologia política do Niemeyer tem tudo a ver com a arquitetura dele, e ele será o primeiro a admitir isto. Eu não gosto de nenhuma das duas!

    ResponderExcluir
  14. GENRINHA FICOU PRETA DE ÓDIO!!!

    Fica assim não bee.. faz mal pro seu edy...

    se pra vc tanto faz uma coisa como outra é compreensível!! Foi apenas uma correção pq querendo ou não existe diferença...

    e filha.. a sra já está na espera pra entrar pra ABL??? a sra quer demonstrações de português impecável né???

    coitada...

    olha as hemorróidas....

    e Tony.. vc é mais bonito que imaginei ao vivo!!!

    ResponderExcluir
  15. Também acho que realmente a fase de ouro do Niemeyer já passou. Isso contudo não tira o mérito de ver tantas coisas lindas que ele já fez -- e não me canso de admirá-las, pois moro em Brasília. Infelizmente no Brasil temos o hábito de incensar exageradamente uma pessoa e ofuscar outras de igual talento, e acho que aconteceu isso na arquitetura brasileira. É bom lembrar que Le Corbusier tinha verdadeiro horror dos cafés na calçada de Paris e queria acabar com todos. Nem por isso Ronchamp deixa de ser linda. Da mesma forma a Editora Mondadori em Milão, do Niemeyer, e o Palácio do Itamarti, aqui em Brasília.

    ResponderExcluir
  16. o propio Niemeyer está fazendo a linha "menos, menos", ele mesmo nem se acha grande coisa e sempre confessou que fazia as coisas pelo gesto, pela forma, nunca estado muito preocupado como ia ficar de pé ou quanto ia custar.
    mas se pegarmos outros arquitetos modernos, Mies, Frank Loyd e até os brasileiros como Paulo MEndes, Lina Bardi, eles também fizeram dezenas de obras onde o conforto térmico, adequação e utilização não eram os pontos fortes!
    achoque temos que encarar a arquitetura de ponta como encaramos uma poesia de vanguarda ou uma obra de arte conceitual, algo que nos faz sentir e pensar..
    é claro que se o niemeyer quizesse que o museu de niteroi ou outras obras fossem para ser usadas "tecnicamente" ele conseguiria! ele naõo faz porque quem contrat ele não está preocupado com isto, e a culpa do redio ser colocado de pé nãoé do niemeyer é de quem paga a construção!
    abs

    ResponderExcluir
  17. Deco a Oca não foi construida para ser 'museu' e recebeu 'as melhores exposições da sua vida' pq teve programadores que suaram a careca em busca de uma boa solução pra'quele espaço infeliz (eu inclusive)! Mais uma vez pior para quem mora ou trabalha numa 'obra' do velho!
    Outra coisa,não há nenhum problema em privilegiar a forma e desenhar um projeto milionário num guardanapo de restaurante (só se fala nisso nas reportagens desta semana! e o velho vivia tendo 'insights' desse tipo.) mais daí a ignorar (solenemente!) a tal 'funcionalidade' da arquitetura, é de doer, e para os cofres públicos!E eu digo para vc "homo e pai", não tem cristo que demova esse velho, nem quem 'o contratata' como vc diz! Conheço gente envolvida em toda a idealização desta aberração que é o Memorial da América Latina e ninguém conseguiu fazer com que o irascível comunista amenizasse a 'aridez paulistana', e a sugestão dos técnicos era para pelo menos fazer uma passagem de grama rasteira para escoar as aguas da chuva e diminuir as poças d'agua! E o velho, nada! Nem arvore, nem grama! E a frase famosa: "se querem ver arvore, que visitem o jardim botânico!"
    Ah, a estupidez dos pseudo-gênios arrogantes, diria Paulo Francis!!!
    Sou mais Paulo Mendes da Rocha (mesmo com aquela marquise tenebrosa da Praça do Patriarca!) um arquiteto que 'pensa' primeiro no homem e na cidade e depois na forma que o 'espaço' precisa!
    Sorry, tava entalado, aida bem que o Tony publicou isso, já que esse véio não entra no meu blog! hahahaha
    Bjos

    ResponderExcluir
  18. Só aclama esse centenário quem nunca teve que trabalhar em um ministério ou um palácio. Sem iluminação interna nenhuma na época de chuvas. Aliás, o tempo todo. E por fora aquela brancura que cega todo mundo nessa cidade sem sombras. E falar do calor insuportável na seca? Não dá... Os prédios cheio de colunas-remendo por trás para conseguir segurar as leves linhas do resto das obras...

    Blah pra Niemeyer. O que mais odeio nele é que a arquitetura evoluiu em centenas de pontos e a múmia continua fazendo prédios sem janelas e sem nenhuma preocupação em ser sustentável, dentre outras evoluções.

    ResponderExcluir
  19. definitvamente a "persona" política dele me irrita, talvez mais do que as obras "style over sbstance"

    ResponderExcluir